Quinta-feira, 23 de Março de 2006

Culinária de Portugal



Salada Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.




A culinária portuguesa é reconhecida como uma das mais variadas do mundo, ainda que esteja restrita a um espaço geográfico diminuto, mostrando influências mediterrânicas (incluindo-se na chamada “dieta mediterrânica”) mas, também, atlânticas, como é visível na quantidade de peixe consumida tradicionalmente. Muito mudou desde que Estrabão se referiu aos Lusitanos como um povo que se alimentava de bolotas. A base da gastronomia mediterrânica, assente na trilogia do pão, vinho e azeite, repete-se em todo o território nacional, acrescentando-se-lhe os produtos hortícolas, como em variadas sopas, e frutos frescos. A carne e as vísceras, principalmente de porco, compõem também um conjunto de pratos e petiscos regionais, onde sobressaem os enchidos. Com o advento das descobertas marítimas, a culinária portuguesa rapidamente integrou o uso, por vezes quase excessivo, de especiarias e do açúcar, além de outros produtos, como o feijão e a batata, que foram adoptados como produtos essenciais. Note-se que a variedade de pratos regionais se verifica mesmo em áreas restritas. Duas cidades vizinhas podem apresentar, sob o mesmo nome, pratos que podem diferir bastante na forma de confecção, ainda que partilhem a mesma receita de base. As generalizações nem sempre estão correctas: as diversas culinárias regionais variam muito na mesma região.
 
A dieta mediterrânica
 
Após o 25 de Abril de 1974, alguns nutricionistas portugueses resolveram criar um esquema que resumisse as virtudes nutricionais da tradicional dieta mediterrânica. Recentemente, elaborou-se uma nova versão deste esquema, a Roda dos Alimentos  que mantém, contudo, a proporção e variedade de alimentos conotados com este tipo de alimentação. Estudos diversos parecem indicar que Portugal é o país "mediterrânico" que menos alterou os seus hábitos alimentares tradicionais, apesar de nem ser banhado por este mar.
 
O pão
 
O pão é, sem dúvida, um dos alimentos base da alimentação portuguesa. Existe em diversas formas ao longo do território nacional, não se limitando ao pão de trigo, de que o pão alentejano é talvez o mais representativo, existindo também a broa de milho, típica do norte, o pão de centeio (por exemplo, da Serra da Estrela), etc. O pão alentejano, geralmente de grandes dimensões (pão de quilo) e com miolo compacto, é pensado para durar mais do que um dia (algumas variedades são ainda mais apreciadas no dia seguinte à cozedura) e é utilizado em diversos pratos como as açordas e as migas à Alentejana. Fora do Alentejo, continua-se a utilizar pão para outros pratos, como o torricado (um pão grande, torrado com azeite e que é servido como acompanhamento, próprio do centro do país), o bacalhau espiritual, diversos ensopados e, entre os doces, as rabanadas ou fatias-paridas, os mexidos, etc. Note-se que o doce de Évora designado como pão-de-rala não leva pão na sua confecção.
 
No norte de Portugal, junto ao Porto, é célebre a "boroa de Avintes" – designada vulgarmente como "broa de Avintes". Existem outras espécies de pão, como a fogaça, a rosca (o pão vulgarmente utilizado no norte, ao Domingo, dia em que o padeiro não vai levar o pão a casa), as “caralhotas” de Almeirim (pães redondos e de tamanho médio, especialmente apreciados quando acabados de sair do forno), o pão-com-chouriço (frequente em feiras e festas, onde é consumido quente, cozendo no forno com o chouriço já no seu interior), os folares (próprios da Páscoa), etc. No norte de Portugal, há ainda a referir as "bolas" (lê-se "bôlas") que tanto podem significar grandes pães com carne misturada (em Trás-os-Montes) ou pães baixos, redondos e compactos servidos com sardinhas ou carne (como acontece em algumas partes do Minho).
 
O azeite
 
O azeite é a gordura de eleição dos portugueses, principalmente utilizado como condimento nas sopas de legumes, nas migas à moda da Beira (em que se misturam feijões, couve e pão de milho), no bacalhau assado, onde é acompanhado com bastante alho, etc. Mesmo na doçaria, o azeite também se faz presente, como em alguns bolos, principalmente alentejanos, mas também em diversas "broas de azeite". As batatas cozidas, servidas juntamente com diversos pratos, como peixes grelhados, são geralmente regadas com azeite, um golpe de vinagre, salsa e cebola picada.
 
Grande parte dos pratos começam por ser preparados a partir de um refogado de cebola e/ou alho, mais ou menos puxado (mais ou menos escuro), em azeite.
 
O vinho
 
Portugal orgulha-se especialmente dos seus vinhos que também apresentam uma variedade impressionante, consoante a região onde são produzidos. Os vinhos generosos, de alto teor alcoólico e sabor geralmente doce (mas nem sempre), incluem o inevitável vinho do Porto, o vinho da Madeira, o vinho de Carcavelos, o moscatel de Setúbal, entre outras variedades, como os vinhos “abafados”, em que o mosto não chega a fermentar porque é diluído em aguardente.
 
As regiões produtoras de vinho mais afamadas são, sem dúvida, o Alentejo e o Douro, ainda que mereçam referência outras regiões: Dão, Terras do Sado, Bucelas, etc.
 
No Minho existe a região demarcada do vinho verde, que se bebe jovem e fresco. Ao contrário do que muitas pessoas pensam (mesmo alguns portugueses), o vinho verde não é um tipo específico de vinho branco. De facto, existe vinho verde tinto (o que é, aliás, mais consumido no Minho) e vinho verde branco.
 
Sopas e cozidos
 
Os produtos hortícolas são muito utilizados para diversos fins: saladas, sopas de legumes, cozidos, etc. São frequentes as sopas frias, como o gaspacho, no Alentejo, as “picadas” (pepino picado com água fria, sal, vinagre e azeite), além de diversas sopas de legumes. Estas costumam resultar da adição de legumes (nabiças, couve, espinafres, etc.) a uma base de puré mais ou menos espesso (consoante os gostos) de batata, cenoura e, eventualmente, cebola. O caldo verde, composto por puré de batata e couve-galega cortada em tiras muito finas é talvez a mais famosa das sopas portuguesas. No norte de Portugal é uso acompanhar o caldo verde com rodelas de chouriça. Note-se que no Alentejo dá-se outro significado à palavra “sopas” que são, nessa acepção, semelhantes às açordas – pedaços de pão num meio líquido aromatizado, a acompanhar algo (ovos, carne, peixe).
 
O cozido à portuguesa, considerado por muitos como o prato nacional, é composto por uma grande diversidade de ingredientes cozidos em água abundante – as receitas variam muito de local para local, havendo muitas que reclamam ser mais legítimas que outras. Contudo, podemos referir como ingredientes mais utilizados: diversas qualidades de couve (couve-galega, couve-lombarda, tronchuda, etc.), batatas, feijão, cabeças de nabo, cenoura, enchidos (chouriço, farinheira, moura, etc.), carnes de vaca e de porco – havendo mesmo quem junte também pedaços de frango ou galinha.
 
As saladas mais utilizadas são de alface e de tomate. Há, aliás, uma certa confusão na linguagem popular entre os termos alface e salada, como se ambos referissem a mesma coisa. A salada de tomate costuma vir aromatizada com orégãos.
 
Enchidos
 
Alguns enchidos portugueses fazem parte de uma lista restrita de produtos a que a Comissão Europeia atribui a menção de Indicação Geográfica Protegida para a zona de Estremoz e Borba: a Paia de Toucinho, o Chouriço de Carne, a Paia de Lombo, a Morcela, o Chouriço grosso e a Paia.
 
No Norte de Portugal, as alheiras nasceram como reacção dos judeus ao dilema de não poderem comer carne de porco por motivos religiosos e o imperativo de dar a parecer que se tinham convertido ao cristianismo.
 
Temperos
 
Em termos gerais, é no sul que se usam mais as ervas aromáticas. Enquanto que no norte de Portugal se usa quase exclusivamente a salsa, o louro, a cebola e o alho, no sul, especialmente no Alentejo, utilizam-se os coentros, as mentas (hortelã, poejo, etc.), os orégãos, o alecrim, etc.
 
Desde que Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia que os portugueses utilizam a pimenta (designada no Brasil como pimenta-do-reino), a noz-moscada, o cravinho-da-índia, o açafrão, etc. A doçaria regional faz uso abundante da canela.
 
Peixe e marisco
 
É obrigatória a referência ao peixe consumido tradicionalmente em Portugal. Além da célebre sardinha portuguesa, o bacalhau, pescado em águas mais frias e afastadas, são os peixes mais usados pela cozinha lusitana. Não nos podemos esquecer, contudo, da grande variedade de mariscos, sem ser de viveiro, como o berbigão, o mexilhão, as conquilhas, etc. As amêijoas são utilizadas não só como principal iguaria, ao natural ou à Bulhão Pato, mas também a acompanhar outras, como na carne de porco à Alentejana. Existe ainda uma grande variedade de receitas de açordas e feijoadas de marisco.
 
Doçaria
 
A doçaria portuguesa tem grande parte da sua origem nos conventos. O uso excessivo de gemas de ovos em muitas destas especialidades está relacionado com o uso das claras de ovos como goma para manter os hábitos (o vestuário das religiosas) direitos e sem rugas – com as gemas que sobravam, a criatividade conventual extravasava em doces ricos em açúcar e em frutos secos, como a amêndoa. No Algarve, principalmente, são típicos os doces de amêndoa e de figo seco; no Alentejo, a sericá (ou sericaia), o pão-de-rala, os nógados, etc... Entre outros doces que importa referir, há os ovos-moles de Aveiro; os pastéis de nata (incluindo os famosos pastéis de Belém); as queijadinhas de Sintra (e os agora já célebres travesseiros da Periquita); os pastéis de Tentúgal; o pudim abade de Priscos; as tigeladas de Abrantes; entre outras especialidades mais ou menos conhecidas.
Quase todas as localidades têm o seu doce típico.
Temas:
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post | comentar | ver comentários (4)
Segunda-feira, 20 de Março de 2006

O Caviar


O Caviar é uma especialidade culinária, feito de ovas salgadas de esturjão, o maior peixe de água doce do mundo. Elas precisam ser retiradas do peixe ainda vivo num prazo máximo de quinze minutos para depois serem peneiradas, lavadas e secas.
O prato nasceu na Rússia, nas cortes dos czares Ivan IV, o Terrível, Nicolau I e Nicolau II.



 

Esturjão é um peixe de águas geladas cujas ovas são consideradas caríssimas iguarias. Uma das aplicações gastronómicas das ovas deste peixe é o famoso caviar.
 
A pesca relacionada com este mercado está a ameaçar o esturjão beluga de extinção.




O esturjão branco ou esturjão beluga (Huso huso) é um peixe da família Acipenseridae (esturjões). É natural do mar Negro e do mar Cáspio e dos seus rios tributários (afluentes). A espécie está sujeita a intensa pesca nestas zonas para a colheita das suas ovas para a produção de caviar.
 
Os stocks de caviar beluga de esturjão do Cáspio caíram mais de 90% nos últimos 20 anos (informação obtida em 2001) por causa da destruição dos locais de desova, poluição e o fim das leis rígidas de pesca da era soviética.
 
O Esturjão é um peixe velho e primitivo que provavelmente existe na terra desde a época em que os dinossauros desapareceram.
 
Eles são cobertos por escamas ósseas que se parecem com armadura e podem alcançar até três metros e meio de comprimento. Os esturjões eram considerados os reis dos peixes entre os Nativos Americanos que habitaram a Região dos Grandes Lagos.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


 

Temas: ,
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post | comentar | ver comentários (14)
Domingo, 12 de Março de 2006

A Cenoura



Uma cenoura é uma raiz, tipicamente cor de laranja com uma textura lenhosa. As cenouras são comidas cruas, inteiras, ou como parte de saladas, e são também cozinhadas em sopas e refogados. Também se pode fazer bolo de cenoura. A parte folhosa da planta não é comida na maioria das culturas, mas é comestível.

A cenoura (Daucus carota) pertence à família das Apiaceae. O antepassado selvagem da cenoura é a cenoura silvestre.

Pensa-se que o beta-caroteno, ou vitamina A, que dá ao vegetal a sua cor alaranjada característica, melhora o desempenho dos receptores da retina e portanto melhora a visão. As cenouras são também ricas em fibra dietética, antioxidantes e minerais.

As cenouras, originalmente, apareciam com cores púrpura, branca e amarela. A cenoura laranja, que é hoje sinónima de cenoura, foi desenvolvida na Holanda como tributo a Guilherme I de Orange ("orange" = "laranja") durante a luta holandesa de independência da Espanha, no século XVI.

A maior cenoura do mundo está em Okahune, na Nova Zelândia.

A cenoura é riquíssima em Vitamina A. Apenas cem gramas são suficientes para suprir as necessidades diárias de um ser humano. Ela ajuda a manter o bom estado dos olhos, da pele e das mucosas. Nunca se deve descascar uma cenoura, pois a parte mais nutritiva está justamente perto da superfície. Basta lavá-la e raspá-la.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:12
Link do post | comentar | ver comentários (4)
Sábado, 28 de Janeiro de 2006

Os Bróculos

Bróculos
 

Brócolis
, bróculos ou brócolos é um vegetal da família Brassicaceae (Crucíferas) (1) , uma das formas cultivadas de couve, Brassica oleracea, tal como a couve-flor, o repolho, couve de bruxelas, kohlrabi entre outros. As folhas, as flores e os pedúnculos florais são comestíveis.


Uso medicinal
  • Graças ao seu elevado teor de cálcio em média 400mg em 100g de flores e 518 em 100g de folhas, cerca de cinco vezes a dose existente no leite, esse vegetal é bom construtor dos ossos e dos dentes.
  • Segundo pesquisas publicada recentemente pela Ag. Reuters, os brócolos e o repolho ajudam a evitar o cancro da próstata ao consumirmos três porções diárias de vegetais como os brócolos e o repolho, pode reduzir até pela metade o risco de cancro da próstata. Baseou-se num estudo do Centro de Pesquisas do Câncer Fred Hutchinson, em Seattle, Estados Unidos.

Todas as revistas masculinas nos EUA dizem que comer molho de tomate reduz o risco de cancro da próstata, mas nós não encontramos nenhuma relação  - Relato de Alan Kristal, um dos pesquisadores do estudo. Kristal disse que os vegetais da família das crucíferas, como brócolos, couve-flor e repolho são mais eficazes para reduzir o risco da doença, porque contém uma substância fitoquímica que induz à produção de enzimas particularmente activas na próstata. O estudo foi realizado num grupo de 1.230 homens entre 40 e 64 anos. Os resultados mostraram que aqueles que comiam três ou mais porções de vegetais diariamente tinham risco 48% menor de desenvolver cancro da próstata, comparados àqueles que comiam apenas uma porção diária. Em todos os níveis de consumo de vegetais, com o aumento da percentagem de vegetais crucíferos, o risco de cancro da próstata diminuiu  - Afirmou Kristal

  • Já o professor Lelington Lobo Franco, químico, fitologista, autor de mais de vinte livros sobre saúde, afirma que os brócolos contem crómio, um elemento químico essencial, que existe em pequena quantidade no organismo dos diabéticos. Portanto a glicémia pode ser controlada fazendo sumo de 5 g de brócolos, num liquidificador com um copo de água e uma pitada de sal (opcional). Tomar 2 copos ao dia para o controle da hiperglicémia (2) . É claro que tem que haver controle na alimentação.

(1) - Brassicaceae - brassicáceas (ou, como também eram antes designadas, as Cruciferae - crucíferas) é uma família botânica composta por 350 géneros e 3.200 espécies. São plantas de grande importância para a alimentação humana e produção de óleos e gorduras vegetais. São cultivadas praticamente no mundo todo, entre elas destaca-se o género Brassica, nativa da Europa, que compreende todos os repolho, couve, nabo e mostarda.

(2)  - Em medicina, chama-se hiperglicemia ou hiperglicémia ao excesso de açúcar no sangue.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 
Pouca caloria, muita vitamina


O brócolo é uma hortaliça de inflorescência, originária da região do Mediterrâneo, pertencente à família Brassicácea, assim como a couve-comum, a couve-flor, o repolho, a mostarda, o rabanete e o agrião.
O brócolo é uma hortaliça com poucas calorias, sendo recomendável em regimes de emagrecimento. Possui considerável teor de vitamina C.  O seu teor de vitamina A é elevado quando comparado com o repolho e a couve-flor, mas inferior ao da couve-comum. Também é fonte de fósforo, ferro, cálcio e fibras. Os teores de cálcio são próximos aos do espinafre, com a vantagem de serem mais digestíveis no caso dos brócolos.

As mulheres que têm uma dieta abundante em alfaces, brócolos, espinafres e óleo de colza e de soja, que contêm ácido alfa-linolénico, têm menos risco de sofrer de doenças cardiovasculares.

Brócolos é um vegetal que contém vitaminas e minerais essenciais em abundância. Os brócolos, além de possuírem diversas propriedades benéficas, também podem ser denominados de alimentos fitoquímicos. Uma chávena de brócolos (+- 120g) contém somente 40 Kcal, 130 mg de cálcio, 1,2 mg de ferro e 5 g de proteínas. Além disso, esta quantidade de brócolos cozidos também contém mais de 2,5 g de fibras e de laxativos naturais, sendo por isso recomendado para prevenir prisão de ventre.

Mesmo podendo ser consumidos crus, a maioria das pessoas prefere comê-los cozidos. É possível preservar a maior parte dos seus nutrientes cozinhando-os no vapor até ficarem crocantes e tenros, enquanto que ao cozinhá-los numa grande quantidade de água destrói boa parte dos nutrientes e vitamina C.

Os brócolos são um alimento que nos abastece sem nos encher. É um óptimo prato de baixas calorias. Pode juntar às massas, saladas e até mesmo com galinha. Fica um prato mais colorido e mais saudável.
 

Publicado por: Praia da Claridade às 00:12
Link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2006

A Couve-flor

Couve-flor
Couve-flor

A Couve-flor é uma hortaliça do tipo inflorescência (conjunto de flores) que pertence à espécie Brassica oleracea (couves), assim como o repolho, os brócolos, etc. De textura delicada e tenra exige cuidado e atenção no seu preparo. Pertence ao grupo Botrytis.

É muito importante sob ponto de vista nutricional pois é rica nos minerais cálcio e fósforo, contém quantidades apreciáveis de vitamina C, é livre de gorduras e colesterol e tem teores bem baixos de sódio e calorias. É, por isso, indicada para quem segue uma dieta saudável.


História

Originária da Ásia Menor, foi levada para a Europa no começo do século XVI. Hoje o seu cultivo é fácil pois adapta-se bem em qualquer tipo de solo, com pequenas correcções.


Cuidados
  • Ao comprar, escolha cabeças compactas fechadas de cor branca ou creme, sem manchas escuras.
  • Se estiver envolvida pelas folhas, estas devem estar verdes e sem sinais de estarem murchas.
  • Quando passada do ponto ou estiver fora do tempo a cabeça fica dividida, murcha e com pontos escuros.
  • Por ser sensível ao manuseio, escolha as cabeças com cuidado, pois as partes danificadas escurecem e apodrecem mais rapidamente.
  • Compre-a por último, evitando assim que ela seja amassada por outros produtos no fundo do carrinho.
  • Pode ser encontrada na forma minimamente processada, já limpa, picada e embalada. Quando nesta forma, deve obrigatoriamente estar em arca refrigerada, para adequada conservação.
  • Evite comprar este tipo de produto quando ele estiver com pontos escuros e com líquido no fundo da embalagem.
  • Por estragar-se rapidamente compre somente a quantidade necessária ao consumo para utilização imediata. pode ser conservada no frigorífico por 3 a 5 dias sem grande perda de qualidade, dentro de saco de plástico perfurado.
  • Antes de guardar, remova as partes escuras e folhas mas não lave a cabeça.
  • Quando guardada já picada, a sua durabilidade é ainda menor.
  • Para congelar, retire o caule mais grosso e as folhas, pique em florzinhas menores e deixe 30 minutos de molho em água e sal (1/4 chávena de sal para 1 litro de água). Em seguida, escorra, cozinhe em água fervente por quatro minutos, escorra novamente e coloque em água gelada até esfriar. Depois seque bem e envolva em saquinho plástico do qual se retirou todo o ar com uma bombinha de vácuo.

Dicas
  • Por ser de fácil digestão o seu consumo é indicado para pessoas de todas as idades. Muitas pessoas não apreciam esta hortaliça por não saberem prepará-la. No entanto, constitui uma saborosa iguaria quando bem feita.
  • O seu preparo básico, consiste na remoção das folhas e das partes muito grossas e duras do caule, seguida pelo cozimento da couve-flor picada ou inteira.
  • Para uniformizar o cozimento da couve-flor inteira faça um corte em forma de cruz nas partes mais grossas. Cuidado para não cozinhar demais, espere a água ferver para depois colocar a couve-flor, e mantenha-a ao fogo somente pelo tempo necessário para deixá-la macia, mas consistente, por cerca de 5 a 10 minutos se picada, ou 15 a 20 minutos se inteira.
  • Para pratos em que a couve-flor seja assada ou frita, cozinhe-a previamente por cerca de 8 minutos em água e sal, e em seguida coloque em uma vasilha com água fria para arrefecer. Depois, prepare-a de acordo com a indicação da receita.
  • Para descongelar a couve-flor, coloque-a em água fervente com sal.
  • Para deixar a couve-flor branquinha após o cozimento, coloque um pouco de leite, uma rodela de limão ou suco de limão na água de cozimento.
  • 1 cabeça média de couve-flor pesa cerca de 750 gramas e rende 3 a 4 porções.
  • Para impedir que a couve-flor provoque gases intestinais, cozinhe-a no vapor.
  • Temperos que combinam com a couve-flor: cebolinha-verde, pimentão, cravo-da-índia, noz-moscada, endro, alecrim, tomilho, alho, cebola, azeite.
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:14
Link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 22 de Janeiro de 2006

O Limão

Limoeiro, Flor e Fruto
Limoeiro, Flor e Fruto 

 
O limão é o fruto do limoeiro (Citrus limon L.), da família das Rutáceas.
 
Também conhecido como limão verdadeiro, é originário da região sudeste da Ásia. Desconhecido para os antigos gregos e romanos, a primeira referência sobre este citrino encontra-se no livro de Nabathae sobre agricultura, datando do século III ou IV. Trazida da Pérsia pelos conquistadores árabes, disseminou-se na Europa. Há relatos de limoeiros cultivados em Génova em meados do século XV bem como referências à sua existência nos Açores em 1494.
 
Séculos mais tarde, os limões foram utilizados pela marinha britânica para combater o escorbuto, já que proporcionavam uma grande quantidade de vitamina C: o sumo do limão contém aproximadamente 500 miligramas de vitamina C e 50 gramas de ácido cítrico por litro. Actualmente é uma das frutas mais conhecidas e utilizadas no mundo.
 
O escorbuto é uma doença que tem como primeiros sintomas hemorragias nas gengivas, inchaço, pouca segurança na fixação dos dentes. É provocada por carências graves de vitamina C na dieta, e era muito comum aparecer nas longas viagens por mar da época das grandes navegações, causando grande número de baixas nas tripulações dos navios.
 
O Limão popularizou-se no Brasil durante a chamada Gripe Espanhola (epidemia gripal de 1918), quando atingiu preços elevados, chegando a ser comprada por dez a vinte mil réis cada unidade.
 
As suas aplicações na vida doméstica são inúmeras. Com o suco da fruta, preparam-se refrigerantes, sorvetes, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos de limpeza. Da casca, retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e no preparo de licores e sabões.
 
 
Características
 
Híbrido cultivado, as árvores são pequenas (não atingem mais de 6 metros de altura), espinescentes, muito ramificadas, de caule e ramos castanho-claros; as folhas são alternas, oblongo-elípticas, com pontuações translúcidas; as inflorescências são de flores axilares, alvas ou violetas, em cacho. Reproduz-se por estacas de galhos, em solo arenoso e bem adubado, de preferência em regiões de clima quente ou temperado. Propaga-se também por sementes, que requerem solo leve, fértil e bem arejado, em local ensolarado e protegido dos ventos. Frutifica durante todo o ano, em inúmeras variedades, que embora mudem no tamanho e na textura da casca, que pode ser lisa ou enrugada, quanto à cor, variam do verde-escuro ao amarelo-claro, excepto uma das espécies, que se assemelha a uma tangerina.
 
 
Partes usadas
 
Folhas, casca do fruto e suco do fruto.
 
Os que têm cor amarela ou amarelo-esverdeada, são cultivados sobretudo pelo sumo, embora a polpa e a casca também se utilizem em culinária. Os limões contêm uma grande quantidade de ácido cítrico, o que lhes confere um gosto ácido.
 
Os limões e as limas servem-se regularmente como limonada (sumo de limão natural com água e açúcar), ou como adorno para as bebidas tais como Coca-cola com uma rodela dentro ou na borda do copo.
 
 
Curiosidade do Sumo de Limão:
 
A Tinta Invisível
 
A tinta invisível é uma substância que pode ser usada para escrever, que ou é invisível na aplicação ou desaparece rapidamente, e pode subsequentemente ser restaurada por alguns meios. O uso da tinta invisível é uma forma de estenografia, e foi usada em espionagem.
 
As formas mais simples de tinta invisível são suco de limão e leite. Para este tipo de 'tinta fixada por calor', qualquer líquido ácido funciona. Escreva no papel com uma pena, palito de dentes ou um dedo mergulhado no líquido. Uma vez seco, o papel parece em branco. A escrita é feita para aparecer aquecendo o papel, num ferro de passar ou forno, por exemplo.
 
Outros tipos de tinta invisível incluem reacções químicas diferentes, geralmente uma reacção tipo ácido-base (como o papel de litmus) que é similar ao processo mimeográfico.
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:09
Link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2005

Canja de Galinha "À Doentes"

 
Canja de galinha "à doentes"
, (2) um prato típico da Figueira da Foz, teria sido servido à Arthur Wellesley (1), quando estabeleceu [aqui neste actual concelho] um quartel-general que iria ajudar na luta contra os franceses de Napoleão



(1) - Marechal e político britânico, Arthur Wellesley, duque de Wellington, nasceu em
1769, em Dublin. Seguiu a carreira militar, tendo recebido grande parte da sua formação na França. Viria, aliás, a ser uma figura de destaque no continente, protagonizando sucessos do maior relevo e ficando, inclusivamente, ligado à História portuguesa no domínio político, militar e cultural. Ser-lhe-iam mesmo atribuídos os títulos de conde de Vimeiro, marquês de Torres Vedras e duque da Vitória
. A receita original, segundo a tradição, foi escrita numa carta endereçada à sua esposa. Quando ela leu ficou espantada porque não imaginava que o marido sabia fazer canja.
 
Arthur Wellesley, duque de Wellington
.
 
O duque de Wellington interveio com êxito em diversos combates e acontecimentos importantes, todos relacionados com a defesa da posição do seu país na ordem política internacional do seu tempo. Assim, participou na luta da Grã-Bretanha contra o bloqueio continental, na Convenção de Sintra, na vitória do Buçaco e na Batalha de Salamanca. Combateu as tropas francesas em Portugal e na Espanha, e, em 1814, travou com Soult a Batalha de Toulouse. O seu maior feito militar, porém, consistiu na derrota imposta às tropas de Napoleão Bonaparte em Waterloo, em 1815
, uma derrota que marcaria o afastamento definitivo de Napoleão do primeiro plano da cena política europeia.

Na Grã-Bretanha, Wellington foi aclamado como um verdadeiro herói nacional, gozando de um prestígio sem precedentes. Foi nomeado comandante-chefe do exército britânico em 1827. Tornou-se a figura principal do partido conservador, ocupando o cargo de primeiro-ministro de 1828 a 1830
.

Em vida e depois da sua morte, foram-lhe feitas inúmeras homenagens nacionais e dedicados monumentos. Morreu em 1852 em Walme Castle. Foi sepultado, com grande pompa, na Catedral de São Paulo, em Londres
.
 



(2) - Canja de Galinha "À Doentes"
        Culinária regional Figueira da Foz
          in  http://www.gastronomias.com/receitas/rec0262.htm


Este prato foi servido a Arthur Wellesley, nos primeiros dias de Agosto de 1808, quando estabeleceu o seu quartel general nos Armazéns de Lavos (povoação a sul da cidade da Figueira da Foz e actualmente pertencente a este concelho), depois do desembarque das tropas inglesas ao sul da Figueira da Foz, que vinham ajudar-nos na luta contra os franceses de Napoleão Bonaparte.
O próprio general inglês descreve a receita numa carta endereçada a sua esposa, carta esta que se encontra no livro de memórias da duquesa. O prato é, ainda hoje, confeccionado exactamente do mesmo modo, na região.


Ingredientes:

Galinha de campo    -  1
Orelheira de porco salgada   -  um bom pedaço
Pé de porco                   -  1 pedaço
Chouriço velho         -  1 pedaço
Chouriço novo          -  1 pedaço
Toucinho salgado   -  1 pedaço
Toucinho fresco      -  1 pedaço
Couve de corte   -  q.b.
Massa (macarrão-capote)   -  q.b.
Sal          -  q.b.
Cebola   -  q.b.
Água       -  q.b.


Confecção:

- Depois de depenada e limpa a galinha, cozem-se, juntamente, todas as carnes. (Cuidado com o tempero de sal, porque algumas das carnes já são salgadas).
- Na água da cozedura das carnes abre-se a massa e junta-se a hortaliça e a cebola.
- Ao servir, utilize uma malga para a sopa e um prato em frente de cada conviva, para as carnes cortadas em pedaços.

NOTA:

Tudo deve ser comido conjuntamente. Ao lado de cada conviva, deve haver um pires com hortelã picada, que se junta à sopa, ao gosto de cada um. Acompanha-se com vinho tinto da região e a sobremesa deve ser sempre laranja, de preferência branca, tal como o futuro Duque de Wellington afirma que lhe foi servida.
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:01
Link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 21 de Julho de 2005

Tenho fome... Vou petiscar...

Fome...
 

É o nome que se dá à sensação fisiológica que o corpo percebe quando necessita de ser alimentado para manter as suas actividades habituais da vida. Em casos complicados, pode levar a um mal desenvolvimento e funcionamento do organismo.

E como estou cheio de fome, está na altura de ir petiscar...

Mas este erro predispõe outro:  o célebre  «petiscar»  frequente, durante o dia, muitas vezes de alimentos calóricos, nada recomendados para a dieta....
Sabia que 59% dos obesos petiscam durante o dia em detrimento das refeições principais ?
Se os alimentos ingeridos forem ricos em gordura e açúcar, então as calorias vão mesmo acumular-se...  E depois ?...

Por exemplo, uma pastilha elástica contém 77% de açúcar. Atenção ainda às bebidas que também são muito açucaradas, como por exemplo os refrigerantes. O melhor é a água, mas sem gás !...

O hábito de petiscar a qualquer momento deve ser evitado e o consumo de guloseimas tem que ser uma excepção, pois estas atitudes contribuem para a falta de apetite às refeições, descontrolando o organismo.

Hoje em dia, a preocupação com a saúde e com a qualidade de vida está em alta,  justamente pelo estilo de vida assumido pela maioria da população, forçada a mudar os seus hábitos e comportamentos, principalmente devido a factores sócio-político-económico.

Escolha o melhor para a sua vida, afinal ela é única e exclusivamente sua, ninguém pode querer cuidá-la melhor do que você mesmo.
Ou não será verdade ?...

Crie novos hábitos, tenha bons pensamentos, alimente-se bem, durma bem, exercite-se, tenha momentos entre amigos e família, faça exames periódicos! Assim, você estará sempre com a energia renovada e de bem com a sua vida!
Você é responsável pela sua saúde, pela sua vida!...

Tudo está nas suas mãos, porque o corpo é o seu maior património!
Por isso mesmo cuide bem dele !!!...  Cuide da sua própria saúde !
E...  seja FELIZ !!!
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:30
Link do post | comentar | ver comentários (3)
Terça-feira, 19 de Julho de 2005

A banana

A Banana é o fruto da bananeira (género Musa).

A bananeira (Musa X paradisíaca L.),  é uma planta da família das Musaceae, originária da Ásia.

A banana tem um caule suculento e subterrâneo (rizoma),  cujo "falso" tronco é formado pelas bases superpostas das folhas. Folhas grandes de coloração verde-clara e brilhantes. Flores em cachos que surgem em séries a partir do chamado "coração" da bananeira.

Existem bananas de diversas cores, ainda que a variedade mais conhecida e comercializada seja a amarela quando está madura. Têm uma forma curva. Tal como o abacaxi, a banana é um fruto partenocárpico, pois, pode formar-se sem fecundação prévia.
É por isso que não possui sementes.

As bananas são ricas em potássio e em fibras.

A banana, fruto da bananeira, é uma fruta tropical de cor verde, quando verde, e amarela, quando madura. O seu formato é alongado, parecido com o formato de um pepino, porém de calibre menor. A polpa da banana é de cor creme e tem uma textura macia porém um tanto quanto pegajosa. Depois de cortada escurece com facilidade. As sementes são minúsculas e podem ser engolidas sem maiores problemas, juntamente com a polpa.

A banana é uma fruta muito prática por não necessitar de talheres para o consumo  -  exceptuando-se situações em que a banana é servida flamejada em sobremesas de finos jantares. Mas, apesar de ser muito prática de consumir, no que diz respeito ao transporte, a banana oferece alguns transtornos  -  ela amadurece rapidamente quando retirada do seu cacho e amassa com facilidade por ter uma casca não tão resistente como a da mexerica, por exemplo (mexerica - outro nome pelo qual é chamada a Tangerina).
Além disso a banana é uma fruta muito aromática, transferindo o seu odor para objectos que entrem em contacto com a fruta. Por esses motivos, alguém que leve bananas na bolsa para consumir durante uma tarde de trabalho fatalmente será alvo de chacota.

Existem muitas variedades de banana. A variedade mais consumida é a banana "nanica" também chamada banana "caturra" -  este nome sendo o mais apropriado visto que essa variedade é a de maior tamanho entre as várias espécies de banana.  A banana "da terra" é de tamanho ligeiramente maior que a "caturra" e tem uma casca mais angulosa, arestada e escura. Já a banana "maçã" tem tamanho menor, forma mais arredondada e é mais indicada para problemas intestinais, pois tem efeito regulador das "tripas".  A banana "prata" tem o mesmo tamanho da banana "maçã" mas possui a casca semelhante à banana "da terra", por ser também um pouco angulosa.
A variedade mais valorizada no mercado é a banana "prata".

Outra banana muito conhecida do brasileiro é o tradicional também chamado "manguito" -  o gesto obsceno que consiste em dobrar o braço com o punho fechado e segurar a dobra do cotovelo com a outra mão.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 
 
CULTURA DA BANANA  -  Banana da Madeira

O cultivo da banana na Madeira é um dos factores de riqueza.
A banana é exportada para vários países da Europa. Com a abertura do mercado a nível mundial e devido à concorrência a produção da banana de qualidade exige técnicas culturais adequadas.
A utilização de novas técnicas culturais permitem, para além da obtenção de frutos de qualidade, o aumento da produtividade e ainda a redução dos curtos de produção.
A utilidade de sistemas de rega exige a existência de tanques.
Actualmente utiliza-se tanques pré-fabricados de fácil montagem e de menor custo relativamente aos tanques tradicionais.

O bicho (Gorgulho) da bananeira é um insecto que no estado adulto mede 1,3 cm.  A lagarta escava galerias nos «troncos» das bananeiras. Quando ataca plantas em produção causa grandes prejuízos.
A colocação de manga plástica azul a envolver o cacho é uma técnica importante para o aumento da qualidade da banana produzida.
Nos cachos expostos directamente ao sol, deve colocar-se sobre o plástico algumas folhas de bananeira secas, de modo a evitar o perigo de queimaduras. O saco é colocado após a limpeza dos resíduos florais (limpeza dos bicos), amarrado folgadamente acima da primeira penca, ficando pendente pelo menos 15cm abaixo da última penca.
O saco deve permanecer aberto no fundo.
Estas técnicas possibilitam uma maior qualidade da banana de forma a poder competir no mercado Europeu com a banana da América Latina e do Equador.

Joana Martins
Clarinda Pimenta
5º ano, turma 2
Ano lectivo 1998/99.

Em Portugal, a banana é cultivada na Madeira e no Algarve (climas quentes e húmidos), durante todo o ano, mas encontra-se no seu melhor entre os meses de Julho e Setembro. É apanhada em cachos ainda verdes e amadurece posteriormente. Depois de amadurecida, torna-se um fruto bastante completo, de fácil digestão e altamente nutritivo, combatendo eficazmente os estados de fraqueza. Contém vitaminas C e B1, ferro, potássio e magnésio, água e hidratos de carbono.
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:18
Link do post | comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 30 de Junho de 2005

Os milagres do Vinagre

 

vinagre  provém da fermentação de uma bebida alcoólica e, quase sempre, o vinagre mais indicado é feito da cidra (maçã)  ou do vinho. Nela, o álcool mistura-se ao oxigénio contido no ar para desaparecer e se transformar em ácido acético e água. Muito simples de ser preparado, o vinagre é, entre outras coisas, dotado de uma vasta gama de vitaminas, minerais, aminoácidos essenciais e várias enzimas.

Mesmo depois de 10.000 anos, há ainda quem pense que no vinagre tem toda a sorte de virtudes que podem lutar contra a artrite, osteoporose, cancro, azia, diarreia e outras tantas doenças, além do combate ao envelhecimento. Os poderes curativos e profiláticos provenientes do uso do vinagre vêm desde os tempos mais remotos até ao reconhecimento científicos dos nossos dias.

Os benefícios atribuídos ao vinagre são quase miraculosos, para a saúde, quando provém do vinagre de cidra. Ele contém mais de trinta elementos nutritivos importantes, uma dúzia de minerais, de vitaminas, de ácidos essenciais e várias enzimas como a pectina, boa para o coração. Igualmente encontra-se ferro, vitamina B12, ácido fólico ( bom no combate à anemia)  e cálcio.

Cientistas têm mostrado que se for adicionado vinagre à água onde está mergulhado um osso, o cálcio do osso será extraído e ficará depositado no fundo do recipiente. Hipócrates, o pai da medicina costumava tratar seus pacientes com esta bebida. Utilizada como desinfectante e, inclusive, ainda hoje, alguns hospitais fazem uso do vinagre que tem assegurado sua eficácia não apenas em matéria de saúde e suas qualidades nutrientes, mas também pela sua composição competente para fins anticépticos.

Essas qualidades anticépticas  (ele mata os micróbios)  e antibióticas.
Contém bactérias que são "inimigos" de micro-organismos infecciosos e que estão provadas.  Os cientistas não conseguem ainda explicar todos os seus efeitos e aplicações.  Os tipos de vinagre são tão variados quanto as espécies de maçãs;  mas uma coisa é certa:  quanto mais natural for o produto, mais essas qualidades serão reforçadas.  Um teste muito simples para isso: se não houver nenhum depósito no fundo da garrafa é sinal de que ele foi muito filtrado; senão, com o depósito quieto do fundo da garrafa você pode preparar o melhor dos vinagretes  (tipo de molho).

Propriedades curativas

O vinagre de cidra (maçã) que se encontra facilmente à venda, tem propriedades muito parecidas com a química dos sucos gástricos segredados pelo estômago e por isso, capaz de matar bactérias nocivas à saúde. Talvez seja essa a razão pela qual deduz-se que ele facilite à digestão. Curiosamente, encontra-se, ainda, médicos que recomendam que se faça uso de duas colheres de vinagre após as refeições, regularmente, para evitar intoxicações alimentares, tal como antigamente.

O envelhecimento, problemas cardíacos, câncer e catarata são sintomas do mal causado pelos radicais livres sobre o organismo. Os antioxidantes absorvem os radicais livres. O betacaroteno que há no vinagre é um antioxidante poderoso. Enfim, o vinagre trata de certas afecções da pele porque o pH é o mesmo de uma pele saudável.

Picadas de abelhas, vespas ou efeitos da água-viva podem ser aliviadas, se sobre o local atingido for posto uma mistura de água com vinagre e em seguida deixar o local atingido exposto ao sol por alguns minutos; um banho de água morna com um copo de vinagre adicionado à água, por exemplo, podem amenizar a sensação de ardência e queimadura; o alívio da coceira provocada pelas picadas de mosquitos também pode ser propiciado, passando um algodão com vinagre.

Como fazer um vinagre natural
Vinagre de cidra  -  utiliza-se a maçã :

Corte as maçãs em pedaços, mas atente para que elas não estejam maduras demais ou amassadas. Recolha o suco numa jarra de vidro ( nunca use o suco de maçã comprado pronto, pois ele contém conservantes).  Vede a boca da jarra com um balão desses de aniversários, mas de tamanho grande (na falta, serve uma luva cirúrgica).  Abra bem a boca do balão e ponha-o sobre a boca da jarra.
Com o tempo o balão irá encher em volta da jarra e à medida que o gás carbónico for sendo desprendido, ele será retido pelo balão. Ao fim de algumas semanas, seis, no máximo, retire o balão e transfira o líquido, já transformado em cidra, para outro recipiente de vidro de boca bem mais larga e cubra com um pano branco bem limpo e deixe-o em repouso.
Depois de alguns meses você terá um excelente vinagre natural.

Se você está com pressa pode fabricar o vinagre a partir do vinho em alguns minutos. O segredo está em você colocar o vinho para ferver em fogo bem forte e reduzi-lo a ¼ da medida que você pôs para ferver.  Já estará pronto para ser usado.
Ocorre que a qualidade desse vinagre "instantâneo" será ditada pela qualidade do vinho que você usou. Se você sentir que o vinagre está excessivamente ácido, adicione uma pitada de açúcar, para cortar a acidez demasiada.
O vinagre obtido após a evaporação deverá ser mantido à temperatura ambiente.
Se você desejar, pode personalizar:  perfume-o com uma mistura de ervas aromáticas e deixe por alguns dias dentro do vinagre; após isso, coe e mantenha o vinagre num recipiente de vidro bem vedado não se esquecendo de mantê-lo em temperatura ambiente.

Receita para aromatização

Os gregos costumavam fazer um vinho aromático e digestivo com ramos de orégãos. Esta receita pode ser adaptada para o preparo de um delicioso vinagre, ideal para temperar saladas, carnes e outros alimentos:

Limpe e lave bem um ou dois ramos de orégãos frescos. Enxugue com um pano e deixe secar completamente, até desaparecer toda a humidade.

Esterilize uma garrafa e, depois de bem seca, coloque os ramos frescos de orégãos. Encha com duas chávenas  (cerca de 480 ml)  de vinagre de vinho branco ou de maçã.  Atenção: o vinagre deve cobrir a erva completamente.

Feche bem com uma rolha e deixe descansar por 15 dias, agitando a garrafa diariamente.

Outros aromas:  usando o mesmo procedimento você poderá personalizar o vinagre com outros aromas.

Dicas  +  Dicas :

Usos do Vinagre na saúde, na química doméstica e higiene pessoal

Vinagre, poderoso anticéptico para a higiene e bem-estar. Poderoso anticéptico, o vinagre evita formação de mofo e refresca o ambiente, matando as bactérias.  No seu dia-a-dia, faça uso do vinagre.
Alguns exemplos:

Na casa: ( principalmente se você reside em local com muita humidade.)

Mantenha um vaporizador  ( do tipo usado para plantas )  cheio, com mistura de água e vinagre ( aproveite embalagens de outros produtos que não sejam tóxicos ).
Aliás, mantenha vários vaporizadores com misturas mais fortes e outras mais fracas, para usos que requeiram mais ou menos vinagre.

Ambientes recém-pintados:  molhe panos de chão com água e vinagre e deixe no local para cortar os odores da tinta.

Os seus pincéis: lave-os como de costume e depois enxagúe com mistura e água com vinagre.

Onde houver madeira e você notar que está apresentando "bolor", limpe com água e vinagre roda-pés e piso de madeira e banheiros: use um pano húmido misturado com vinagre após retirar a poeira.

Material metálico com verdete ( banheiros, principalmente ).

Sanita:  para que o fique sempre impecavelmente esterilizado ponha dentro da sanita meio copo de bicarbonato de sódio e meio de vinagre; 10 minutos mais tarde ponha água a ferver e deixe ficar.

Ferro de passar a vapor:  limpe com água misturada com um pouco de vinagre e em seguida proceda à limpeza fazendo evaporar a água conforme as instruções do fabricante.

Aquecedor para mamadeiras: o mesmo procedimento.

Tapetes:  com escova, água e vinagre  ( as cores ficam mais vivas além da protecção bactericida ).

Na cozinha:

Micro-ondas:  faça ferver durante cinco minutos um copo de vidro com água misturada a ¼ de vinagre. Os odores serão eliminados e os resíduos dos alimentos podem ser facilmente removidos.

Panelas:  retira as manchas deixadas pela fervura e feijão ( principalmente nas panelas de pressão).

Frigorífico:  retira os odores; você pode deixar um chumaço de algodão embebido em vinagre dentro do frigorífico.

Máquina de lavar louça:  o mesmo procedimento para máquina de lavar roupa (indicado em baixo).

Caixote do lixo: mantenha o saco plástico vaporizado com vinagre.

Roupas:

Máquina de lavar roupa:  na última água de enxaguar ponha vinagre dentro da água ( o vinagre corta o efeito do sabão e desinfecta a roupa ).

Travesseiros e colchões: vaporize com mistura de água e vinagre. Se houver possibilidade, leve ao sol.

Cortando o efeito ( de ureia ) urina no colchão:  para o colchão use o mesmo procedimento acima. Depois deixar um jornal ou toalhas absorventes sobre o local molhado; após isso, aplicar a mistura de vinagre. Aguardar umas horas e secar com ferro quente.

Urina nas roupas: retirar a urina numa primeira água e em seguida deixar de molho com água e vinagre; depois lavar normalmente, mas enxaguando com vinagre e água.

Urina de animais domésticos:  secar o local com um jornal, passar um pano húmido e depois vaporizar mistura de vinagre com água em proporção mais forte para o vinagre. Mais vinagre para urina de gatos.

O seu bebé:

Roupas:  o mesmo procedimento para as roupinhas molhadas de urina.

Brinquedos:  lavar com água e sabão e depois enxaguar com água e vinagre:  enxagúe por mais vezes com água pura.

Assaduras provocadas por urina:  lavar o local afectado e depois aplicar uma mistura bem fraca de água com vinagre. Lembre-se de deverá ser fraca para não agredir e provocar dor.

Outros:

Doentes e idosos no leito:  higiene de pessoas acamadas por longo tempo também devem seguir os mesmos procedimentos.

Os seus filhos, mesmo que já sejam relativamente crescidos mas que sejam sintomáticos:  ao urinar na cama tome as mesmas providências e nunca os repreenda por isso. Use vinagre. Consulte um psicólogo.

Beleza:

Pele:  se você sofre de afecções, brotoejas, espinhas ou acne:  diariamente, após a higiene da manhã, enxagúe o rosto com mistura de vinagre com água morna. Antes de se deitar faça a mesma coisa.

Cabelos:  se não forem secos, enxagúe com a mesma mistura usada para o rosto na medida de meio copo de vinagre de cidra misturado com dois copos de água morna. Eles ficarão brilhantes e saudáveis.

Cabelos:  se você fez permanente e seu cabelo ficou espigado ou baço mais do que você desejava, faça uso da mesma receita anterior.

Cabelos:  no fim de lavar o cabelo esfregue-o com um pouco de vinagre. Passe por água. Ele fica macio, sem cheirar a vinagre.

Higiene bucal:

Dentes e mucosa bucal: um copo de água morna misturado com três colheres de sopa de vinagre de maçã. Após escovar os dentes, faça um bochecho com a mistura.

Se você é do tipo super-limpeza, ainda pode misturar à água com vinagre, um pouco de fungicida líquido nas seguintes operações:

Na máquina de lavar roupa,
Limpeza dos banheiros e da casa,
Lixeiras,
Urina de animais,
Cabelos  ( se não houver ferimentos no couro cabeludo e muito cuidado com os olhos ),
Piso e balcão da cozinha.
- Ou ainda misturar lisoforme (fungicida) ao álcool e vaporizar as cortinas, tapetes, colchões, travesseiros.
Atenção:  não usar em locais com ferimentos nem na pele de crianças nem nos bebés.

Benefícios apregoados:

1  -  Quanto mais velho, melhor:  como um bom vinho.
2  -  Melhorar a saúde dos cabelos.
3  -  Saúde dental e bucal.
4  -  Saúde da pele do rosto, combate as espinhas e acne.
5  -  Aliviar as cãibras nocturnas das pernas.
6  -  Acalmar músculos cansados.
7  -  Combater a osteoporose pelo cálcio.
8  -  Ajudar dores de cabeça a desaparecer.
9  -  Acalmar as erupções cutâneas e as micoses.
10 - Aliviar as picadas de insectos ( vespa, abelha e água-viva ).
11 - Remediar certos problemas urinários.
12 - Ajuda no tratamento da tosse.
13 - Destruir os micróbios dos alimentos.
14 - Melhorar os problemas do coração e da circulação.
15 - Reduzir a hipertensão.
16 - Combate às bactérias.
17 - Tratamento da caspa ( esfoliação do couro cabeludo ).
18 - Aliviar as dores dos calos.
19 - Remediar certas infecções dos olhos.
20 - Combate aos fungos.

O vinagre possui mil utilidades, além de ser utilizado na preparação dos alimentos.
Algumas delas:

1)  Para o arroz ficar bem soltinho, coloque uma colher de vinagre na água do arroz na hora do cozimento;

2)  Para tirar a gosma, lave o frango, corte em pedaços e cubra-os com água fria e duas colheres de sopa de vinagre. Depois é só lavá-las com água corrente;

3)  Batatas murchas, com cascas escuras e enrugadas ficarão como novas misturando um pouco de vinagre à água em que forem cozidas;

4)  O bolo de chocolate ficará húmido se acrescentarmos uma colher de chá de vinagre de vinho ao bicarbonato estipulado na receita;

5)  Na falta de um frigorífico, pode-se conservar carnes cruas por período curto embrulhando-as num pano embebido em vinagre;

6)  Se quiser guardar salsichas frescas até cinco ou seis dias, deixe-as mergulhadas dentro de uma tigela contendo água com uma colher de sopa de vinagre (ou mais, dependendo da quantidade de salsicha), e um pouquinho de sal. Guarde no frigorífico e na hora de usar é só lavar em água pura;

7)  Muitas cozinheiras colocam um recipiente contendo vinagre perto do lugar onde se está fritando cebolas; assim, não exalam o seu cheiro característico, que muitas pessoas não suportam;

8)  A polpa do abacate, depois de aberta, escurece logo, isto pode ser evitado passando um pouco de vinagre na superfície;

9)  Para que o diospiro amadureça mais depressa, faça um furinho junto ao cabinho e coloque ali uma gota de vinagre;

10)  Se as mãos ficarem manchadas de frutas, uma mistura de limão e vinagre bem esfregada as eliminará;

11)  O limão partido também se conservará fresquinho se colocar a parte cortada num pires contendo vinagre;

12)  As massas fritas não ficam gordurosas se for acrescentada a elas (durante o preparo) uma colher (sopa) de vinagre.

Mais limpezas:

O vinagre é um óptimo produto de limpeza, além de barato, eficiente e não poluente.
Veja alguns exemplos de como limpar a casa com o vinagre:

Incrustações de cal:  solução de água e vinagre limpa manchas e dissolve placas de cal.

Máquina de Lavar:  use quatro litros de solução de vinagre no ciclo principal para remover cal e restos de sabão da máquina de lavar, dando-lhe mais vida útil.

Vidraças:  solução de vinagre e água morna limpa e não deixa riscos, nem marcas; vidros leitosos devem ser limpos com papa de vinagre e sal grosso.

Latão e cobre:  solução de vinagre e sal grosso dá novo brilho aos produtos.

Madeira:  duas chávenas de amoníaco, uma chávena de vinagre e meia chávena de soda em oito litros de água limpam estantes pintadas, revestimentos de madeira e persianas, sem alterar a cor dos móveis.

Lustra móveis:  solução de vinagre, terebintina e óleo de linhaça em partes iguais eliminam riscos na madeira, servindo como lustra-móveis.

Manchas de vela:  cera de vela na madeira deve ser amolecida com secador de cabelo e removida com papel absorvente. Em seguida, lave o local com vinagre.

Manchas em tapetes:  a cor do tapete volta a ser viva quando aplicada água morna com vinagre no local da mancha.

Manchas em tecidos:  solução diluída remove as manchas eficientemente. Manchas de chicletes ou desodorizantes desaparecem se a peça for molhada com vinagre antes da lavagem. Colarinhos encardidos devem receber pasta preparada com soda e vinagre, ficando assim completamente limpos após a lavagem.

Bordados que podem desbotar:  passando a peça pelo avesso, com pano humedecido em vinagre por baixo, as cores voltam a brilhar.

Amaciador:  o vinagre substitui o amaciador, e as roupas ficam frescas, macias e cheirosas; peças de lã não ficam felpudas quando enxaguadas em água com vinagre.

Cobertores:  para evitar que eles não fiquem duros e ásperos, passe-os rapidamente em água com vinagre após a lavagem.

Fixação de cores:  tecidos coloridos não desbotam se mergulhados em vinagre antes da lavagem.

Gesso:  preparar gesso com vinagre em lugar da água, torna o produto maleável por mais tempo.

Cheiro de pintura:  um pequeno recipiente com vinagre retira o cheiro desagradável de tinta fresca do ambiente.

Tapetes persas:  uma solução forte de vinagre protege o tapete persa das traças.

Sujidade na carpete:  coloque vinagre no local atingido pela sujidade e limpe depois de algum tempo.

Insectos:  uma esponja embebida em solução de vinagre diluído afasta insectos de espelhos e vidraças.

Plantas:  escove os seus vasos com solução fraca de vinagre e enxagúe: os poros dos vasos ficarão limpos e irão garantir a passagem do ar.

Flores:  as flores permanecem frescas por mais tempo se a água do vaso contiver duas colheres de sopa de vinagre e outras duas de açúcar.

O vinagre é o melhor anti-bacteriano que existe ! Além de tudo é barato !!!
Limpe o frigorífico com vinagre, o lava loiça, o tanque, enfim tudo o que não tiver mármore.
Mas lembre-se que o ácido corrói as pedras.

 
 

Publicado por: Praia da Claridade às 00:25
Link do post | comentar | ver comentários (4)

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Lenda de São Martinho

Castanhas

Pseudo-fruto

Maçã

O Gengibre

Os Orégãos

O Champignon - cogumelo c...

A Ostra

Barco Moliceiro, Moliço e...

A Lampreia

Culinária de Portugal

O Caviar

A Cenoura

Os Bróculos

A Couve-flor

O Limão

Canja de Galinha "À Doent...

Tenho fome... Vou petisca...

A banana

Os milagres do Vinagre

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags