Quarta-feira, 2 de Novembro de 2005

O Sistema Solar (cont.)


Unidade Astronómica (UA)
</strong>
(Complemento ao meu artigo de 29-Outubro-2005)



Em astronomia, a Unidade Astronómica (UA) é uma unidade de distância, aproximadamente igual à distância média entre a Terra e o Sol. É bastante utilizada para descrever a órbita dos planetas e outros corpos celestes no âmbito da astronomia planetária, valendo aproximadamente 150 milhões de quilómetros.
1 UA = 149.597.870,691 km (este valor não é fixo).


Definição

É o raio da órbita circular de um planeta de massa desprezível e livre de perturbações cujo movimento médio é “K” radianos por dia à volta do Sol, onde “K” é a constante gravitacional de Gauss, com a unidade de tempo do dia solar e a unidade de massa, a massa do Sol. Essa unidade está, então, relacionada às dimensões do sistema solar e ao movimento da Terra. Em termos práticos, a unidade astronómica pode ser definida como a distância média entre a Terra e o Sol e cujo valor aceito actualmente é: 149.597.870,610 quilómetros.
Um feixe de luz leva aproximadamente 8,3 minutos para viajar uma unidade astronómica.

As suas relações com outras unidades de distância utilizadas na astronomia são:


  • ano luz =     63.241,07710     UA

  • 1  parsec   =  206.264,806248  UA


Foi no século II a.C. que o astrónomo grego Hiparco tentou fazer o primeiro cálculo conhecido da distância entre a Terra e o Sol, aproveitando os eclipses totais da Lua. O seu método, entretanto, era bastante impreciso e resultou valores equivocados.

No início do século XVII, a determinação da distância da Terra ao Sol era a mais importante da astronomia, e Edmund Halley propôs um método baseado na paralaxe da observação de dois astrónomos situados distantes um do outro a observar o trânsito de Vénus sobre o disco solar para melhor se avaliar esta distância. No entanto, dada a raridade do fenómeno, somente em 1631 e 1639 ocorreu esse fenómeno e, então, foi possível aplicar o método de Halley para calculá-la como sendo cerca de 150 milhões de quilómetros.
Actualmente, são utilizados modernos métodos de deflexão de ondas de rádio para avaliação mais precisa desta distância.

Paralaxe estelar é utilizada para medir a distância das estrelas utilizando-se o movimento da
Terra
em sua órbita.

A paralaxe anual é definida como a diferença de posição de uma estrela com vista da Terra e do Sol. Como não podemos ver a estrela do Sol, a observação e feita entre dois pontos opostos da órbita da Terra e o resultado dividido por 2. O
parsec é a distância para a qual a paralaxe anual é de um segundo de arco ou arcseg. Um parsec é igual a 3,26 anos-luz
.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


A unidade astronómica não é uma medida fixa, mas sim uma medida reavaliada periodicamente.
Um dos métodos:  o trânsito de Vénus, que aconteceu em 8 de Junho de 2004, permitiu mais uma vez o cálculo da Unidade Astronómica.

A unidade astronómica é estimada em 149.6 milhões de quilómetros (93 milhões de milhas).

Lembrete:

Para calcular a unidade astronómica com a passagem de Vénus, é preciso ter dois observadores distantes. Exemplo: os astrónomos amadores da Índia poderão encontrar amadores noutros países, e assim coordenar as observações destinadas à medição da unidade astronómica.

A exactidão do resultado dependerá, evidentemente, da quantidade de participantes. Observatórios, clubes de astronomia, associações, escolas, professores, em suma, todas as pessoas interessadas são convidadas, geralmente, a  participarem neste importante evento:  o calculo da unidade astronómica com a passagem de Vénus.


Curiosidade:

Se imaginarmos o Sol como uma bola de basquete, a Terra seria do tamanho de uma cabeça de alfinete. Júpiter - o maior planeta do sistema solar - fica com o tamanho de uma bola de pingue-pongue.


Unidades de distância em Astronomia
Mais algumas considerações

Como as distâncias medidas em astronomia são escandalosamente grandes para os padrões terrestres, os astrónomos utilizam algumas unidades características.

Entre elas encontramos:
A unidade astronómica, o ano-luz e o parsec.


A Unidade Astronómica

A unidade astronómica é definida como a distância média entre a Terra e o Sol.
A sua abreviatura é U.A. (sempre em letras maiúsculas).

Uma unidade astronómica equivale a 149.597.870,691 km mas, em geral, consideramos o valor aproximado de 150 milhões de quilómetros.

A unidade astronómica é mais usada quando tratamos de medidas de distância no interior do Sistema Solar. Tendo em vista o seu pequeno valor ela não é usada para caracterizar distâncias estelares. 


O ano-luz

Um ano-luz é a distância que a luz viaja num ano no vácuo.
A sua abreviatura é a.l..

Qual é o valor de um ano-luz?

Para obter este valor basta calcular o número de segundos que existem num ano e multiplicar o resultado pelo valor exacto da velocidade da luz no vácuo,  que é  299.792.458 metros por segundo.

Um ano-luz equivale a 9.460.530.000.000 km, o que é, aproximadamente, 9.500 biliões de quilómetros!

O valor exacto do ano-luz é 9.460.528.410.545.436,2688 metros ou 9.460.528.410.545,4362688 km.

Usando a notação científica podemos escrever que:
1  ano-luz  =   9,46053 x 1012 km.

Comummente aproximamos o resultado dizendo que um ano-luz é equivalente a 1013 km.

Também usamos sub-unidades do ano-luz tais como a hora-luz, o minuto-luz e o segundo-luz.

Uma hora-luz é a distância percorrida pela luz numa hora.
Ela corresponde a 1.079.252.820 km

Um minuto-luz é a distância percorrida pela luz num minuto.
Ele corresponde a 17.987.547 km.

Um segundo-luz é a distância percorrida pela luz num segundo.
Ele corresponde a 299.792 km.


Importante: o ano-luz e seus submúltiplos, hora-luz, minuto-luz e segundo-luz, são unidades de medida de distância e não de tempo.

Podemos compreender porque é que a unidade astronómica não é utilizada para definir a distância às estrelas:
Uma unidade astronómica é equivalente a, aproximadamente, 499 segundos-luz. Um feixe de luz leva aproximadamente 8,3 minutos para viajar uma unidade astronómica. A unidade astronómica é uma medida muito pequena para representar distâncias estelares. Um ano-luz corresponde a cerca de 63.070 unidades astronómicas. A estrela mais próxima de nós (não considerando o Sol) está a uma distância de 4,2 anos-luz ou seja 264.894 unidades astronómicas.


O parsec

Para medir distâncias às estrelas mais distantes os astrónomos usam, frequentemente, uma unidade de medida ainda maior do que o ano-luz e que tem o nome de parsec. A sua abreviatura é pc.

O parsec é definido como a distância na qual um objecto celeste, como por exemplo uma estrela, teria uma paralaxe de um segundo de arco. O parsec corresponde a 20.6265 unidades astronómicas e a 3,26 anos-luz. Isto significa que:

Um parsec  =   3,085678 x 1013 km = 3,08 x 1018 cm.

Usa-se bastante dois múltiplos do parsec:

1 kiloparsec    =   1 kpc  = 1000 parsecs = 103 pc
1 megaparsec =   1 Mpc = 1 milhão de parsecs = 106 pc


Em astrofísica não se usam unidades de tempo diferentes daquelas de uso comum. A idade de uma estrela é dada em anos.
Um ponto importante é não considerar ano-luz como unidade de medida de tempo. Ano-luz é unidade de medida de distância.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:12
Link do post | comentar
2 comentários:
De Anónimo a 2 de Novembro de 2005 às 23:12
Agora fora de brincadeira, teria sido interessante lembrar às suas visitas que vale a pena, por estes dias e até ao fim do mês olhar p o Céu pelas 22/23 horas para Nascente mas já bem alto e ver, Marte, qual farol alaranjado mais brilhante q qualquer estrela (pois até 2016 não estará tão perto de nós). Já agora...a oposição é a 7/11 e no dia 15 pelas 19 h a Lua passará entre Marte e as pleiades (o que muita gente conhece como o sete estrelo) e um pouco mais tarde o n/ satélite (quase quase em fase cheia) estará a 2 graus do planeta vermelho, o q dará um belo espectáculo para quem gosta de ver estas coisas.Um abraço.Vô-Zé
</a>
(mailto:martins-ze@sapo.pt)


De Anónimo a 2 de Novembro de 2005 às 18:42
Caramba, o q eu aprendo consigo.
Desta vez só faltou explicar o que é a paralaxe, ou melhor, o erro de paralaxe.
Olhe q estou a brincar. A explicar tudo tornava os assuntos demasiado longos.Vô-Zé
</a>
(mailto:martins-ze@sapo.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags