Segunda-feira, 13 de Março de 2006

Monocarril

Monocarril: H-Bahn - Dortmund - Alemanha


Um monocarril  é um metro ou caminho de ferro que opera num único carril, em oposição às ferrovias tradicionais que possuem dois carris paralelos. Um dos mais antigos monocarris, o de Wuppertal na Alemanha foi construído em 1901 e ainda se encontra em funcionamento.
 
Tipos de monocarril e aspectos técnicos
 
Existem dois tipos principais de monocarril: nos monocarris suspensos  o comboio está localizado debaixo do carril e suspenso por cima. No modelo mais popular, o comboio encaixa-se no carril. Existe ainda um outro modelo no qual, as rodas são colocadas dentro do carril.
 
Os monocarris modernos são propulsionados por energia eléctrica e têm normalmente pneus em vez das usuais rodas de ferro. Estes pneus rolam por cima e pelos lados do carril, de forma a fazer movimentar e estabilizar o comboio.
  
Oeiras foi a primeira cidade portuguesa a ter um sistema monocarril. O SATU - Sistema de Transportes Automático de Oeiras - foi inaugurado a 7 de Junho de 2004. Trata-se de um sistema automático, sem condutor, eléctrico e não poluente. Numa primeira fase, este monocarril faz a ligação entre a estação dos Navegantes, em Paço de Arcos e o Oeiras Parque, junto ao Parque dos Poetas. As carruagens têm capacidade para transportar 79 passageiros, podendo percorrer as três estações desta primeira fase em três minutos.
 

Vantagens e desvantagens
 
Vantagens:

>  A principal vantagem dos monocarris em relação aos sistemas de carris convencionais é que necessitam de muito menos espaço, tanto na horizontal como na vertical. A largura necessária é determinada pelo tamanho do veículo e não pelo tamanho da linha; sendo normalmente, elevados, ocupam muito menos espaço no chão, sendo este limitado praticamente aos pilares de sustentação. 

>  Devido ao pouco espaço que ocupam no chão, são mais atractivos que os sistemas elevados convencionais e visualmente apenas impedem a visão de uma pequena parte do céu. 

>  São menos ruidosos, já que usam rodas de borracha quando em contacto com o solo. 

> Os monocarris são capazes de subir, descer e virar, mais rapidamente que os comboios convencionais.

>  São mais seguros, já que não descarrilam e como são elevados, dificilmente entrarão em choque com pessoas e trânsito. 

>  São mais baratos e mais fáceis de construir, especialmente quando comparados com os sistemas de metro.


Desvantagens

>  Os monocarris necessitam da sua própria “estrada” 

> Ocupando menos espaço no chão do que os sistemas elevados convencionais, ocupam mais do que os sistemas subterrâneos. 

> Os desvios implicam que uma parte da linha fique suspensa no ar, num determinado espaço de tempo. Ao contrário dos desvios convencionais, um comboio que circule nessa linha suspensa, pode descarrilar, com o risco adicional de cair de uma altura de vários metros do chão. 

> Numa emergência, os passageiros não podem sair imediatamente visto não existirem plataformas para o poderem fazer; é necessário esperar que os bombeiros apaguem o fogo ou que sejam recolhidos por um veículo de emergência. Se o comboio estiver a arder, os passageiros poderão ter que tomar a desagradável decisão de se lançarem para o chão, de uma altura de vários metros correndo o risco de partir alguns ossos, ou ficarem no comboio, podendo assim sufocarem; os novos sistemas de monocarril, resolvem esta situação, criando plataformas a longo da linha.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:03
Link do post | comentar
5 comentários:
De Dalva a 13 de Março de 2006 às 03:11
Filipe.. estive uns dias numa pequena cidade no interior..um pouco ausente..da net!!
Estou voltando ..e venho logo visitar seu blog e ler suas pesquisas sempre tão criteriosas! Parabéns! um abraço!


De Dalva a 13 de Março de 2006 às 03:16
O VISUAL DO SEU BLOG ESTÁ LINDO.. FICOU EXCELENTE!


De Vô-Zé a 13 de Março de 2006 às 09:31
Está quase, quase tudo bem.
A música tem algumas intermitências


De soaresesilva a 13 de Março de 2006 às 18:47
Eu, a viver aqui tão perto de Oeiras, e ainda não o experimentei. Depois do teu arto fiquei com medo de ter que me atirar de uma altura de vários metros em caso de acidente...


De jo a 13 de Março de 2006 às 23:51
Isto é que é pesquisar. Mais uma lição.
Vi um comentário da intermitência da música o que também já me aconteceu a algumas músicas que quis pôr.
Abraço


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags