Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

26
Out06

D. Miguel I, Rei de Portugal

Praia da Claridade

 
D. Miguel I, Rei de Portugal
 
 

Dom Miguel I de Bragança (nasceu em Queluz, 26 de Outubro de 1802, faz hoje 204 anos  - faleceu em Schloß Karlshöhe (Palácio de Karlshöhe) em Bronnbach, Alemanha, 14 de Novembro de 1866), de seu nome completo Miguel Maria do Patrocínio João Carlos Francisco de Assis Xavier de Paula Pedro de Alcântara António Rafael Gabriel Joaquim José Gonzaga Evaristo de Bragança e Bourbon, foi oficialmente o terceiro filho do rei Dom João VI de PortugaI (há duvidas se não seria filho de Carlota Joaquina e do 6º Marquês de Marialva) e irmão mais novo do Imperador D. Pedro I do Brasil. D. Miguel foi Rei de Portugal durante o período das Guerras Liberais (1828-1834). Ficou para a história como O Rei-Absoluto, O Absolutista ou O Tradicionalista, devido às convicções que defendeu. Os liberais chamaram-lhe também O Usurpador, por haver, na sua óptica, arrebatado o trono que, legitimamente, pertencia à sobrinha, D. Maria da Glória (D. Maria II de Portugal), o que é por demais discutível.
 
D. Miguel era um homem de ideais tradicionalistas, sem medo de lutar por elas. Ainda em vida do seu pai,
D. João VI (1816-1826) encabeçou dois movimentos - a Vilafrancada e a Abrilada) -, que lhe valeram o exílio. Em 1826, após a abdicação do seu irmão mais velho ao trono português (Pedro IV de Portugal, Pedro I do Brasil), ficou noivo da sua sobrinha, a rainha D. Maria da Glória, ao mesmo tempo em que foi nomeado regente. No entanto, a 23 de Junho de 1828, foi proclamado Rei pelas Cortes do Reino, de acordo com as regras constitucionais tradicionais, e anulou a Constituição emitida por D. Pedro IV. A não aceitação da sua legitimidade pelo seu irmão e pelos liberais desencadearam as Guerras Liberais
entre o seu partido e o dos constitucionalistas (liberais) de D. Maria II e seu irmão, D. Pedro IV.
 
D. Miguel obteve internacionalmente o reconhecimento do seu estatuto real. Contudo, em
1831, o seu irmão mais velho abdicou do trono do Brasil em favor do filho Pedro II e regressou a Portugal para liderar em pessoa o partido liberal na guerra civil contra os miguelistas. D. Pedro tomou o arquipélago dos Açores
, de onde lançou um ataque a Portugal.
 
Três anos depois, D. Miguel foi forçado a devolver a Coroa a
D. Maria II na Concessão de Évoramonte (26 de Maio de 1834), de onde seguiu para o exílio, em Julho do mesmo ano, tendo pernoitado pela última vez em solo português na acolhedora e miguelista vila alentejana de Alvalade, que o recebeu como se este ainda reinasse. Ainda na Baía de Cascais, ao embarcar para o exílio, D. Miguel denunciou a Concessão de Évoramonte, celebrada sob coacção, pela ameaça para com os seus seguidores. Em 26 de Novembro de 1836, D. Miguel nomeou o chamado "Remexido" como Governador do Reino do Algarve e Comandante em Chefe Interino de Todas as Tropas Realistas, Regulares e Irregulares do Exército de Operações do Sul, talvez pela fidelidade deste guerrilheiro, que manteve acesa a chama da resistência realista do território do Algarve até ao norte do Alentejo
durante mais de quatro anos após a Concessão.
 
D. Miguel viveu o resto de sua vida na
Alemanha, onde casou e constituiu família. A sua esposa foi a Princesa Adelaide de Löwenstein-Wertheim-Rosenberg, que lhe deu seis filhas e um filho, Miguel, Duque de Bragança. O actual pretendente ao trono português, D. Duarte Pio, Duque de Bragança
, é bisneto, por legítima varonia, de D. Miguel I e trineto do 6º Marquês de Marialva.
 
Jaz no Panteão dos Braganças, no mosteiro de São Vicente de Fora em Lisboa, para onde foi transladado juntamente com sua mulher D. Adelaide.

Descendência
 
De Adelaide de Löwenstein-Wertheim-Rosenberg:
  • Infanta Maria das Neves de Bragança (5 de Agosto de 1852 - 1941), casada em 1871 com o infante Afonso de Espanha, filho do pretendente Carlos de Espanha;
  • Miguel II Maria Carlos de Bragança (19 de Setembro de 1853 - 11 de Outubro de 1927), avô do actual duque de Bragança;
  • Infanta Maria Teresa de Bragança (24 de Agosto de 1855 - 1944), casada em 1873 com o arquiduque da Áustria Carlos Luís;
  • Infanta Maria Josefa de Bragança (19 de Março de 1857 - 11 de Março de 1943), casada em 1874 com Carlos Teodoro, duque da Baviera;
  • Infanta Adelgundes de Bragança (10 de Novembro de 1858 - 15 de Abril de 1956), casada em 1876 com Henrique de Bourbon-Parma, conde de Bardi;
  • Infanta Maria Ana de Bragança (13 de Julho de 1861 - 1 de Agosto de 1942), casada em 1893 com o Grão-Duque do Luxemburgo Guilherme IV;
  • Infanta Maria Antónia de Bragança (28 de Novembro de 1862 - 14 de Maio de 1959), casada em 1184 com o Duque de Parma, Roberto I. 
D. Miguel teve ainda uma filha de mãe desconhecida, Maria Ana de Assunção de Bragança, gerada ainda enquanto era rei de Portugal (12 de Março de 1831 - Julho de 1897).
Fonte: Wikipédia. 
 
 

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D