Sábado, 27 de Maio de 2006

Panteão dos Braganças

 
Vista geral do interior do Panteão Real dos Bragança
 
Vista geral do interior do Panteão Real dos Bragança
 
 

O Panteão Real da Dinastia de Bragança, situado no Mosteiro da Igreja de São Vicente de Fora, é o lugar onde descansam muitos dos Monarcas e Príncipes da quarta e última dinastia real portuguesa iniciada por D. João IV e tendo o seu último rei com D. Manuel II. O Panteão situa-se hoje no que outrora foi o antigo refeitório do mosteiro, os seus túmulos são em maioria gavetões de mármore situados nas laterais da grande sala que ocupa, sobre os túmulos existem coroas e os nomes e títulos dos seus ocupantes está gravado a letras douradas na sua parte frontal.
 
É de se chamar a atenção para o túmulo de D. João IV, e também os túmulos da rainha D. Amélia, do rei D. Carlos I e do Príncipe Luís Filipe, Duque de Bragança e do Rei D. Manuel II. O Panteão está aberto a visitas, incluídas no roteiro do Mosteiro. Alguns braganças que não estão lá sepultados são: D. Maria I que se encontra na Basílica da Estrela, D. Pedro IV, Imperador do Brasil, que foi transladado do Panteão para o Monumento do Ipiranga em São Paulo no Brasil, e a rainha D. Maria Pia, que jaz no Panteão dos Sabóias na Basílica de Superga em Turim na região do Piemonte, Itália. O arranjo actual do Panteão data de 1933, quando também se ergueu junto aos túmulos de D. Carlos e de D. Luís Filipe uma estátua de uma mulher simbolizando a Pátria a chorar pelos seus mártires (recorde-se que ambos foram assassinados).
 
Todos os anos no dia 1 de Fevereiro é realizada uma missa pelas almas do rei D. Carlos I e do Príncipe D. Luís Filipe (vitimados no atentado republicano em 1908), com a presença dos Duques de Bragança D. Duarte Pio e D. Isabel de Herédia e muitos monárquicos, que seguem sempre para depositar uma coroa de flores nos túmulos do Panteão Real.
 
Panteão, que, etimologicamente, deriva de pan (todo) théos (deus), significa, literalmente, o templo que é dedicado a todos os deuses. Mais tarde, com o monoteísmo, os panteões foram reformulados para servir de última morada àqueles que através dos seus feitos engrandeceram a sua Pátria (intelectuais, estadistas, artistas, etc.).
Fonte: Wikipédia.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:05
Link do post
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags