Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

09
Mar05

A Guerra

Praia da Claridade

Portugal e a Primeira Guerra Mundial
Luís Alves de Fraga *

A participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial não foi uma consequência imediata da aliança luso-británica e não ocorreu no início do conflito, antes pelo contrário: o Governo de Londres solicitou, logo em Agosto de 1914, que Lisboa se declarasse «não beligerante e não neutral». Assim, pode afirmar-se hoje, com toda a segurança, que a declaração de guerra da Alemanha a Portugal, em 9 de Março de 1916, resultou essencialmente de uma manobra da diplomacia portuguesa para servir simultaneamente objectivos nacionais de ordem externa e interna. Quanto aos primeiros, podemos identificar: a necessidade de garantir a manutenção dos territórios ultramarinos, em especial os africanos; o desejo de assegurar a independência na Península Ibérica; a intenção de reduzir a dependência político-diplomática relativamente à Inglaterra. Quanto aos segundos, reconhece-se: a necessidade de, por um lado, gerar coesão nacional e consolidar o regime republicano recentemente proclamado e, por outro, limitar, dentro do possível, a crise económica, em especial alimentar, conseguindo, até, um aumento da produção e exportação de certos produtos.

Uma das polémicas que mais dividiu a sociedade portuguesa desde o início da guerra e logo desde o momento em que o Partido Republicano Português (vulgo Partido Democrático) definiu como objectivo fundamental para a Nação a beligerância activa, foi a zona de intervenção das tropas. Os partidos republicanos conservadores e largos sectores de opinião pública, desejando seguir a sugestão do Foreign Office, o mais que aceitavam, se de todo em todo se tivesse de mudar o estatuto internacional, era a beligerância em África; os Democráticos, outros sectores mais radicais e, até, o ex-monarca D. Manuel II, opinavam que, sem desprezar as operações militares nos teatros africanos, Portugal deveria empenhar-se, vivamente, na luta que se desenvolvia na Europa. A razão para esta escolha era simples: só o resultado da guerra no Velho Continente decidiria a geografia europeia e africana, por isso só o empenhamento neste teatro seria determinante.

A declaração de guerra da Alemanha a Portugal foi conseguida na sequência de uma acção arrogante e provocatória do Governo de Lisboa. Com efeito, depois de uma série de manobras diplomáticas do gabinete chefiado por Afonso Costa, um democrático, Londres solicitou, ao abrigo da Aliança, que o Governo da República requisitasse as quase seis dezenas de navios alemães e austríacos surtos em portos nacionais desde o começo da guerra. Forças da Armada Portuguesa, na imediata sequência do decreto que autorizava a requisição, tomaram de assalto as embarcações germânicas surtas no Tejo e saudaram o acto com uma salva de vinte e um tiros de canhão. Nada poderia ter ferido mais o orgulho do Governo do Kaiser.

Por razões meramente metodológicas pode dividir-se o esforço militar português, durante a 1.ª Guerra Mundial, em períodos distintos: o africano anterior à beligerância, o africano e o europeu durante a beligerância. Com efeito, entre o Verão de 1914 e o começo da Primavera de 1916, desenvolveram-se no sul de Angola importantes operações militares de pacificação das tribos indígenas revoltadas contra a soberania portuguesa pela acção dos alemães da colónia da Damaralândia (actual Namíbia) contígua ao território angolano. A revolta inseria-se no projecto de ocupação do sul da colónia portuguesa pelos alemães, tendo estes aproveitado um incidente ocorrido em Naulila, em 1914, para darem início às acções de instabilidade interna.

Também antes de declarada a beligerância portuguesa, em Moçambique, houve incidentes militares na fronteira norte, junto ao Rovuma, tendo começado, logo a 24 de Agosto de 1914, com um ataque ao posto de Maziúa. Contudo, a situação naquela colónia antes de Março de 1916 nunca atingiu proporções conflituais semelhantes às de Angola, quer no tocante aos indígenas, quer no que respeita a confrontos com os alemães.

Depois da declaração de guerra da Alemanha a Portugal, já a campanha do sul de Angola estava praticamente resolvida, porque, a 12 de Julho de 1915, as forças militares germânicas da Damaralândia haviam-se rendido ao general Botha, da África do Sul. O esforço português manteve-se até ao começo de Setembro desse ano, altura em que foi dada como pacificada toda a região. No entanto, com a mudança de estatuto internacional, o Governo de Lisboa entendeu que, no norte de Moçambique, as poucas e desorganizadas forças militares nacionais atacassem o chamado triângulo de Quionga na margem direita da foz do Rovuma, por se tratar de um território tradicionalmente português que, em 1894, havia sido ocupado por ordem do governador-geral da colónia designada por África Oriental Alemã (actual Tanzânia).

Deu-se assim início a uma campanha sem brilho nem glória, desenvolvida à volta das margens do rio Rovuma, entre os anos de 1916 e 1917. No final deste último, o comandante das forças alemãs, para fugir à pressão que a norte e a oeste exerciam os britânicos e os belgas, invadiu Moçambique, conseguindo chegar às proximidades de Quelimane. Desta zona foi recuando até que entrou de novo na África Oriental Alemã e passou ao norte da Rodésia do Norte (actual Zâmbia) onde foi surpreendido pelo Armistício.

Pese embora todo o conjunto de acções bélicas em África, o grande esforço militar português durante a 1.ª Guerra Mundial foi feito no teatro de operações da Europa, mais concretamente na frente ocidental, num pequeno troço de trincheiras – cerca de doze quilómetros – entre Armantière e Béthune, na Flandres francesa.

As primeiras tropas chegaram a Brest em Janeiro de 1917 e começaram a entrar nas linhas em Abril do mesmo ano. O Corpo Expedicionário Português (CEP), com comando próprio, composto por duas Divisões de Infantaria (com quatro Brigadas cada uma) integrou-se no 1.º Exército Britânico, ficando-lhe tacticamente subordinado. Além desta grande unidade foi, também, criado o Corpo de Artilharia Pesada Independente (CAPI) que, em especial durante o ano de 1917, colaborou intimamente com a artilharia francesa. Devido às condições do terreno – plano e alagadiço, incapaz de suportar escavações profundas – as trincheiras do sector português, onde se instalou o dispositivo do CEP, não apresentavam capacidade para suportar, dando protecção aos homens, grandes e prolongados bombardeamentos de artilharia, ao mesmo tempo que não permitiam a construção de abrigos que possibilitassem algum mínimo repouso nos intervalos do serviço de vigilância.

Foram várias as situações de confronto mais directo e empenhado entre portugueses e alemães. Na época, a esses recontros entre tropas de Infantaria dava-se o nome de raids – que, em regra, não excediam, nos casos mais vultosos, os efectivos de um batalhão (320 a 350 homens). Entre Abril e Dezembro de 1917 houve cinco raids nas linhas portuguesas: quatro de iniciativa alemã e um só de iniciativa nacional. No ano de 1918, entre Janeiro e os primeiros dias de Abril houve seis raids, sendo quatro conduzidos pelos alemães e dois pelos portugueses. Para além destes combates houve várias escaramuças entre pequenos contingentes: em 1917, doze, e em 1918, até Abril, oito. Neste conjunto de operações houve 764 baixas entre os portugueses, das quais cerca de duas centenas foi de prisioneiros.

A prova máxima para as tropas portuguesas deu-se a 9 de Abril de 1918, quando o comando alemão determinou que fosse lançada uma grande ofensiva sobre as linhas aliadas, incidindo todo o esforço inicial sobre o sector português. Foi o começo da chamada Batalha do Lys (nome do rio que banha a região).

Depois de Dezembro de 1917 – data da revolução que levou ao poder Sidónio Pais – não mais chegaram reforços ao CEP e, pelo contrário, foi-se permitindo que quem viesse a Portugal de licença por cá ficasse. Em consequência desse estado de coisas e de um acordo que o Governo Português havia aceitado estabelecer com a Grã-Bretanha, nas vésperas da Batalha do Lys foi determinado que uma das duas divisões seguisse para a retaguarda — acabando-se com o Corpo de Exército Português – e a outra, a 2.ª, ficasse subordinada a um comando britânico. Foi, por conseguinte, sobre uma única Divisão, ocupando o mesmo espaço nas trincheiras, que caiu o ataque germânico, às 4H20 do dia 9 de Abril. Depois de um ataque cerrado de artilharia -1.500 bocas de fogo sobre uma frente de cerca de 15 km – ao fim da manhã o sector português deixara de existir. A partir de então, o que restou do CEP ficou subordinado ao Comando Britânico, passando os soldados da infantaria portuguesa a ser utilizados como meros trabalhadores de enxada e picareta. Só em Outubro de 1918 um grupo de oficiais (Augusto Casimiro, Ferreira do Amaral, Helder Ribeiro e alguns outros) conseguiu que o general Garcia Rosado obtivesse a reorganização de algumas unidades de combate. Foi possível pôr em condições de avançarem para a frente somente três batalhões.
_______________________________________________________________
* Luís Alves de Fraga
Coronel da Força Aérea. Licenciado em Ciências Político-Sociais e Mestre em Estratégia pela Universidade Técnica de Lisboa. Professor Auxiliar na UAL. Membro do Conselho Científico da Comissão Portuguesa de História Militar.
_______________________________________________________________
Fonte: http://www.janusonline.pt/portugal_mundo/port_1999_2000_1_32_c.html#1
_______________________________________________________________ 


Uma nota do autor dste blog:
O meu avô esteve presente nesta guerra e muitas vezes me contava as "histórias da guerra" que apesar de serem histórias, foram mesmo situações reais.
Uma que me marcou profundamente, para a minha idade:
Um dia estava cheio de sede. A água que levava consigo há muito que se tinha acabado, porque esse dia, como tantos outros, não tinha corrido bem... A única solução que encontrou  -  outros colegas teriam feito o mesmo  -  foi beber alguma da água que estava depositada, pela chuva, nos buracos deixados pelas patas dos cavalos....
Hoje as guerras são muito, muito diferentes !....
E sobre isso havia também muito, mas muito mesmo, para escrever.
É muito triste que o ser humano, na actualidade, tenha que entrar em guerra para resolver problemas... E é com tantas mortes que eles ficam reslovidos ????
NÃO !!!!!.......
____________________________________

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D