Domingo, 7 de Agosto de 2005

O Artesanato


Considera-se  Artesanato  todo trabalho manual, onde mais de 80% da peça foi fruto da transformação da matéria-prima pelo próprio artesão. Além disso esse produto normalmente reflecte a relação desse artesão com o meio onde vive e a sua cultura.

Artesanato pode ser com ou sem ajuda de ferramentas e mecanismos caseiros, que as pessoas dão às matérias brutas, sobras e lixo do consumo industrial, visando produzir peças utilitárias, artísticas e recreativas, com ou sem fim comercial.

Os primeiros artesãos surgiram no período neolítico (6.000 a.c) quando o homem aprendeu a polir a pedra, a fabricar a cerâmica como utensílio para armazenar e cozer alimentos e descobriu a técnica de tecelagem das fibras animais e vegetais. No Brasil o surgimento do artesanato ocorreu, também, neste período. Pesquisas permitiram identificar uma indústria lítica e fabricação de cerâmica por etnias de tradição Agreste que viveram no sudeste do Piauí (Estado brasileiro),  em 6000 a.c.

Historicamente, o artesão responde por todo o processo de transformação da matéria-prima em produto acabado. Na verdade antes da fase de transformação o artesão é responsável pela selecção da matéria-prima a ser utilizada e pelo projecto do produto a ser executado.

Esse método de produção tem como uma das suas características a participação do profissional em todas as fases do processo, um alto grau de satisfação e identificação com o produto. Ainda, outras características são: produção em locais pequenos (uma oficina ou a sua própria casa) e a baixa produtividade resultante. O aprendizado das tarefas é transmitido aos novos profissionais de maneira predominantemente prática, no próprio local de trabalho.

A partir do século XI, o artesanato ficou concentrado então em espaços conhecidos como oficinas, onde um pequeno grupo de aprendizes viviam com o mestre-artesão, detentor de todo o conhecimento técnico. Este ensinava em troca de mão-de-obra barata e fiel, recebendo ainda vestimentas, comida e conhecimento. Criaram-se as Corporações de Ofício, organizações que os mestres de cada cidade ou região formavam a fim de defender os seus interesses.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
                                                                                _ _ _

Com o crescimento da indústria, o artesanato entrou num processo de desagregação e decadência, reservando-se para as actividades de carácter marginal dentro do quadro económico do mundo ocidental.

Conceitos e história à parte, hoje o artesanato é a relação das pessoas com as pessoas, um elo entre as culturas e os costumes, a tradição que não é imposta, mas sim passada de pai para filho. De uma forma ou de outra hoje o artesanato, na maioria das vezes, é feito por pessoas comuns, mas que acima de tudo, transmitem os seus sentimentos a cada peça, e que vendem não só objectos e bijutarias, mas vendem emoções, sentimentos, desejos e até tormentos, tudo contido nos seus trabalhos.
</font>
Publicado por: Praia da Claridade às 00:20
Link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 7 de Agosto de 2005 às 19:36
para nao me repetir na nota que dou aos teus posts que e sempre a maxima nao comento este post mas aproveito para agradecer as palavras bonitas que deixas no meu.
abraço da leonorleonoretta
(http://leonoretta.blogspot.com)
(mailto:eximproviso@hotmail.com)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags