Terça-feira, 20 de Dezembro de 2005

O Camaleão

 


Camaleão (família Chamaeleonidae) refere-se a uma família de répteis escamados, e uma das mais conhecidas famílias de lagartos. Há cerca de oitenta espécies de camaleões, a maior parte delas na África, ao sul do Saara.

Os camaleões são famosos pela sua alegada habilidade em trocar de cor conforme o ambiente (de facto um mito), pela sua língua rápida e alongada, e pelos seus olhos, que podem ser movidos independentemente um do outro.

O nome "Camaleão" significa "leão da terra", e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e leon (leão). É um lagarto bastante antigo, já que há registos fósseis de camaleões desde períodos tão longínquos quanto o Terciário.


Características físicas

O camaleão têm até 60 cm de comprimento, língua protátil (ou protáctil, não confundir com portátil), cauda preênsil e patas fortes.

Movimenta-se com extrema lentidão. Para apanhar a sua presa, utiliza a língua como se fosse um laço. Consegue, com uma velocidade surpreendente, estender a língua quase um metro. A sua língua, de ponta pegajosa, prende o insecto, que é logo tragado. Só com fotografias com câmaras de alta velocidade é que esse processo pode ser estudado em detalhe.

Os seus olhos podem ser movidos independentemente, o que lhe confere aparência curiosa. São recobertos por uma pálpebra que deixa livre apenas uma pequena área circular no centro, que corresponde à íris e a pupila.

A sua pele tem bastante queratina, o que apresenta uma série de vantagens (em especial, a resistência). Mas essa característica faz com que o camaleão faça a "muda" de pele durante o seu crescimento (a pele antiga descama, dando lugar a outra), a exemplo das cobras. A queratina é uma proteína fibrosa porque a sua estrutura tridimensional lhe confere características especiais: microfilamentos com resistência, elasticidade e impermeabilidade à água.


Distribuição e habitat

Quanto ao habitat, a maior parte dos camaleões vive na África e em Madagascar, embora algumas espécies também sejam encontradas em partes do sul da Europa, Sri Lanka, Índia, Ásia Menor e até na Amazónia. Diferentes espécies habitam diferentes ambientes, como montanhas, florestas pluviais, savanas e às vezes desertos e estepes. Acredita-se que os indivíduos que vivem nos sectores mediterrânicos europeus derivem de exemplares introduzidos pelo homem em épocas remotas.

Os camaleões habitam, em sua maior parte, árvores. Mas também são achados em alguns arbustos, e algumas espécies vivem no chão, debaixo de folhas. Podem passar de uma árvore a outra graças à sua cauda e aos pés em forma de pingas.

Na Amazónia, o animal iguana (Iguana iguana) é conhecido como camaleão, embora seja de uma família diferente. A espécie também é conhecida localmente como sinimbu. A espécie não sofre pressão de caça intensa, principalmente pela falta de tradição como alternativa alimentícia pelas comunidades rurais. No entanto, existem relatos de consumos de ovos por algumas comunidades ribeirinhas da Amazónia. Pratos feitos com o animal também são ocasionalmente preparados pelos nativos. Também há casos menos frequentes de camaleões da família Chamaeleonidae na Amazónia, de origem indiana, e que foram introduzidos pelos portugueses. Esses animais adaptaram-se com sucesso ao habitat amazónico.

Como não é uma espécie nativa, a legislação brasileira não proíbe a criação de camaleões como animais de estimação: são bichos dos mais populares entre os fãs de animais exóticos. Recentemente, o Ibama proibiu a importação de camaleões. Mas não há restrição de criação de animais que já estejam no país, desde que estejam em criadouros adequados. Essa "permissão" naturalmente não vale para o "camaleão da Amazónia", que é nativo.


Comportamento

Todos os camaleões são animais diurnos. O seu período de maior actividade é a manhã, e o final do entardecer. Os camaleões não são caçadores activos. Ao invés disso, preferem sentar-se, ficando horas imóveis, esperando que uma presa passe por eles. Alimentam-se basicamente de artrópodes (1) e de pequenos vertebrados. Em cativeiro, também comem frutas como mamão, banana, e até ovos fritos. Mas essa dieta só é válida para animais adultos: filhotes são quase exclusivamente insectívoros.

(1) - Os Artrópodes (Filo Arthropoda) são o maior grupo de animais existente no mundo e incluem os insectos, aracnídeos, crustáceos
e outras formas semelhantes.

Os camaleões vivem a maior parte das suas vidas solitariamente, e são bastante agressivos contra outros membros da sua mesma espécie, mesmo que sejam fêmeas. O hábito solitário só é abandonado na época de acasalamento, quando o macho desce das árvores à procura de fêmeas.

Os camaleões mordem se forem provocados, mas a mordedura não é muito dolorosa.


Alegada mudança de cor

Ao contrário da crença popular, o camaleão não é incolor, e nem muda de cor de acordo com a cor do ambiente: na verdade, a mudança de sua cor básica é expressão de uma condição física ou psicológica do lagarto. A pele troca de cor sob a influência de seu humor, da luz ou da temperatura.

A mudança de cor também tem um papel importante na comunicação durante lutas entre camaleões: as cores indicam se o oponente está assustado ou furioso.

Acidentalmente, a mudança de cor pode ajudar no mimetismo do animal, embora esta não seja uma ocorrência frequente, e sim ocasional. Mimetismo é a capacidade que têm certos animais de variar a coloração e a forma, de acordo com o meio em que se encontram. O mimetismo serve de protecção aos animais, pois ajuda-os a despistar os caçadores e as feras.

Os camaleões têm células especializadas em duas camadas sob a sua pele externa transparente. As células na camada superior, chamadas de cromatóforas, contém pigmentos amarelos e vermelhos. Abaixo das células cromatóforas há outra camada e células: as guanóforas, que contém uma substância cristalina e incolor (a guanina). Os guanóforos reflectem, entre outras, a cor azul da luz incidente. Se a camada superior de cromatóforas for amarela, a luz reflectida torna-se verde (azul mais amarelo). Uma camada de pigmento escuro (melanina) contendo melanóforos está situada ainda mais profundamente, abaixo das guanóforas reflectoras de luz azul e branca. Estes melanóforos influenciam o brilho e a claridade da luz reflectida.

Todas essas diferentes células pigmentares podem relocar os seus pigmentos, influenciando assim a cor da luz que é reflectida.


Camaleões na cultura e nas artes

Em todo o Ocidente, o termo "Camaleão" é usado na linguagem figurada como sinónimo de uma pessoa volúvel e maleável, que adapta o seu comportamento e características conforme o ambiente. Nem sempre o termo tem conotação negativa (de falsidade), podendo significar também "flexibilidade". Também é bastante utilizado para adjectivar bons actores.

Na simbologia de algumas tribos africanas, o camaleão é um animal sagrado, visto como o criador dos primeiros homens. Nunca é morto, e quando é encontrado no caminho, tiram-no com precaução, com medo de maldições.

Na Amazónia, encontrar um camaleão indica bons fluidos: estes animais indicam boa sorte, e matá-los traz mal agouro. Ainda assim, há quem ignore as lendas e mate os camaleões da Amazónia para comê-los.

Os camaleões são personagens frequentes de fábulas, onde geralmente representam bichos lentos, astutos e pouco confiáveis.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:05
Link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 21 de Dezembro de 2005 às 00:01
Anigo Filipão:
Parabéns por este post, pois trata com muita profundidade O ANIMAL QUE MAIS PROLIFERA EM PORTUGAL......!!!!!!acacio simões
(http://atonito.blogspot.com/)
(mailto:acacio.luis.simoes@iol.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags