Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

08
Out06

Estação Espacial Internacional

Praia da Claridade

 
Estação Espacial Internacional em órbita
 
Estação Espacial Internacional em órbita
 
 
 

No seguimento das operações da Mir russa, do Skylab dos Estados Unidos, e do planeado Columbus europeu, a Estação Espacial Internacional (International Space Station, ou simplesmente ISS) representa a permanência humana no espaço: tem sido dirigida com tripulações de número não inferior a dois elementos desde 2 de Novembro de 2000. A cada rendição da tripulação, a estação recebe equipas, bem como um ou mais visitantes.
 
A ISS é um projecto conjunto da Agência Espacial Canadiana (CSA/ASC), Agência Espacial Europeia (ESA), Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial, Agência Espacial Federal Russa e NASA.
 
A estação espacial encontra-se em órbita em torno da Terra a uma altitude de aproximadamente 360 quilómetros, um tipo de órbita tipicamente designada de órbita terrestre baixa (na verdade, a altitude varia ao longo do tempo em vários quilómetros devido ao arrastamento atmosférico e reposição. A estação perde, em média, 100 metros de altitude por dia). A estação orbita a Terra num período de cerca de 92 minutos; a 1 de Dezembro de 2003 completou mais de 33.500 órbitas desde o seu lançamento.
 
A estação é servida primariamente pelo Vaivém Espacial e pelas unidades Soyuz e Progress. Ainda se encontra em construção, embora já tenha sido palco de experiências científicas. Actualmente a estação tem capacidade para suportar tripulações de três elementos. Até 2004, todos os membros da tripulação permanente provinham dos programas espaciais russos ou norte-americanos. No entanto, a ISS já foi visitada por muitos outros astronautas, muitos deles de outros países (e, curiosamente, por quatro turistas espaciais).
 
Montagem da ISS
 
A construção da ISS irá depender de mais de 50 missões de montagem e utilização. Destas, 39 são assistidas pelo Vaivém Espacial. Adicionalmente a estas missões, aproximadamente 30 missões Progress serão necessárias para providenciar a logística. No final, a ISS estará a operar com um volume de pressurização de 1 200 metros cúbicos, uma massa de 419 000 quilogramas, 110 kilowatts de potência, e uma estrutura de suporte de 108,4 metros de comprimento, com módulos de 74 metros e tripulações de 6 elementos.
 
Segundo a configuração de 2003, a estação tinha de massa 187 016 kg, 425 metros cúbicos de espaço útil, 73 metros de envergadura, 52 metros de comprimento e 27,5 metros de altura. Foram necessários 16 missões norte-americanas do Vaivém Espacial e 22 missões russas. Destas últimas, 8 foram tripuladas e 14 não tripuladas. A construção necessitou de 51 caminhadas no espaço, 25 das quais a partir do vaivém, e 26 a partir da própria ISS. No total, o tempo das caminhadas no espaço foi de 318 horas e 17 minutos.
 
A 1 de Dezembro de 1987 a NASA anunciou os nomes das quatro companhias norte-americanas que conseguiram contratos de cooperação na fabricação das componentes para a ISS: Boeing, General Electric's Astro-Space Division, McDonnell Douglas e a Rocketdyne Division of Rockwell.
 
A primeira secção foi colocada em órbita em 1998. As duas peças seguintes foram adicionadas antes do envio da primeira tripulação, que chegou à estação a 2 de Novembro de 2000 e consistia nos astronautas William Shepherd (EUA) e dois cosmonautas russos, Yuri Gidzenko e Sergei Krikalev. Decidiram designar a estação espacial de "Alpha", embora o uso do nome estivesse restrito à missão.
 
A ISS tem tido uma história problemática. Inicialmente planeada como uma "Estação Espacial Livre" da NASA, assim promovida pelo Presidente Reagan, mostrou-se demasiado dispendiosa. Após a Guerra Fria, foi retomada como um projecto conjunto entre a NASA e a Rosaviakosmos russa. Desde essa altura o seu custo tem-se mostrado muito superior ao projectado inicialmente pela NASA, além de atrasado. Em 2003 ainda era incapaz de acomodar uma tripulação de sete, consequentemente limitando a quantidade de ciência passível de se realizar, o que também não beneficia as relações com os parceiros europeus no projecto. Em Julho de 2004, a NASA concordou em completar a estação até ao nível de suporte de 4 membros e ao lançamento de secções adicionais como o módulo japonês de experiências. Enquanto a NASA continuará a gerir a construção, a Rússia irá continuar o lançamento e recolha das tripulações de e para a estação.
 
Objectivos da ISS (Estação Espacial Internacional)
 
Algumas críticas encaram o projecto da NASA como um desperdício de tempo e dinheiro, inibidor do progresso em outros projectos mais úteis: por exemplo, os $100 biliões USD estimados poderiam pagar dezenas de missões espaciais não tripuladas. No geral, existem muitas críticas contra a exploração espacial que defendem que essa quantia seria melhor empregue em problemas na Terra.
 
Os defensores da exploração espacial argumentam que tais críticas são, no mínimo, redutoras e de pouca visão, e talvez decepcionadoras. Os defensores da investigação e exploração espacial tripulada defendem que estes esforços já produziram biliões de dólares de tangíveis benefícios às pessoas na Terra. Algumas projecções apontam para um benefício económico indirecto, materializado pela comercialização das tecnologias desenvolvidas durante a exploração espacial tripulada, que já retornou mais de sete vezes o investimento inicial para a economia (algumas projecções conservadoras colocam este valor em três vezes o investimento inicial). Se a ISS, isolada do restante programa espacial, será um contribuidor considerável é, no entanto, um assunto de renhido debate.
 
A ISS já recebeu o primeiro turista espacial, Dennis Tito, que gastou 20 milhões USD para participar numa missão russa de reabastecimento e o primeiro casamento no espaço quando Yuri Malenchenko, na estação, se casou com Ekaterina Dmitriev, que se encontrava no Texas.
 
Estado actual da ISS
 
Após o acidente do Vaivém Espacial Columbia a 11 de Fevereiro de 2003, e a consequente suspensão das missões com estas naves, ainda permanece alguma incerteza sobre o futuro da ISS. A sua construção está praticamente suspensa dado que as componentes principais são tão pesadas que não podem ser colocadas no espaço com o auxílio das naves actualmente em serviço. Por exemplo, o módulo do laboratório da Agência Espacial Europeia, o Columbus, apesar de concluído, não pode ser lançado em órbita. Entretanto, as rendições da tripulação estão a ser efectuadas pelas naves Soyuz. A partir da Soyuz TMA-2, duas equipas de astronautas foram transportadas, no lugar das tradicionais equipas de três elementos.
 
Porém, a Soyuz não dispõe da capacidade do vaivém. Devido à ausência do suporte à ISS por um vaivém por um longo período de tempo, esta está a acumular grandes quantidades de lixo e desperdício, o que começa a afectar as operações.
 
Esta medida de contenção lançou em aberto a possibilidade do foguetão Energia (russo) ou do vaivém espacial Buran voltarem ao serviço. Contudo, apesar da hipótese do Saturno V poder voar uma vez mais, a realidade é que o equipamento destas duas naves foi recolocado ou mesmo corrompido desde a separação da União Soviética.
 
A 27 de Fevereiro de 2004, a tripulação da ISS Michael Foale e Alexander Kalery fizeram a sua primeira caminhada no espaço, envolvendo toda a tripulação da ISS (a Soyuz 26 foi a primeira a envolver toda a tripulação de um veículo). A maioria dos objectivos desta caminhada, como a instalação de equipamento exterior, foram atingidos antes de um dos tubos no fato de Kalery ter causado um disfunção no arrefecimento e forçar a uma conclusão precoce.
 
A possibilidade de colisões a velocidades muito grandes de detritos espaciais é considerada uma ameaça a longo prazo para a Estação Espacial Internacional. Uma solução proposta pela NASA e outros consiste num laser. No entanto, permanece a preocupação que uma proposta deste tipo possa contrapor os tratados existentes acerca de armamento laser no espaço.
 

Expedições futuras
  • Expedição 15: Fyodor Yurchikin CDR - Rússia, Oleg Kotov - Rússia, John Grunsfeld - Agendada para Março 2007 - Setembro 2007.
A Estação Espacial Internacional é a segunda nave mais visitada na história da exploração espacial. A 12 de Julho de 2006 contava com 120 visitas. A Mir tinha 137. Quase 1/4 dos astronautas que já tinham voado para o espaço estiveram na ISS.
Fonte: Wikipédia. 
 
 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D