Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

05
Fev07

Alenquer (Portugal)

Praia da Claridade

 
Alenquer (Portugal)

Alenquer (Portugal)

Clique aqui para ampliar a imagem



 
Castelo de Alenquer, Portugal: vista do adarve

Castelo de Alenquer, Portugal: vista do adarve

Clique aqui para ampliar a imagem




Alenquer é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Lisboa, região Centro e sub-região do Oeste, com cerca de 8 900 habitantes.
 
É sede de um município com 302,18 km² de área e 39 180 habitantes (2001), subdividido em 16 freguesias. O município é limitado a norte pelo município do Cadaval, a leste pela Azambuja, a sul por Vila Franca de Xira e Arruda dos Vinhos, a sudoeste por Sobral de Monte Agraço e a oeste por Torres Vedras.
 
Alenquer que ganhou o epíteto de "Vila Presépio" depois de, em 1968, ter iniciado a tradição de montar um gigantesco presépio elaborado pelo pintor Álvaro Duarte de Almeida numa das colinas da cidade.
 
 
História
 
Alenquer de "Alen Ker" significa "Templos dos Alanos". O cão alano, uma raça conhecida pelas suas qualidades na caça e combate, continua a proteger a vila de Alenquer no seu brasão. Alenquer foi fundada por Ataces, rei lendário dos Alanos. Recebeu foral em 1212 da infanta D. Sancha, filha de Sancho I de Portugal.
 
 
Freguesias
 
As freguesias de Alenquer são as seguintes:
  • Abrigada
  • Aldeia Galega da Merceana
  • Aldeia Gavinha
  • Cabanas de Torres
  • Cadafais
  • Carnota
  • Carregado
  • Meca
  • Olhalvo
  • Ota
  • Pereiro de Palhacana
  • Ribafria
  • Santo Estêvão (Alenquer)
  • Triana (Alenquer)
  • Ventosa
  • Vila Verde dos Francos
"Filhos da vila"
  
 
O Castelo de Alenquer localiza-se na vila de mesmo nome, Freguesia de Triana, Concelho de Alenquer
.
 
Antecedentes
 
A primitiva ocupação humana da região remonta à pré-história, conforme os testemunhos arqueológicos que atestam ter sido sucessivamente visitada e ocupada, ao longo dos séculos, por povos Gregos, Fenícios, Cartagineses, Romanos, Alanos, Godos e Muçulmanos
, estes últimos responsáveis pela fortificação.
 
O castelo medieval
 
No contexto da
Reconquista cristã da península Ibérica, a povoação e o seu castelo foram conquistados pelas forças de D. Afonso Henriques (1112-1185) em 1148
, que determinou o seu repovoamento e reconstrução das suas defesas.
 
O seu filho e sucessor,
D. Sancho I  (1185-1211), fez erguer o Paço Real, posteriormente doado à Infanta D. Sancha, sua segunda filha. Sob o reinado de D. Afonso II (1211-1223), esta senhora concedeu o primeiro foral à vila (1212
).
 
Posteriormente, Alenquer veio a receber Carta de Foral  passada por
D. Dinis (1279-1325) em 1302, e o Foral Novo de D. Manuel I (1495-1521), em 1510
.
 
 
Da Dinastia Filipina
aos nossos dias
 
No contexto da crise de sucessão de 1580, a vila apoiou as pretensões de D. António, Prior do Crato
, ao trono, vindo a sua defesa a cair no ostracismo desde então.
 
O castelo encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público por Decreto publicado em 20 de Outubro de 1955
.
 
Os seus remanescentes encontram-se actualmente bem conservados, destacando-se alguns troços de muralha, a Porta da Conceição e a Torre da Couraça, de planta quadrada.
 
Características
 
O castelo encontra-se em posição estratégica no terreno, o que dificultou a sua conquista em meados do século XII. Os seus muros, ameados(1), percorridos por adarve
(2), são em aparelho de pedra regular.
 
(1) - A ameia (do latim mina[s]) é a abertura, no parapeito das muralhas de um castelo ou fortaleza
, por onde os defensores visavam o inimigo.
 
(2) - O termo adarve deriva do árabe ad-darb (segundo outras fontes, adz-dzir-we: muro da fortaleza). Originalmente constituía-se num caminho estreito acompanhando o alto dos muros dos castelos, com a função de ronda dos sentinelas e de distribuição dos defensores. Elemento típico das fortificações medievais, ficava coberto externamente por um parapeito de alvenaria com ameias onde se rasgavam as seteiras, visando a protecção dos defensores. Estes corredores internos eram acessados por escadas pelo interior das muralhas ou das torres. Num processo de ampliação de sentido, posteriormente passou a designar também os muros construídos com ameias nas fortalezas.
  

Fotografias de ALENQUER
Fonte: Wikipédia. 
 

.......................

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D