Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Fotografia: o Flash

 
Exemplo de um flash que se encaixa num suporte de algumas câmaras preparado para ligar o adaptador inferior, visível nesta imagem
Um flash que se encaixa num suporte de algumas câmaras
preparado para ligar o adaptador inferior, visível nesta imagem


 
 

Flash é um instrumento utilizado em fotografia que dispara luz em simultâneo com a abertura do obturador das câmaras fotográficas. Usado em situações de pouca luz ou mesmo com bastante luz, ao sol por exemplo, para preenchimento de sombras muito fortes evitando o contraste exagerado, o chamado "fill flash".
 
 
História
 
Nos primeiros flashes eram utilizadas lâmpadas similares às incandescentes de hoje, com a diferença que o seu filamento era bem fino e muito longo que, ao receber uma descarga eléctrica, se queimava. Ou seja, para cada foto era utilizada uma lâmpada. Observe, em filmes anteriores a 1950, que os fotógrafos, após a foto, retiravam a lâmpada (normalmente de baioneta) para colocar uma nova providenciada no seu bolso do paletó - cena comum dos fotógrafos de jornais!
 
O flash electrónico surgiu por volta de 1949 e tinham o tamanho de uma mala, pesava quase 8 quilogramas e utilizava 5.000 volts de energia, por isso eram usados com cautela. Num período de mais ou menos 10 anos do seu surgimento usaram-se bobinas de ignição, acumuladores (baterias) de motocicletas e válvulas electrónicas (tubos).
 
Neste período conseguiram produzir tubos que funcionavam com 300 ou 500 volts. No início dos anos 50 começaram a aparecer tubos (lâmpadas) em "U" ou circulares, o que melhorou muito a eficiência. Em 1950 surgiu o "Sevoblitz" o primeiro flash com o reflector incluído. Ao surgirem as baterias de níquel-cádmio começaram a fabricar-se os primeiros "flashes de bolso", o que reduziu em muito as dimensões, aliado ao aperfeiçoamento dos reflectores.
 
Os flashes tornaram-se tão populares que as próprias câmaras, principalmente as amadoras, já os têm incorporados, alimentados por uma ou duas pilhas AA ou AAA, comuns, alcalinas ou recarregáveis.
 
Mais recentemente, com o surgimento do consumo das câmaras digitais (segunda metade da década de 1990), os flashes estão sempre incorporados. Nas câmaras profissionais é opção os flashes TTLs inteligentes que "conversam" com a câmara ajustando os seus disparos de acordo com os dados de abertura, velocidade, ISO, distância e outros. Tudo isso à velocidade de processamento de um chip. Chegam a disparar mais de uma vez numa única foto, primeiro para calcular a luminosidade, um possível segundo disparo (quando programado) para evitar o "olho vermelho" (quando a pupila do fotografado se "ajusta" à luminosidade) e o segundo ou terceiro disparo para iluminar a cena com vista à imagem pretendida. Mesmo pequenos flashes TTLs, possuem um "poder" de iluminação de 15 ou mais metros, enquanto os flashes incorporados raramente ultrapassam a iluminação de 4 metros.
 
Comum também, em uso profissional, são as "tochas". São flashes mais fortes separados da câmara e disparados por sinais de rádio ou foto-células (hoje quase não usadas). É comum também em eventos, como casamentos, e onde é exigido mais iluminação, os profissionais utilizarem dois ou mais flashes, conduzidos por auxiliares (pessoas) e disparados simultaneamente por dispositivos de sinais de rádio que, incorporados na câmara, enviam o sinal para esses flashes.
 
 
.......................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags