Sábado, 8 de Julho de 2006

Manuel de Arriaga

 
Manuel de Arriaga - primeiro presidente da República Portuguesa
 
 
 

Manuel José de Arriaga Brum da Silveira e Peyrelongue  (8 de Julho de 1840, Horta - 5 de Março de 1917) foi o primeiro presidente da República Portuguesa, eleito, sucedendo a Teófilo Braga (do Governo provisório, que iria, posteriormente suceder após a abdicação de Manuel Arriaga).
 
Estudou na Universidade de Coimbra, de 1860 a 1865. Membro do Partido Republicano, foi eleito, quatro vezes, deputado pelo círculo da Madeira (de 1882 a 1892), de cujo directório fazia parte, juntamente com Jacinto Nunes, Azevedo e Silva, Bernardino Pinheiro, Teófilo Braga e Francisco Homem Cristo.
 
Considerado um orador notável, muitos dos seus discursos deram um impulso não negligenciável à causa republicana. Não partilhava, porém, o anti-clericalismo próprio dos primeiros republicanos portugueses.
 
Anticlericalismo é um movimento histórico que se caracteriza por condenar a influência dominante de instituições religiosas, especialmente do clero da Igreja Católica (padres, sacerdotes), sobre aspectos sociais e políticos da vida pública. A sua atitude denota uma crítica à instituição eclesiástica e à hierarquia católica em geral. Não implica necessariamente em anticristianismo. Pode-se ser anticlerical e cristão. O anticlericalismo propugna pela separação e não interferência entre as esferas do poder religioso e do civil. O activista anticlerical critica a acção política das instituições religiosas. Muitos artistas manifestaram o seu anticlericalismo através das suas obras, como Gil Vicente, Goya, Eça de Queirós dentre outros. O anticlericalismo é mais frequente no cristianismo, mas há atitudes anticlericais nas demais religiões. Foi uma característica importante no renascimento.
 
Depois da instauração da República, Manuel de Arriaga, ao ser eleito Presidente, tentou reunificar o partido que, entretanto, se desmembrava em diferentes facções: esforço sem resultados. O seu mandato foi atribulado devido a incursões monárquicas movidas por Paiva Couceiro. Foi substituído pelo professor Teófilo Braga, em 1915. Morria em Lisboa, dois anos depois.
 
Foi sepultado em jazigo de família no cemitério dos Prazeres e transladado para o Panteão Nacional de Santa Engrácia (ver aqui ), cumprindo decisão votada por unanimidade pela Assembleia da República, em 16 de Setembro de 2004.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:25
Link do post | comentar | ver comentários (8)

Aristides de Sousa Mendes

 
Aristides de Sousa Mendes num selo português de 1995, onde se pode ler: "Lisboa porta para a Liberdade" e "A sua assinatura salvou milhares"
 
Aristides de Sousa Mendes num selo português de 1995, onde se pode ler:
"Lisboa porta para a Liberdade"
e "A sua assinatura salvou milhares"

 
 

Foi em 8 de Julho de 1940, faz hoje 66 anos, que Aristides de Sousa Mendes regressou a Portugal e foi punido pelo governo de Salazar. Ver aqui. 
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:17
Link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 7 de Julho de 2006

A Caravela

 
Caravela Vera Cruz a navegar no rio Tejo, Lisboa - Portugal
 
Caravela Vera Cruz a navegar no rio Tejo, Lisboa - Portugal
 
 
 

A caravela foi uma embarcação usada pelos portugueses e espanhóis durante a Era dos Descobrimentos. Segundo alguns historiadores o vocábulo é de origem árabe carib (embarcação de porte médio e de velas triangulares — velame latino). De acordo com outros, no entanto, a palavra seria derivada de carvalho, a madeira usada para construir as embarcações.
 
A caravela era um navio rápido, de fácil manobra, apto para à bolina (ver aqui ), de proporções modestas e que, em caso de necessidade, podia ser movido a remos. Eram navios de pequeno porte, de dois mastros, um único convés e ponte sobre-elevada na popa; deslocavam 50 toneladas. As velas «latinas» (triangulares) eram duas vezes maiores que as das naus, o que lhes permitia ziguezaguear contra o vento e, consequentemente, explorar zonas cujo regime dos ventos era desconhecido. Apetrechada com artilharia, a caravela transformou-se mais tarde em navio mercante para o transporte de homens e mercadorias.
 
Gil Eanes utilizou um barco de vela redonda, mas seria numa caravela que Bartolomeu Dias dobraria o Cabo da Boa Esperança (ver aqui ), em 1488. É de salientar que a caravela é uma invenção portuguesa, em conjunto com os conhecimentos que haviam adquirido dos árabes.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:45
Link do post | comentar | ver comentários (5)
Quinta-feira, 6 de Julho de 2006

O Selo de Correio

 
O primeiro Selo foi o selo negro de um penny (one penny black), surgido na Inglaterra em 6 de Maio de 1840
 
 

O primeiro Selo foi o selo negro de um penny (one penny black), surgido na Inglaterra em 6 de Maio de 1840. A ideia foi de Sir Rowland Hill, membro do Parlamento inglês, para que fosse o remetente a pagar a tarifa, pois, antes da criação do selo, o destinatário é que a pagava, criando um enorme número de devoluções.
 
O Brasil foi o terceiro país (depois da Inglaterra e da Suíça) a adoptar o selo. No dia 1 de Agosto de 1843, o Império lançou os primeiros selos brasileiros, a série chamada Olho de boi, com os valores de trinta, sessenta e noventa Réis.
 
É controverso o facto da Suíça ter lançado o seu selo antes do Brasil, pois era de uso regional e não de circulação nacional.
 
Em Portugal, os primeiros selos postais são lançados em 1853, com a efígie da rainha D. Maria II, com cunho de Francisco de Borja Freire. Os primeiros selos, emitidos no dia 1 de Julho tinham valor facial de 5 e 25 réis. No dia seguinte, é emitido o selo de 100 réis, e no dia 22 do mesmo mês é posto à venda o selo de 50 réis. Portugal torna-se assim no 45º país a adoptar o selo postal.
 
A primeira série comemorativa é emitida Portugal em 1894, por ocasião do 5º centenário do nascimento do Infante D. Henrique.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:15
Link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 5 de Julho de 2006

O Lago Baikal

 
O Lago Baikal no sul da Sibéria, Rússia
 
 
 

O Lago Baikal  é um lago no sul da Sibéria, Rússia, entre Oblast de Irkutsk no noroeste e Buryatia no sudeste, perto de Irkutsk. Com 636 km de comprimento e 80 km de largura, é o maior lago de água doce da Ásia e o mais profundo da Terra.
 
A superfície do lago Baikal é de 31.500 km². O lago Baikal é tão grande que se todos os rios na Terra depositassem as suas águas no seu interior, levaria pelo menos um ano para encher. Alguns sítios ultrapassam os 1.600 m de profundidade (dados mais recentes, 1.940 m), sendo responsável por 20% da água doce líquida do planeta.
 
Desaguam nele cerca de 300 rios. É o habitat de 1.085 espécies de plantas e de 1.550 espécies e variedades de animais.
 
Mais de 60% dos animais são endémicos: por exemplo, de 52 espécies de peixes, 27 são endémicas (próprias da região).
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:01
Link do post | comentar | ver comentários (5)
Terça-feira, 4 de Julho de 2006

Hoax

 
Hoax  ("embuste" numa tradução literal, tentativa de enganar um grupo de pessoas, fazendo-as acreditar que algo falso é real, uma brincadeira de mau-gosto) é uma mensagem cujo conteúdo é "alarmante".
 
A definição mais real sobre hoax é que é um vírus social, que utiliza a boa fé das pessoas para se reproduzir, sendo esse o seu único objectivo. De forma mais simples, hoax é um boato intencional e falso. Dá-se o nome de hoax a histórias falsas recebidas por e-mail, que geralmente ameaçam o destinatário com a destruição, contaminação, formatação do disco rígido do computador, ou qualquer outra desgraça, caso não faça o que for solicitado na mensagem.
 
 
Etimologia
 
A palavra hoax veio do pretenso encantamento hocus pocus. "Hocus pocus", por sua vez, pode ser uma distorção da expressão latina "hoc est corpus" ("este é o corpo") proferido durante a missa. O assunto ainda é controverso entre os etimologistas.
 
Etimologia é a parte da gramática que trata da história ou origem das palavras e da explicação do significado de palavras através da análise dos elementos que as constituem. Por outras palavras, é o estudo da composição dos vocábulos e das regras da sua evolução histórica.
 
 
Hoaxes típicos
 
Eis algumas notícias muito estranhas mas que foram exaustivamente enviadas. Todas são inteiramente falsas:
 
-  A Selecção Brasileira vendeu a Copa do Mundo do 1998, num esquema milionário, que envolveu a Nike, a Adidas, a Fifa, a CBF e os jogadores.
-  A Ericsson e a Nokia estão distribuindo telemóveis grátis.
-  Bill Gates oferecendo a você US$1000.
-  A Disney está dando a você férias grátis.
-  Uma companhia de alimentos infantis está enviando cheques.
-  A Procter & Gamble faz parte de cultos satânicos e o seu logótipo é satânico.
-  A Mirabilis vai lhe enviar o ICQ 2000, se você enviar mensagens para todos os seus amigos e o seu ICQ irá mostrar rostinhos diferentes em cada nome.
-  A MTV lhe dará o direito de ficar nos bastidores se você enviar correspondências para um grande número de pessoas.
-  A Nestlé enviará um cesta com produtos se você reenviar o e-mail para 15 pessoas.
-  O MSN passará a ser pago. É um abaixo assinado contra isso.
-  O Orkut será pago (outro abaixo assinado contra isso).
-  ... e muitas mais ...
  
O reenvio deste tipo de mensagens é geralmente considerado sinal de pouca sofisticação e experiência no uso de computadores. Muitos dos utilizadores mais antigos tendem a encarar quem participa deste tipo de coisa com algum desprezo.
 
Uma dica simples é sempre aceder ao site da empresa envolvida no hoax e verificar a autenticidade das mensagens. As empresas nunca fazem alterações nos seus serviços sem um aviso prévio aos seus usuários.
 
Adicionalmente, quando em dúvida sobre um determinado arquivo do seu sistema operacional, o usuário do computador deve procurar informações em diversos sites na Internet antes de remover algum arquivo desconhecido.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:20
Link do post | comentar | ver comentários (5)
Segunda-feira, 3 de Julho de 2006

A Popa de um navio

 
A popa de um navio moderno
 
A popa de um navio moderno
 
 

A popa é a secção traseira de uma embarcação, sendo tecnicamente definida como a área construída entre o painel de popa e as alhetas da embarcação. O termo popa é por vezes utilizado para designar genericamente toda a secção localizada a ré da meia-nau.
 
Por razões funcionais a popa sempre foi a localização do aparelho de manobra do navio, em especial do leme e da respectiva roda do leme, que antes do desenvolvimento das tecnologias de movimento hidráulico não podiam ser manobrados de muito longe.
 
Por extensão, e para permitir maior proximidade à zona de manobra, ao mesmo tempo que aproveitava a zona mais abrigada do navio e menos sujeita a balanço, a popa passou a ser a localização preferida para a instalação dos aposentos do capitão e dos seus oficiais. Tal levou a que o castelo de popa, nome porque era designada a superstrutura localizada a ré, passasse a ser em extremo elaborada, com grandes janelas decorativas, lanternas, talhas e outros sinais da ostentação. Os passageiros importantes eram acomodados no castelo de popa, sendo-lhe também ali servidas as refeições.
 
Nos navios de guerra, a concentração da oficialidade no castelo de popa transformou-se numa vulnerabilidade, já que em batalha atingir o castelo de popa com uma bordada era seguro que causaria baixas importantes. Daí que as tácticas navais de combate da época da navegação à vela privilegiassem o assalto ao castelo de popa.
 
Tradicionalmente é também à popa que se coloca a bandeira de registo do navio (embora durante a navegação esta possa ser movida para o mastro principal) e se inscreve o nome e porto de registo da embarcação. Os antigos navios tinham à popa, sobre a bandeira, uma lanterna, por vezes de grandes dimensões e grande valor decorativo (hoje substituída por uma simples lâmpada de sinalização sobre a bandeira).
 
Na primeira metade do século XIX a popa dos navios foi sendo progressivamente arredondada, sendo abandonados os tradicionais "castelos de popa". Com o advento dos navios movidos a hélice posterior, a popa transformou-se numa área de localização de equipamentos, o que abrigou à transferência para a meia-nau dos alojamentos do capitão e oficiais e das messes que tradicionalmente eram aí localizados.
 
Nos modernos paquetes, a popa é em geral utilizada para localizar restaurantes e outras estruturas de lazer e convívio pois tem a vantagem de permitir a visibilidade desimpedida de quaisquer estruturas em três direcções. Sobre as estruturas de popa são em geral localizadas as piscinas e outras estruturas descobertas pois com o movimento do navio esta secção é a mais abrigada do vento (neste caso do vento relativo dada a velocidade de deslocação).
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:18
Link do post | comentar | ver comentários (3)
Domingo, 2 de Julho de 2006

O Astrolábio

 
Astrolábio persa do século XVIII
 
Astrolábio persa do século XVIII



O astrolábio é um instrumento naval antigo, usado para medir a altura dos astros acima do horizonte. Inventado por Hipátia de Alexandria (filósofa neoplatónica residente em Alexandria). Era usado em astrologia e astronomia. Mais tarde foi simplificado e substituído pelo sextante (instrumento astronómico usado para determinar a latitude, substituindo o astrolábio - ele mede a distância angular, como a altura do Sol, da Lua e das estrelas. O sextante foi inventado simultaneamente na Inglaterra e nos Estados Unidos em 1731).
 
Também era utilizado para resolver problemas geométricos, como calcular a altura de um edifício ou a profundidade de um poço. Era formado por um disco de latão graduado na sua borda, num anel de suspensão e numa mediclina (espécie de ponteiro). O astrolábio náutico era uma versão simplificada do tradicional e tinha a possibilidade apenas de medir a altura dos astros para ajudar na localização em alto mar.
 
Não existem vantagens nem desvantagens entre esses instrumentos antigos de navegação; de certa forma são instrumentos perfeitos que atendem às suas funções. A função do astrolábio é uma, e a do quadrante é outra. A única diferença (interpretada como vantagem ) é o facto de um ser um instrumento terrestre para usar numa ilha ou num continente e mirar uma determinada estrela próximo ao pólo, Estrela Polar, e o outro um instrumento de bordo mais fácil de trabalhar para calcular a passagem meridiana com a sombra do Sol. Ambos funcionavam bem tanto no hemisfério sul como no hemisfério norte, mas principalmente o astrolábio, pelo seu peso, é indicado para funcionar embarcado, capaz de permanecer na vertical apesar do balanço do navio !
 
O disco inicial foi parcialmente aberto para diminuir a resistência ao vento. O manejo do astrolábio exigia a participação de duas pessoas; consistia em grande círculo, por cujo interior corria uma régua; um homem suspendia o astrolábio na altura dos olhos, alinhando a régua com o Sol enquanto outro lia os graus marcados no círculo.
 
O astrolábio moderno de metal foi inventado por Abraão Zacuto, em Lisboa, a partir de versões pouco precisas árabes.
 
Abraão ben Samuel Zacuto foi um rabino, astrónomo, matemático e historiador judeu que serviu na corte do Rei D. João II de Portugal.
 
Biografia
 
Nasceu em Salamanca, Espanha em c. 1450. Estudou astronomia e tornou-se Professor dessa cadeira na Universidade de Salamanca, e mais tarde nas de Saragoça e Cartagena. Também se formou em Lei Judaica e tornou-se Rabino.
 
Rabino, dentro do Judaísmo, significa "professor, mestre" ou, literalmente, "grande". A palavra "Rabbi" ("Meu Mestre") deriva da raiz hebraica Rav, que no hebraico bíblico significa "grande" ou "distinto (em conhecimento).
 
Quando da expulsão dos judeus de Espanha em 1492, Zacuto refugiou-se em Lisboa, Portugal. Foi chamado à Corte e nomeado Astrónomo e Historiador Real pelo Rei D. João II, cargo que exerceu até ao reinado de D. Manuel I. Foi consultado por este monarca acerca da possibilidade de uma viagem por mar até à Índia, que apoiou e encorajou.
 
Zacuto seria dos poucos a conseguir fugir de Portugal após as conversões à força e proibições de emigração que Dom Manuel I impôs aos judeus portugueses. Morreu no Império Otomano c. 1510.
 
Obra
 
Abraão Zacuto foi o autor de um novo e melhorado Astrolábio, que ensinou os navegantes portugueses a utilizar, e também de melhoradas tábuas astronómicas que ajudaram a orientação das caravelas portuguesas no alto-mar, através de cálculos a partir de observações com o Astrolábio.
 
As suas contribuições salvaram sem dúvida a vida de muitos marinheiros portugueses e permitiriam as descobertas do Brasil e da Índia.
 
Ainda em Espanha, escreveu e publicou um tratado notável de astronomia em hebreu, com o título "Ha-jibbur Ha-gadol".
 
Publicou na tipografia de Leiria (Portugal), de Abraão de Ortas, em 1496, a obra "Bi'ur Lu?ot"  ou, em Latim, "Almanach Perpetuum", que viria a ser traduzida em Latim e Castelhano. Neste livro viriam as tábuas astronómicas para os anos de 1497 a 1500, que foram utilizadas, juntamente com o seu astrolábio melhorado de metal, por Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral nas suas viagens.
 
Em 1504, na Tunísia, escreveu uma História dos Judeus, "Sefer ha-Yu?asin", desde a Criação do Mundo até 1500, e ainda vários tratados astronómicos.
 
Esta História foi muito respeitada e republicada em Cracóvia em 1581, em Amesterdão em 1717, e em Königsberg em 1857. Em Londres também foi publicada uma edição no ano de 1857.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Temas: ,
Publicado por: Praia da Claridade às 00:58
Link do post | comentar | ver comentários (3)
Sábado, 1 de Julho de 2006

Cidade de Petrópolis - Brasil

 
Localização de Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil
 
Localização de Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil


Universidade Católica de Petrópolis
 
Universidade Católica de Petrópolis


Petrópolis - Catedral de São Pedro de Alcântara
 
Petrópolis - Catedral de São Pedro de Alcântara


 

Município e cidade de Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro. Área de 774.606 km². População de 302.477 habitantes, em 2004, segundo o IBGE.
 
O município tem cinco distritos: Petrópolis, Cascatinha, Itaipava, Pedro do Rio, e Posse. Situa-se a 42 km da capital do estado pela rodovia BR-040 e a 463 km da cidade de São Paulo. O seu clima ameno, as suas construções históricas e a abundante vegetação servem como grandes atractivos turísticos. Além disso, a cidade possui um movimentado comércio e serviços além de produção agropecuária (com destaque para a fruticultura) e industrial. A cidade é constantemente chamada de Cidade Imperial, o seu apelido.
 
 
História
 
Petrópolis é talvez o mais notável exemplo dos esforços de imigração europeia para o Brasil no Segundo Reinado. Concebida pelo Major Julio Frederico Koeler, é tida como a primeira cidade projectada do Brasil, composta de um núcleo urbano, a Cidade, (hoje o centro da cidade) rodeado por "Quarteirões Imperiais" que receberam famílias de agricultores, principalmente alemãs mas também açorianas (Açores, oficialmente designados por Região Autónoma dos Açores, são um território autónomo da República Portuguesa, sito no Atlântico nordeste) e, posteriormente, de italianos para as indústrias de tecidos lá instaladas. O notável do projecto de Koeler foi o facto de baptizar os seus quarteirões com o nome da região de onde vinham os seus habitantes (Mosela, Bingen, Woerstadt, Darmstadt, Renânia, etc.) e dispô-los mais ou menos na mesma forma das respectivas regiões na Alemanha. Tais terras pertenciam à Fazenda do Córrego Seco, propriedade pessoal do imperador, donde o nome Petrópolis, cidade de Pedro, e foram arrendadas para Koeler e por este aos imigrantes, resultando num sistema de foro e laudémio [pensão que o foreiro paga ao senhorio directo] recebido pelos herdeiros de Dom Pedro II até a promulgação da Constituição de 1988.
 
Pedro II, "O Magnânimo" (Rio de Janeiro, 2 de Dezembro de 1825 — Paris, 5 de Dezembro de 1891), de nome completo: Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Bragança e Áustria, foi o segundo e último imperador do Brasil. Filho de Dom Pedro I e de Dona Leopoldina de Áustria, nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, e sucedeu a seu pai, que abdicou em seu favor no dia 7 de Abril de 1831 para retomar a coroa de Portugal.
 
D. Pedro I (Queluz, Portugal, 12 de Outubro de 1798 — Queluz, Portugal, 24 de Setembro de 1834) foi o primeiro Imperador do Brasil, de 12 de Outubro de 1822 a 7 de Abril de 1831, e ainda 29.º Rei de Portugal (título herdado de seu pai, D. João VI), durante um período de sete dias (entre 26 de Abril e 2 de Maio de 1826), como D. Pedro IV de Portugal.
 
Em Portugal, é conhecido como "O Rei-Soldado", uma vez que andou combatendo o irmão D. Miguel na Guerra Civil de 1832-34 ou "O Rei-Imperador". É também conhecido, de ambos os lados do Atlântico, como "O Libertador"  — Libertador do Brasil do jugo português; Libertador de Portugal do governo absolutista.

Petrópolis, por estar na Serra dos Órgãos, a mais de 700 metros do nível do mar, a cidade oferecia um clima agradável, principalmente aos diplomatas e outros estrangeiros que habitavam o Rio de Janeiro no século XIX, que nela se refugiavam durante o Verão. Além do frescor, a cidade era notável por não ser vítima das epidemias de febre amarela, obviamente pela impossibilidade de procriação do mosquito transmissor numa temperatura mais baixa, embora isto não fosse percebido na época.
 
Estes factores, mais a proximidade com a capital e a sua posição no caminho que leva à Província de Minas Gerais, deram à cidade um conjunto de palacetes sem igual, dos quais o mais conhecido é a sede da fazenda imperial, hoje o Museu Imperial, o que faz com que se diga que a Avenida Koeler, ladeada por vários tais palacetes e terminando na Catedral de São Pedro de Alcântara, seja a rua mais bela do Brasil. Por outro lado, lá encontram-se construções curiosas como a casa de Verão de Santos Dumont, a "Encantada", a velha casa da família Rocha Miranda na Avenida Ipiranga bem como a casa da mesma família em estilo seiscentista, o qual também define a célebre casa de Lúcio Costa no Bairro de Samambaia.
 
Petrópolis foi palco de acontecimentos e episódios diversos da história do Brasil, como a assinatura do tratado que incorporou o Acre ao Brasil (Acre, estado brasileiro situado no sudoeste da região Norte), do suicídio do escritor austríaco Stefan Zweig e muitas das reuniões que levaram ao Golpe de 1964. Antes de Brasília, funcionava como capital de Verão do Brasil, quando o Presidente da República permanecia no Palácio Rio Negro. Refúgio de artistas, figura nas páginas de Machado de Assis e de Stanislaw Ponte Preta e lá Jorge Amado concluiu o seu "Gabriela Cravo e Canela". Vinicius de Moraes, Gabriela Mistral e Sarah Vaughan estavam entre os seus frequentadores.
 
Como consequência da transferência da capital e do crescimento demográfico do Rio de Janeiro, durante a década de 1970, Petrópolis perdeu consideravelmente a sua importância no contexto político do país.
 
 
Turismo
 
São muitos os pontos turísticos em Petrópolis:
 
-  Museu Imperial de Petrópolis
-  Catedral de São Pedro de Alcântara com o Mausoléu Imperial
-  Palácio Quitandinha
-  Palácio de Cristal
-  Palácio Grão Pará
-  Palácio Rio Negro
-  Casa de Santos Dumont
-  Casa da Princesa Isabel
-  Casa do Visconde de Mauá
-  Casa de Joaquim Nabuco
-  Trono de Fátima
-  Florália
-  Morro Açu (Parque Nacional da Serra dos Órgãos)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:55
Link do post | comentar | ver comentários (14)

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags