Domingo, 19 de Junho de 2005

Campo de concentração

Campo de concentração é o "estabelecimento" utilizado para a detenção, suposta reeducação, exploração de mão-de-obra gratuita ou mesmo extermínio de presos políticos, prisioneiros de guerra e membros de grupos étnicos, por motivos ideológicos, políticos e militares.

Em diversos momentos da história, a combinação de autoritarismo político e uso arbitrário do poder militar levou ao surgimento de campos de concentração.

Os campos de concentração não integram os sistemas penitenciários usuais   - onde são presas as pessoas condenadas segundo a legislação civil  -,  nem se confundem com os centros de confinamento dos prisioneiros de guerra, os quais se organizam de acordo com os princípios do direito internacional. São prisões sem qualquer vinculação com a norma jurídica, e não passam de uma manobra económica para recrutar mão-de-obra a preço vil, voltada sobretudo à produção de guerra, e de uma manobra política para subjugar grupos sociais dissidentes ou contrários às directrizes estatais.

Nunca a condição humana esteve tão ameaçada, quanto na época dos campos de concentração nazistas. Não apenas os judeus, eslavos, ciganos, homossexuais e deficientes foram atingidos fisicamente e moralmente ao serem tratados como coisas, pragas, ou raças inferiores, mas toda Humanidade se viu reduzida à massa de manobra de um sistema totalitário que se considerava perfeito em sua concepção pervertida sobre o bem-estar de uma nação. Para satisfazerem seus desejos de supremacia, alguns seres humanos pensavam ter o direito de usufruir dos corpos de milhões de outros seres humanos até sua exaustão completa. Desde 1933, quando os primeiros campos de concentração de presos em massa foram construídos em Boyermoor e Dachau (Alemanha), oito milhões de pessoas perderam seus nomes, ganharam números, foram escravizadas, transformadas em cobaias, ou simplesmente eliminadas pelas doenças, torturas e câmaras de gás numa organização civil e militar, cujos objectivos transcendiam a questão racial ou política, revelando os fins ideológicos de uma sociedade voltada para exploração e extinção de tudo que fosse diferente daquilo considerado correcto segundo seus critérios subjectivos e exclusivistas. Na obra de Adolf Hitler (1889-1945) e seus comparsas, a lógica de uma civilização massificadora foi posta nua, para ser encoberta hoje pelos modismos e os meios de comunicação de massa que transformam todos em consumidores e trabalhadores compulsivos dos produtos criados pelos novos pequenos “hitleres”, para seu deleite pessoal.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
Publicado por: Praia da Claridade às 00:10
Link do post | comentar
2 comentários:
De Anónimo a 19 de Junho de 2005 às 17:13
E não sei como ainda há quem consiga ver um lado positivo nessas políticas repressivas e desumanas... BeijinhosMónica
(http://intertextos.blogs.sapo.pt)
(mailto:e-monicaferreira@sapo.pt)


De Anónimo a 19 de Junho de 2005 às 11:38
ola Filipe
sabes porque é que eu gosto do teu blog?
Porque aprendo imenso.
abraço da leonorleonoretta
</a>
(mailto:eximproviso@hotmail.com)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags