Sexta-feira, 24 de Março de 2006

Minas Terrestres



Soldado do Exército dos EUA numa operação de remoção de minas terrestres 
Soldado do Exército dos EUA numa operação de remoção de minas terrestres Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.




Minas são dispositivos compostos de um invólucro com carga explosiva e um detonador. A mina terrestre é uma armadilha explosiva enterrada a pouca profundidade e detonada pelo peso do alvo que se quer atingir.
 
A mina terrestre, ou mina explosiva pode continuar activa depois de muito tempo da sua instalação. A principal finalidade da mina terrestre é evitar ou dificultar o avanço de carros de combate ou da infantaria.
 
 
Existem duas classes de minas terrestres:
 
> Minas antitanques ou antiveiculares, destinadas principalmente veículos autopropulsados. Estes dispositivos contêm cerca de cinco quilos de explosivos.
 
> Minas antipessoais, mais leves, tem a função de matar ou ferir várias pessoas se estiverem próximas a estes artefactos após a sua explosão. Contêm em média meio quilo de explosivos e fragmentam-se ao explodir.
 
 
Para a instalação de uma mina, em primeiro lugar, elege-se o que se quer atingir. Para tal, é verificado o grau de fragmentação após a explosão e a dificuldade de detecção do artefacto.
 
O dispositivo é enterrado a pouca profundidade no solo e detonado pelo peso de soldados ou veículos que passam sobre si, dependendo o tipo. O disparo também pode ser através de um temporizador ou por controle remoto.
 
Para evitar a sua detecção magnética através de equipamentos electrónicos, as modernas cápsulas de minas são produzidas por materiais não magnéticos e não condutivos. Existem minas fabricadas com explosivos plásticos, o encapsulamento cerâmico e o dispositivo de disparo fabricado com componentes mecânicos à base de polímeros.
 
O sistema de disparo pode ser accionado por pressão ao toque exercida sobre uma barra articulada.
 
 
Minas antipessoais
 
As minas antipessoais podem ser de explosão ou de fragmentação.
As primeiras atingem ao alvo de forma a causar os maiores danos possíveis, destroçando e queimando o elemento atingido, de forma a reduzir o moral do grupo de avanço, havendo assim, além dos danos físicos, os danos psicológicos.
O segundo tipo expele grande quantidade de fragmentos em altíssima velocidade, o seu alcance é considerável.
Algumas minas são projectadas para ferir o maior número possível de indivíduos. Neste grupo existe o tipo saltador, cuja cápsula, após o disparo, salta de seu nicho a aproximadamente um metro e oitenta cm de altura, explodindo e lançando fragmentos que se espalham horizontalmente, atingindo alvos a grande distância.
 
Existe ainda um tipo de mina fixa não direccional, instalada no solo ou imediatamente abaixo da superfície. Depois da ignição projecta os seus fragmentos para cima e para fora, em 360 graus, formando um arco de 60 graus.
 
A maior indústria de minas antipessoais do mundo encontra-se nos Estados Unidos; o seu nome é Claymore Inc. Esta indústria fabrica um tipo de mina cuja função é destruir e cauterizar após a explosão, os membros inferiores dos elementos atingidos aleijando-os, mas não matando. Este procedimento é feito de forma que o elemento alvo não venha a morrer por hemorragias, mas sim permanecer vivo, acordado, e sentindo dores pela maior quantidade de tempo possível, de forma a quebrar o moral da tropa no seu avanço.
 
Existe um tipo de mina fabricada pela Claymore que dispara cerca de três mil projécteis de aço à base de urânio empobrecido em forma de agulhas (chamados vulgarmente de flexets), cuja função é causar o maior número de danos ao grupo atingido, desde pessoas, até veículos. O alcance destas agulhas chega a várias centenas de metros.
 
 
Minas antitanques
 
As minas antiveiculares necessitam de uma pressão superior a 150 quilogramas para o seu disparo. A carga explosiva danifica os veículos por concussão, e o seu funcionamento básico é semelhante ao de uma mina antipessoal explosiva.
 
Uma mina antitanque, mina AT, ou mina antiveicular, é semelhante a uma mina terrestre, excepto que é desenhada para ser menos sensível e com uma carga explosiva maior, de modo a poder destruir um veículo blindado. Foram primeiramente usadas em grande escala na Segunda Guerra Mundial.
 
Normalmente a instalação de minas é distribuída de forma a ter antipessoais e antiveiculares no mesmo terreno. A função é dificultar a localização e retirada de ambas.
 
A Claymon Inc. fabrica minas químicas que são usadas de forma a dispersar agentes químicos no ambiente próximo à sua localização. Os produtos podem ser líquidos, gasosos, persistentes ou não. A instalação recomendada pelo fabricante deve ser de forma intercalada com minas antipessoais e antiveiculares.
O elemento mais utilizado pelas indústrias norte-americanas de minas terrestres químicas é o gás cloro.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags