Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2006

O Peixe-boi

Peixe-Boi
Peixe-Boi



O Peixe-boi, manatim, manatí ou manati, também chamado de guaraguá e, no caso da espécie marinha, vaca-marinha, é um mamífero aquático da família dos Triquequídeos, podendo pesar algo em torno de 750 kg quando adulto e medir 4,5 m de comprimento. São animais ameaçados de extinção e encontram-se protegidos por lei no Brasil.

Existem três espécies de peixe-boi. Uma vive no Atlântico, outra chamada localmente de peixe-mulher (Trichechus senegalensis), habita as águas doces e costeiras do oeste da África (Trichechus senegalensis), e a terceira, Trichechus manatus, tem ampla distribuição nas Américas, indo desde o México e os Estados Unidos, vivendo nas ilhas da América Central e na América do Sul, na Colômbia, Venezuela, Guianas e Brasil. A espécie Trichechus inunguis, o peixe-boi da Amazónia, é fluvial e vive nas bacias dos rios Amazonas e Orinoco.


Hábitos

São animais de hábitos solitários sendo raramente vistos em grupo fora da época de acasalamento. Durante os primeiros dois anos de vida vivem com as suas mães e ainda se alimentam de leite. Depois do desmame vivem até os 50 anos e nunca formam bandos mas podem ser vistos alimentando-se juntos no mesmo local. São animais muito mansos e, por este motivo, são facilmente caçados e encontram-se em risco de extinção.


Habitat

Habitam ambientes aquáticos da costa Atlântica Americana, desde a Geórgia (Estados Unidos) até o estado de Alagoas. O assoreamento dos estuários onde as fêmeas dão à luz aos filhotes é outro motivo para ameaçar de extinção esta espécie.


Aspectos morfológicos

Possuem corpos robustos e maciços com cauda achatada, larga e disposta de forma horizontal. A dentição desses animais é reduzida a molares, que se regeneram constantemente, em virtude da sua dieta vegetariana quando adultos. Têm a pele rugosa, com a cor variando entre cinza e marrom-acinzentado. A cabeça fica bem junto ao corpo. Pode-se quase afirmar que ele não tem pescoço, apesar de conseguir movimentar a cabeça em todas as direcções. Ele tem olhos pequenos mas vê bem, sendo capaz até mesmo de reconhecer cores. O nariz está bem em cima do focinho, com duas grandes aberturas. O peixe-boi não possui orelhas. Os ouvidos são apenas dois orifícios um pouco atrás dos olhos, mesmo assim pode ouvir muito bem. A sua boca é grande com os lábios superiores amplos e movimentam-se na hora de pegar o alimento. No focinho, o peixe-boi tem muitos pêlos, chamados vibrissas ou pêlos tácteis que são sensíveis ao movimento ou ao toque.


Alimentação

Alimentam-se de algas, aguapés, capins aquáticos entre outras vegetações aquáticas. Podem consumir até 16 kg de plantas por dia e armazenam até 50 litros de gordura como fonte energética para a época da seca, quando diminui a disponibilidade das gramíneas com que se alimentam. Estas folhagens contém sílica, elemento que desgasta rapidamente os dentes mas os manatis são adaptados, os seus molares deslocam-se para a frente cerca de 1 mm por mês e desprendem-se quando estão completamente desgastados, sendo substituídos por dentes novos situados na parte posterior da mandíbula.


Reprodução

Possuem taxa reprodutiva muito baixa pois a fêmea tem, geralmente, um filhote a cada três anos, sendo um ano de gestação e dois anos de amamentação.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:08
Link do post | comentar
3 comentários:
De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 21:44
olha que engraçado.. um peixe-boi.. lolololol trazes cada coisa paki!! é so cultura... nao ha decsulpa para nao nos cultivarmos ;) xinhux ffux e boa semana!-=|(/)¡¢ä§|=-
(http://micasmicas.blogs.sapo.pt)
(mailto:sol22lua@msn.com)


De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 14:03
Olá amigo Filipe!as coisas que o amigo nos ensina são fantásticas a preocupação de ensinar,pois eu devo de dizer que desconhecia a espécie,mas vou ler algo sobre o mesmo pois acho fantástic,e em vias de extinção.
Um abraço amigo Filipe.elisaMaria Elisa
</a>
(mailto:mariaelisaramos@sapo.pt)


De Anónimo a 13 de Fevereiro de 2006 às 13:04
Não conhecia este peixe nem me lembro de ter ouvido alguma vez falar dele. Mais um animal em risco de extinsão...Pelos vistos é comestível? Luisa
(http://ecosdotempo.blogs.sapo.pt)
(mailto:luisa34@netcabo.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags