Domingo, 17 de Agosto de 2008

Batalha da Roliça


2.º Centenário


Zona costeira da Figueira da Foz - Baía do Rio Mondego - PORTUGAL

Clique aqui para ampliar a imagem


Foi nestas paragens, nestas águas que banham a Figueira da Foz, que há 200 anos desembarcou a  força expedicionária inglesa, sob o comando do general Arthur Wellesley.
Um dos maiores desembarques de sempre: 14 mil homens (9 mil sob o comando de Arthur Wellesley e 5 mil sob o comando de Spencer),
350 cavalos e a artilharia. Durante oito dias e oito noites os pescadores da região ajudaram o desembarque e foram buscar, nos seus barcos, os 14000 homens.

 


                               -----------------

A Batalha da Roliça, a primeira batalha da Guerra Peninsular, foi travada a 17 de Agosto de 1808 entre as tropas francesas do general Delaborde e as tropas luso-britânicas de Arthur Wellesley (futuro duque de Wellington) e Bernardino Freire.
 
Após a retirada das três divisões espanholas que haviam participado na invasão, Junot, limitado ao exército francês, viu-se forçado a espalhar tropas pelo território, tentando conter a revolta popular. Assim, estava fragilizado na tentativa de suster os luso-ingleses, desembarcados em Lavos, Figueira da Foz.
 
Desde 6 de Agosto de 1808 uma força expedicionária inglesa, sob o comando do general Wellesley, desembarcava na baía de Buarcos (Figueira da Foz), junto à foz do rio Mondego, com o objectivo de marchar sobre Lisboa. Esse efectivo foi confrontado pelas tropas francesas sob o comando do general Delaborde, na Batalha da Roliça (concelho do Bombarral - ver localização de Roliça aqui), a 17 de Agosto de 1808. O saldo do embate foi favorável aos britânicos e portugueses, tendo as tropas francesas retirado para Torres Vedras, onde se reuniram às tropas do general Junot.
 
Esta vitória permitiu que quatro dias depois com a Batalha do Vimeiro, no concelho da Lourinhã, se desse a machadada final nas invasões francesas.
Fonte: Wikipédia. 
 

................................................................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post | comentar
33 comentários:
De Jofre de Lima Monteiro Alves a 7 de Setembro de 2008 às 19:23
Boa semana com tudo de bom, meu caro Filipe.


De gaivotapoesia a 9 de Setembro de 2008 às 20:04
Amigo Filipe
Passei mais uma vez para ver se havia novidades...mas não encontrei nenhum novo post!
Boa recuperação.
Fica bem e beijinos com amizade.
Chicailheu


De Cöllyßry a 15 de Setembro de 2008 às 18:56
Olá Folipe...Como vai?
Bom ver que voltou, Seu post são sempre~com sabedoria que faz falta por aqui...Gostei muito.

Terno beijo


De Jofre de Lima Monteiro Alves a 28 de Setembro de 2008 às 02:00
Venho deixar um abraço de saudade!


De "Cantinho Da Florinda" a 6 de Outubro de 2008 às 20:08
Oi!
Vim desejar uma boa segunda-feira e dizer que tenho um presente para si.
Beijinhos e fica bem.
PS: Podia mandar-me o site onde se toca nas imagens e aparecem maiores?
Vá, uma boa semana.


De soaresesilva a 10 de Outubro de 2008 às 11:57
Filipe, quando vem um novo post?


De uma ilha a 17 de Outubro de 2008 às 20:30
Passei por aqui.Espero que esteja tudo bem amigo Felipe, por aqui tudo bem.Beijinho de amizade e bom fim de semana.Uma ilha


De Zéfoz a 20 de Outubro de 2008 às 13:44
Uma excelente prestação histórica sobre as invasões francesas.
Quando se deu o desembarque da esquadra inglesa na margem esquerda do rio Mondego, Lavos, diz-se que o duque de Wellington vinha doente.
Apesar de ser um aristocrata xenófobo (não gostava dos portugueses embora nos viesse ajudar), isso não o impediu de comer uma sopa que aliviou as suas maleitas, feita feita por uma mulher do povo.
Esta receita ainda hoje existe conhecida por sopa do duque.


De Zéfoz a 20 de Outubro de 2008 às 15:36
Um excelente trabalho sobre a história das invasões francesas no inter-land das Beiras.
Quando se deu o desembarque da esquadra inglesa na margem esquerda do rio Mondego, diz-se que Wellington estava doente.
Apesar de ser um aristocrata xenófobo (não gostava dos portugueses), isso não o impediu de comer uma sopa que o aliviou das suas maleitas, feita por uma mulher do povo de Lavos.
Ainda hoje existe essa receita conhecida pela sopa do duque.


De padeiradealjubarrota a 27 de Outubro de 2008 às 20:27
Fantástico!


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags