Terça-feira, 3 de Outubro de 2006

Miguel Corte Real

 
A pedra de Dighton
 
A Pedra de Dighton
 
 
 

Miguel Corte Real (c. 1450 – talvez em 1502), navegador/explorador português, desaparecido nas costas da América do Norte por volta de 1502. O seu desaparecimento deu origem a várias pesquisas e teses controversas, a mais conhecida das quais é do seu naufrágio nas costas da Nova Inglaterra, onde teria mantido contacto com as populações índias e gravado a conhecida epígrafe da Pedra de Dighton.
 
Biografia
 
Miguel Corte Real era filho de João Vaz Corte Real, capitão do donatário (cargo tardo-feudal) na ilha Terceira, Açores e irmão de Gaspar Corte Real. Gaspar Corte Real desapareceu numa viagem de exploração à Terra Nova, então conhecida por Terra Nova dos Bacalhaus, realizada em 1501. No ano seguinte Miguel partiu numa expedição em direcção ao noroeste do Atlântico em sua busca, mas também desapareceu.
 
O poeta siciliano Giovanni Cataldo Parisio, também conhecido por Cataldo Sículo, que residiu temporariamente em Lisboa em finais do século XV, dedicou a Miguel Corte Real um poema, incluído na sua colectânea Poemata, publicada em Lisboa no ano de 1502. Por aquele poema se pode deduzir que Miguel Corte Real terá exercido as funções de porteiro-mor do rei D. Manuel I de Portugal e terá participado numa expedição militar ao norte de África.
 
Também se sabe que Miguel Corte Real não participou na expedição capitaneada por seu irmão em 1501, apesar de a ter financiado em troca da partilha das terras que descobrisse, porque naquele ano terá partido, por ordem régia, em auxílio dos venezianos nas suas lutas contra os turcos no Mediterrâneo oriental.
 
Verificado o desaparecimento do irmão, no Inverno de 1502/1502 organizou uma expedição, composta por três navios, destinada a proceder a buscas na zona para onde ele tinha partido. A expedição partiu de Lisboa a 10 de Maio de 1502 e atingiu a costa da Terra Nova, onde os navios se separaram para alargar a área investigada, marcando encontro numa baía para o dia 20 de Agosto. Pela data aprazada dois dos navios tinham comparecido, mas o de Miguel Corte-Real nunca mais foi visto.
 
No ano seguinte o irmão mais novo, Vasco Anes Corte Real, solicitou autorização para partir em busca dos irmãos desaparecidos, mas o rei, temendo novo desaparecimento, não autorizou a expedição. Contudo, naquele ano, dois navios terão partido para o noroeste do Atlântico, mas foram debalde as suas buscas.
 
A partir da leitura feita por Edmund Delabarre em 1918, surgiu a tese de que as inscrições feitas na Pedra de Dighton, no que é hoje o estado norte-americano de Massachusetts, teriam sido feitas por Miguel Corte Real. Naquelas interpretações da inscrição, os seus defensores vêem a Cruz de Cristo, o escudete português e o seguinte texto em latim:
MIGUEL CORTEREAL v[oluntate] DEI
hic DUX IND[iorum]
1511
cuja tradução para português dirá:
MIGUEL CORTEREAL pela vontade de DEUS
aqui CHEFE dos ÍNDios
1511

Ligação externa:
O mistério dos Navegadores Perdidos
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:09
Link do post
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags