Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2006

O Cabelo


Os cabelos não servem só como um aliado estético (dando forma e valorizando o rosto) mas também funcionam como um isolante térmico, protegendo a cabeça das radiações solares e da abrasão mecânica.



Estrutura do fio de cabelo

O fio de cabelo divide-se em três regiões distintas:

Cutícula, Córtex e Medula.


Cutícula

Camada externa do fio de cabelo que se divide em 0 a 12 camadas que, sobrepostas, protegem a estrutura. Por ser transparente permite-nos ver a cor do fio do cabelo. A cutícula sofre agressões externas (sol, chuva, poluição...) por acção mecânica (escovar, pentear...) e transformações químicas (relaxamento, permanente, colorações, reflexos...)


Córtex

Região intermediária onde transformamos, de todas as formas, a estrutura do cabelo. Nesta região encontramos as seguintes ligações químicas:


  • Ligação Salina:  no simples acto de molhar o cabelo a sua extensão é aumentada.
  • Ligação de Hidrogénio:  a deformação acontece quando transformamos temporariamente o cabelo.
  • Ligação de Enxofre:  só é rompido através de química e a sua transformação é permanente.

Medula

É a parte central do fio. Há fios de cabelos que não possuem medula, não modificando em nada a sua estrutura. O canal da medula pode estar vazio ou preenchido com Queratina esponjosa. Os estudos ainda não determinaram a função desta região. Estudos recentes apontam as pesquisas para uma associação da medula com o primeiro instante da fase de germinação do fio onde a medula serviria como um "direccionador" do novo fio em direcção ao poro.


O pH do cabelo

O termo pH é usado para determinar o grau de acidez ou alcalinidade de uma substância. O cabelo e a pele têm pH levemente ácido, um valor compreendido entre 5,0 e 6,0 na escala. Dessa forma, todos os produtos que entram em contacto com o corpo humano devem ser neutros ou levemente ácidos. Se lavarmos o cabelo com champô alcalino, por exemplo, as suas escamas abrem, ele fica sem brilho, difícil de pentear e embaraçado.


Tipos de cabelo


  • Secos: Como o couro cabeludo tem pouca oleosidade, os fios acabam ficando ressecados, quebradiços e sem brilho.

  • Normais: Não têm excesso de oleosidade na raiz nem pontas ressecadas. Dispensam grandes cuidados para exibir um aspecto brilhante e saudável, só que, infelizmente, são raros.

  • Oleosos: Basta um dia sem lavar que eles já ficam com aspecto sujo, oleoso, pesado. Isso ocorre porque as glândulas sebáceas têm actividade excessiva. Passar a mão nos cabelos e utilizar água muito quente durante a lavagem potencializa a oleosidade.

  • Mistos: Possuem características de cabelos oleosos e secos, ou seja, o couro cabeludo é oleoso e as pontas são ressecadas e às vezes duplas. É o tipo de cabelo mais comum e também o mais difícil de tratar.


Cabelos saudáveis  X  cabelos danificados


  • Cabelos saudáveis: Cada fio de cabelo é coberto por uma camada de escamas bem fechadas, chamadas cutículas, que protegem o interior do cabelo. Nos cabelos saudáveis, essa cutícula tem um padrão regular, o que mantém as moléculas de água e de proteína seladas dentro do cabelo, mantendo-o maleável, com brilho, forte e macio.

  • Cabelos danificados: Apresentam um desgaste provocado por produtos químicos (permanentes, produtos inadequados, tinturas, descoloração, etc.), além dos danos físicos (exposição excessiva aos raios UV, uso de secadores, escovagem brusca). Em ambos os casos, ocorrem anomalias na disposição das cutículas e, consequentemente, na estrutura dos fios e do couro cabeludo. Nos cabelos danificados, as escamas estão abertas, o que provoca perda de brilho, humidade e resistência. É por isso que eles necessitam de um tratamento profundo e intensivo.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:07
Link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 2 de Janeiro de 2006 às 04:51
Obrigada pela visita e pelos votos.! Também te desejo um Ano muito Feliz, repleto de paz, amor, saúde e tudo o que de bom qua a vida contém. Gostei imenso do teu blog, está muito original. ***** eternapartedemim
(http://eternapartedemim.blogs.sapo.pt)
(mailto:lucosta@netvisao.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags