Terça-feira, 24 de Janeiro de 2006

O choro ou acto de chorar

Exemplo de pessoa chorando
Exemplo de pessoa chorando


O choro,  pranto (choro em excesso) ou acto de chorar ou lacrimejar é um efeito fisiológico dos seres humanos que consiste na produção em grande quantidade de lágrimas dos olhos, geralmente quando estão em estado emocional alterado como em casos de medo, tristeza, depressão, alegria exagerada, raiva, etc.

A lágrima ou fluido lacrimal é um líquido composto de
água, sais minerais, proteínas e gordura, produzido pelas glândulas lacrimais (do sistema lacrimal) nas pálpebras superiores do olho humano para lubrificar e limpar o olho. É produzido em grande quantidade quando alguém chora.

Curiosidade:  A expressão popular derramar lágrimas de crocodilo usada para dizer que alguém chora sem razão ou por fingimento, surgiu de um facto real que acontece com os
crocodilos. Quando o animal come uma presa, ele engole-a sem mastigar. Para isso, abre a mandíbula de tal forma que ela comprime a glândula lacrimal, localizada na base da órbita, o que faz com que os répteis lacrimejem.


Processo fisiológico

O
sistema límbico, sistema do cérebro responsável pelos sentimentos, associa um estímulo emotivo com aqueles que já temos guardados, gerando algumas respostas, sendo que uma delas é o choro. Depois disso, várias substâncias envolvidas no processamento das emoções, como noradrenalina e serotonina, e.g., são libertadas. Através do sistema nervoso independente (responsável por acções como piscar dos olhos) causarão a contracção da glândula lacrimal, libertando a lágrima.

Nota:  e.g.:  termo latino, por extenso "exempli gratia". Traduzindo: "por exemplo".

Esses fenómenos
neurológicos e endocrinológicos são relacionados ao instinto de defesa do ser humano. Pode-se dizer que há alguns tipos de choro: o resultante de algum tipo de emoção espontânea ou simulada e o intermitente ou persistente, que pode surgir sem motivo e indica uma possível doença como depressão, por exemplo.


Choro simulado

O choro pode ser uma necessidade gerada pelo organismo, mas nem sempre se desencadeia desse processo. O ser humano tem a capacidade de simular o choro para conquistar um objectivo:


  • Crianças, por exemplo, quando querem chamar a atenção da mãe choram ou gritam.
  • Um adulto, para desencadear uma reacção de empatia, de solidariedade.
  • Os artistas, actores e actrizes, para representar uma dramatização. Um recurso bastante utilizado é uma técnica difundida pelo russo Constantin Stanislavski (1863-1938) e é aplicada em escolas de teatro: "O actor que usa essa técnica pensa em algo pessoal que ajude a desencadear a sua emoção", explica a actriz Layla Roiz, do teatro Oficinão do Galpão de Belo Horizonte. Há também o "cristalzinho japonês", um produto vendido em farmácias que é à base de mentol. Os actores passam debaixo dos olhos para produzir lágrimas.


O sistema lacrimal ou aparelho lacrimal engloba as glândulas lacrimais e as vias de drenagem da lágrima para o nariz.

Cada olho possui um par de glândulas lacrimais, atrás e ao lado do olho. As glândulas lacrimais segregam fluido lacrimal, uma solução de água e sais, cuja função é humedecer o olho.
Quando há excesso de fluido, como acontece em fortes emoções, acontece o
choro, onde o excesso de fluido escorre nos dutos nasolacrimais, que levam este excesso ao nariz.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Publicado por: Praia da Claridade às 00:09
Link do post | comentar
5 comentários:
De Anónimo a 25 de Janeiro de 2006 às 16:09
Esta do choro e o comentário da senhora que tem a
"gata chorona" parecem de propósito.
Segunda feira fartei-me de chorar - morreu a gata da família.Vô-Zé
</a>
(mailto:martinsze@oniduo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 21:48
Na Figueira só tenho amigos, a Leirosa é uma paixão, deixo um abraço...Juda
(http://osaldanossapele.blogs.sapo.pt)
(mailto:juda-ben-hur@sapo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 20:00
Isto dava para uma aula de Medicina...Tudo muito bem explicado mas eu prefiro não saber por que canais correm as lágrimas e como fisiologicamente falando o choro se produz. Prefiro uma emoção não explicada...(sou burra!!!)
mas quando vejo uma pessoa a chorar ou eu própria choro, quero esquecer a parte física e apenas sentir!!!!
Gostei muito da explicação das lágrimas de crocodilo: não a conhecia e tem piada.Luisa
(http://ecosdotempo.blogs.sapo.pt)
(mailto:luisa34@netcabo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 17:24
Olá amigo Filipe.Pois chorona,sou um pouco como a maioria das pessoas,choro por ver injustiças,miséria,pelas crianças que todos os dias nós vimos nos telejornais e informam,pelas pessoas que por minhas mãos passam todos os dias,com problemas de saúde sem ter dinheiro para se tratar e da miséria em que vivem,num Páís de novos ricos que ums tem tudo e outros nada, votados ão abandono,que são Europeus só de papel passado mais nada,pois por este andar teremos muito que chorar para conseguir um País melhor mais fraterno e mais humano.
Beijos Maria ElisaMaria Elisa
</a>
(mailto:mariaelisaramos@sapo.pt)


De Anónimo a 24 de Janeiro de 2006 às 15:53
Olá quanto a chorar sempre fui muito chorona, quando era pequena meu pai dizia que parecia as fontes do Rossio pois estava sempre a chorar, me emociono com facilidade e choro mesmo quando não quero. Penso que por vazes os bichos também choram tenho uma gata que se me zangar com ela ela fica a pestanejar muito parece que fica chorona.Gostei de ler a postagem sobre Queluz a minha terra de nascença, tenho no meu Blog um artigo no dia 15 de Setembro sobre Queluz, e´só ver no arquivo, não tão bom como o seu.
Sobre a Figueira da Foz conheço mal só de passagem.
Bj
Aldoraaldora
(http://gatinhosvoadores.blogspot.com)
(mailto:aldoramira@sapo.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags