Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

18
Out05

O crânio

Praia da Claridade

Craneo.jpg


crânio ou crâneo é um
invólucro de tecidos mais ou menos rígidos que, nos animais do clade Craniata (a que pertencem os vertebrados e outros de filogenia próxima), envolve o cérebro, os órgãos do olfacto, da visão, o ouvido interno e serve de suporte aos órgãos externos dos aparelhos respiratório e digestivo.

Filogenia ou filogênese descreve a origem e a
evolução das espécies.
A tarefa principal dos filogenistas é determinar os relacionamentos ancestrais entre espécies conhecidas (tanto as que vivem quanto as
extintas).

O crânio pode considerar-se formado por duas partes principais que, aparentemente correspondem a duas etapas da
evolução:

  • a caixa craniana ou neurocrâneo – a parte que envolve o cérebro e os órgãos dos sentidos (com excepção do paladar); e
  • o maciço frontal, esplancnocrânio ou branchiocranio – a parte que suporta a boca e o aparelho branquial.

  • Ao longo da filogénese foram-se estabelecendo relações cada vez mais estreitas entre estas duas partes do crânio, através de articulações chamadas "suspensões":



    • Suspensão anfistílica – em que tanto o palato-quadrado como o iomandibular se articulam com o neurocrâneo, como em alguns peixes Chondrichthyes;
    • Suspensão iostílica – em que apenas o iomandibular se articula com o neurocrâneo, como na maior parte dos peixes, incluindo alguns tubarões e no esturjão;
    • Suspensão autostílica – em que o neurocrâneo e o esplancnocrâneo tendem a fundir-se como na maior parte dos tetrápodes.

    • As modificações evolutivas do esplancnocrâneo reflectem as do I e II arcos viscerais durante a ontogénese. O osso iomandibular (porção dorsal do II arco visceral) é o que, nos peixes participação na suspensão iostílica; nos anfíbios, répteis e aves o II arco visceral transforma-se no primeiro dos três ossinhos do ouvido médio (columella), enquanto que o I arco visceral mantém a sua função de sustentar a abertura bucal; nos mamíferos, o articular e o quadrado, provenientes do I arco visceral, transformam-se no martelo e no estribo, completando assim a cadeia de ossinhos do ouvido médio.

      Nos mamíferos, a articulação maxilo-mandibular forma-se a partir do
      dental e da escamado temporal. Nos répteis e mamíferos, as coanas (interior das narinas) passaram para a parte de trás da cavidade bucal para a formação do palato secundário, septo ósseo que separa as vias respiratórias do tubo digestivo. Nas aves, o palato secundário tende a desaparecer, provavelmente pela falta de dentes e existência do bico.
      Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D