Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

PRAIA DA CLARIDADE

Figueira da Foz - Portugal

05
Fev06

Cinérea: a luz cinzenta da Lua

Praia da Claridade

Cinérea: a luz cinzenta da Lua
Figura 1 - Cinérea: a luz cinzenta da Lua




Você já percebeu como a parte nocturna da superfície lunar apresenta às vezes uma tonalidade cinza (figura 1), em vez de totalmente escura como se poderia esperar que sempre fosse? Como a luz solar não atinge directamente aquela região da Lua, qual seria a origem do brilho estranho e belo ocasionalmente emitido por ela?

Note que o fenómeno da luz cinzenta é percebido melhor nas datas próximas da Lua Nova, quando a maior parte do hemisfério lunar nocturno está voltado para a Terra. Quanto mais o solo lunar diurno aparecer para nós, menor será a intensidade da luz cinzenta do solo lunar nocturno. Isso pode sugerir um ofuscamento de visão, ou seja, o brilho excessivo da Lua poderia fechar as nossas pupilas e não nos deixar ver bem uma luz cinzenta constante. Porém, ao observar através de um telescópio, é possível deixar somente a superfície nocturna da Lua dentro do campo da lente e acabar com o ofuscamento. Neste caso, nota-se facilmente que a luz cinzenta diminui de facto quando a fase da Lua aumenta, o que descarta a possibilidade de ofuscamento.

Para compreender a razão desse fenómeno basta lembrar que nem sempre as nossas noites são escuras. Quando temos a Lua acima do horizonte, à noite, o seu brilho é percebido no solo e, no caso da Lua Cheia, a sua intensidade chega ao ponto de permitir que caminhemos com facilidade e segurança em locais desprovidos de iluminação artificial. Então, imagine o efeito de uma "Terra Cheia" vista por um astronauta que estivesse na superfície nocturna da Lua. Devido ao maior tamanho da Terra, o brilho da "Terra Cheia" visto da Lua é muito superior ao da Lua Cheia que vemos daqui.

Pela ausência de outro corpo celeste próximo para lançar luz sobre a noite lunar, fica evidente que é o reflexo da luz do Sol pela Terra que ilumina um pouco a face escura da Lua. Mas qual a razão da diminuição da luz cinzenta com o aumento da fase lunar?

A resposta é simples: a fase lunar vista da Terra é complementar à fase da Terra vista da Lua e, por isso, quando temos uma Lua Nova, a Terra vista da Lua está cheia, mais brilhante e faz a luz cinzenta ficar mais forte. Conforme a Lua apresenta a nós cada vez mais da sua parte iluminada pelo Sol, a Terra vai minguando para o astronauta e diminuindo o seu brilho. A partir de certo ponto, o brilho que a Terra causa na Lua já não se faz notar facilmente por nós, mas somente pelo astronauta que lá estivesse.

É interessante notar que a luz solar faz três percursos (figura 2) até que seja vista por nós como a luz cinzenta, também chamada de cinérea ou secundária. No primeiro percurso, ela sai do Sol e vem iluminar a Terra. No segundo, ela parte da Terra, reflectida, e vai iluminar a face nocturna da Lua. No terceiro, ela parte da Lua, também por reflexão, e vem até os olhos do observador terrestre nocturno.

A luz solar faz três percursos
Figura 2 - A luz solar faz três percursos



Algumas pessoas percebem a luz cinérea com naturalidade, sem estranhar nem ter a sua curiosidade despertada. Outras ficam curiosas, mas não conseguem descobrir a sua causa. Mas há aquelas que chegam a compreender o fenómeno e explicá-lo com perfeição, como fez o génio Leonardo da Vinci.
Roberto F. Silvestre














1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D