Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

05
Mai05

Horários do Corpo Humano

Praia da Claridade

 
PARECE BRINCADEIRA MAS É A SÉRIO...
 (Será mesmo?!)

 
 
DESPERTAR
das 7 h. às  8 h.
 
Quem gosta de acordar tarde já começa o dia em desvantagem.
À partir das 6 h, o corpo produz uma hormona que faz acordar, o cortisol. Entre 7 h e 8 h, a taxa de cortisol no corpo atinge a concentração máxima.
Essa faixa de horário é ideal para acordar com facilidade e com o pé direito.
ATENÇÃO:
Voltar a dormir é um erro; por volta das 9 h o corpo começa a produzir endorfinas (analgésicos naturais) que encorajam um sono pesado do qual será difícil sair sem dor de cabeça ou mau-humor.
 
PRAZER
das 9 h. às 10 h.

 
A hora certa para as folias amorosas, já que a taxa de serotonina (neuro-transmissor ligado ao prazer) está em seu apogeu. O prazer experimentado só será aumentado.
Por outro lado, também é a hora de marcar uma consulta ao dentista: as endorfinas, que também estão em alta nesse horário, funcionam como anestésicos naturais.
 
TRABALHO
das 10 h. às 12 h.
 
O estado de vigilância atinge o seu pico e a memória de curto prazo (que guarda coisas como um número de telefone que olha na lista, é retido por alguns segundos e esquecido na sequência) está mais activa.
Depois que as endorfinas presentes entre 9 h e 10 h desaparecem, o organismo atinge a sua velocidade ideal. É o momento certo para reflectir, discutir ideias e encontrar inspiração.
 
DESCANSO
das 13 h. às 14 h.
 
A moleza que dá depois do almoço não se deve unicamente à digestão, mas também a uma queda de adrenalina que acelera o ritmo cardíaco.
Para retomar a disposição, basta uma sesta de 20 minutos.
 
MOVIMENTO
das 15 h. às 16 h.
 
A forma física encontra o seu apogeu no meio da tarde, ao mesmo tempo em que a capacidade intelectual diminui. Como não há produção de hormonas específicas nesse horário, os cronobiologistas ainda não encontraram uma explicação para o facto.
 
HORA DE PONTA
das 18 h. às 19 h.
 
À partir das 18 h, o organismo fica particularmente vulnerável à poluição e ao monóxido de carbono. Convém então limitar o consumo de cigarros e evitar se possível, os engarrafamentos. Também é nesse horário que a actividade intelectual e o estado de vigilância atingem um novo pico - hora certa de mandar as crianças fazerem o trabalho de casa, por exemplo.
 
BEBEDEIRA
das 20 h. às 21 h.
 
Se esse horário costuma coincidir com o aperitivo de antes do jantar é bom saber que é também o momento em que as enzimas do fígado estão menos activas, o que faz com que se fique bêbado bem mais rápido.
 
SONO
a partir das 20 h...
 
A melatonina (hormona do sono) invade progressivamente o corpo a partir das 18 h. Mas é às 20 h que aparece o primeiro momento ideal para dormir, sucedido por outros iguais a cada duas horas. Para ajudar a cair no sono, fazer amor é uma excelente ideia: o prazer sexual desencadeia a secreção de endorfinas no cérebro, favorecendo o adormecimento.
 
REGENERAÇÃO
das 21 h. à 1 h.
 
Esta fase do sono é muito importante porque coincide com o pico da produção da hormona do crescimento, indispensável para a renovação das células e a recuperação física. Essa hormona permite que os conhecimentos adquiridos na véspera sejam armazenados no cérebro.

Fonte: Yvan Touitou, Cronobiologista da Faculdade de Medicina Pité-Salpêtrière

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D