Quinta-feira, 28 de Julho de 2005

O Avião


avião  é uma aeronave mais pesada que o ar. Uma aeronave é um avião quando possui asas fixas (mesmo que elas possuam partes móveis e/ou dobradiças).

Duas características comuns a todos os aviões são a necessidade de um fluxo constante de ar pelas asas para a sustentação da aeronave, e a necessidade de uma área plana e livre de obstáculos onde eles possam alcançar a velocidade necessária para descolar, ou diminuí-la, no caso de uma operação de pouso. A maioria dos aviões, porém, necessita de um aeroporto dispondo de uma boa infra-estrutura para receber adequada manutenção e reabastecimento, e para a deslocação de tripulantes, carga e passageiros, quando estes se apresentam em número razoável. Enquanto a grande maioria dos aviões pousa e descola em terra, alguns são capazes de fazer o mesmo em corpos de águas calmas.

O avião é actualmente o meio de transporte civil e militar mais rápido do planeta. Aviões a jacto comerciais podem alcançar até 875 km/h, e percorrer um quarto da esfera terrestre em questão de horas, e mesmo pequenos aviões mono-motores são capazes de alcançar facilmente 175 km/h ou mais de velocidade de cruzeiro. Já aviões supersónicos, que operam actualmente apenas para fins militares, podem alcançar velocidades que superam em várias vezes a velocidade do som.

Componentes básicos

Seja um pequeno Citation ou um gigantesco Airbus A380, qualquer avião possui algumas características em comum:

Partes fixas

  • A presença de asa(s):  o que parece ser um par de asas é, na verdade, uma estrutura única rigidamente conectada com a fuselagem da aeronave. Os aviões podem ser monoplanos (uma asa), biplanos (duas asas) ou triplanos (três asas). A maioria dos aviões são monoplanos. A asa é também onde geralmente se armazena o combustível necessário para o empuxo da aeronave. Não se deve confundir a asa com o aerofólio.
  • A presença de uma fuselagem (ou corpo principal):  em aeronaves menores, o combustível necessário para o empuxo da aeronave é acondicionado na parte traseira do seu corpo principal.
  • Um motor (propulsor) que serve para o empuxo da aeronave tanto no solo quanto no ar. Pode ser uma turbina ou um turbo-hélice. Os propulsores podem estar localizados sob ou sobre as asas e/ou na parte traseira ou frontal da fuselagem.
Partes móveis

  • Os ailerons estão localizados na asa da aeronave. Actuam sempre ao mesmo tempo, para inclinar o avião no seu eixo longitudinal, e assim o avião pode virar para esquerda ou para direita.
  • Leme: que se situa, na maioria dos aviões, na parte traseira da aeronave, também conhecida como cauda, é uma parte móvel da aeronave que serve, juntamente com os ailerons, para controlar a direcção da aeronave.
  • Os elevadores, por sua vez, estão localizados numa estrutura que parece um par de asas traseiras, mas que na verdade, possui a função oposta das asas. Esta estrutura, o aerofólio, serve como um contra-balanço da aeronave, dando equilíbrio à aeronave em voo.
  • Os profundores, localizados no aerofólio, permitem que o avião gire em seu eixo lateral, e assim possa subir ou descer.
  • Um trem de pouso (trem de aterragem, em Portugal) que permite que o avião transite em solo.
  • Flaps e alhetas, que mudam o perfil da asa do avião, ajudando na sustentabilidade e no controle da velocidade da aeronave no ar, ambas em operações de baixa velocidade (operações de pouso e descolagem, por exemplo).
Sustentação

Um avião alça voo devido a reacções aerodinâmicas que acontecem quando o ar passa em alta velocidade pela asa.

Quando o ar passa pela asa, é forçado a passar ou por baixo ou por cima desta. O comprimento da asa é maior na parte superior e, segundo as leis da aerodinâmica, o fluxo de ar torna-se mais rápido, para compensar a maior distância a ser tomada. Isto diminui sensivelmente a pressão do ar sobre a asa;  a diferença de pressão sob e sobre as asas cria a sustentação necessária para o voo.

Também actuam na sustentação, em muito menor escala, as leis da inércia, formuladas por Isaac Newton: uma força actuando numa dada direcção e num dado corpo tende a ser balanceado por outra força com mesma potência e de direcção oposta. Como as asas dos aviões tendem a fazer curva para baixo, é criado um fluxo de ar nesse sentido e, como consequência, o avião recebe um empuxo de mesma força no sentido oposto: para cima.

Os aviões necessitam de uma velocidade elevada para que a diferença entre a pressão do ar sob e sobre a asa seja suficiente para a sustentação da aeronave. Devido a essas altas velocidades, um avião precisa percorrer uma certa distância em solo, antes de alcançar a velocidade suficiente para a descolagem, o que justifica a necessidade de um terreno longo e plano para a atingir. Para aeronaves maiores e mais pesadas, maior terá de ser o comprimento da pista e a velocidade necessária para a descolagem, dado o maior esforço necessário.

Tipos de aviões

Aviões turbo-hélices

Os aviões turbo-hélices fazem uso de motores de combustão, que por sua vez, fazem girar uma hélice, que cria o empuxo necessário para a movimentação da aeronave para frente. São relativamente silenciosos, mas possuem velocidades, capacidade de carga e alcance menores do que os similares, a jacto.
Porém, são sensivelmente mais baratos e económicos do que os aviões a jacto, o que os torna a melhor opção para pessoas que desejem possuir um avião próprio ou para pequenas companhias de transporte de passageiros e/ou carga.

Aviões a jacto

Aviões a jacto fazem uso de turbinas para a criação da força necessária para a movimentação da aeronave para frente. Aviões a jacto possuem muito mais força e criam um empuxo muito maior do que aviões que fazem uso de turbo-hélices. Como consequência, podem carregar muito mais peso e possuem maior velocidade do que os turbo-hélices. Um problema, porém, é a grande quantidade de som criada por uma turbina; isto torna aviões a jacto uma fonte de poluição sonora.

Grandes widebodies ("corpos largos"), como o Airbus A340 e o Boeing 777, podem carregar centenas de passageiros e várias toneladas de carga, podendo percorrer uma distância de até 13 mil quilómetros - pouco mais que um quarto da circunferência terrestre.

Aviões a jacto possuem altas velocidades de cruzeiro (700 a 900 km/h) e velocidades de descolagem e pouso (150 a 250 km/h).
Numa operação de aterragem, devido à alta velocidade, o avião a jacto faz grande uso de flaps e alhetas nas asas para o controle de velocidade, e de reverse engine (a turbina gera um fluxo de ar para frente, e não para trás, como acontece habitualmente, com o intuito de diminuir a velocidade da aeronave) no pouso propriamente dito (aterragem).

Aviões super-sónicos

Aviões super-sónicos, como o Concorde  (que já não voa...)  e caças militares, fazem uso de turbinas especiais, que geram a maior potência necessária para o voo, mais rápido que a velocidade do som. Além disso, o desenho do avião super-sónico apresenta certas diferenças com o desenho em aviões sub-sónicos, tudo de modo a superar do modo mais fácil possível a barreira do som.

O voo em velocidade super-sónica cria muito mais poluição sonora do que o voo em velocidades sub-sónicas. Isto limita os voos super-sónicos a áreas de baixíssima ou nenhuma densidade populacional.
Quando passam em uma área de maior densidade populacional, os aviões super-sónicos são obrigados a voar em velocidade sub-sónica.

História

O sonho de voar remonta, para o Homem, desde a pré-história. Muitas lendas, crenças e mitos da antiguidade envolvem ou possuem factos relacionados com o voo, como a lenda grega de Ícaro. Leonardo da Vinci, entre outros inventores visionários, desenhou um avião, no século XV. Com o primeiro voo feito pelo homem (Francois Pilatre de Rozier e Francois d'Arlandes) numa aeronave mais leve que o ar, um balão, o maior desafio tornou-se na criação de uma máquina mais pesada do que o ar, capaz de alçar voo por meios próprios.

Anos de pesquisas por muitas pessoas ávidas do tão sonhado voo produziram resultados fracos e lentos, mas contínuos. Em 28 de Agosto de 1883, John J. Montgomery tornou-se a primeira pessoa a fazer um voo controlado em uma máquina mais pesada do que o ar, num planador. Outros aviadores que fizeram voos semelhantes naquela época foram Otto Lilienthal, Percy Pilcher e Octave Chanute.

No começo do século XX, o primeiro voo numa máquina mais pesada do que o ar, capaz de gerar a potência e sustentação necessária por si mesmo, foi realizada. Porém, isto é um facto polémico, em que um de dois aviadores são creditados:  o brasileiro Santos Dumont ou os irmãos norte-americanos Wilbur e Orville Wright.

Os irmãos Wright são creditados como os responsáveis pelo primeiro voo num avião, na maior parte do mundo, incluindo os Estados Unidos.
O primeiro voo dos irmãos foi realizado em 17 de Dezembro de 1903, em Kitty Hawk. Porém, críticos dos irmãos afirmam que este voo não teve testemunhas credíveis (4 salva-vidas e um garoto), dado o isolamento com que haviam sido feitos os testes. Outro facto mencionado é o uso de uma catapulta, para a descolagem da aeronave criada pelos irmãos, o Flyer.

Vários especialistas dão a Alberto Santos Dumont o crédito de ter sido a primeira pessoa a realizar um voo numa aeronave mais pesada do que o ar por meios próprios, dado que o Kitty Hawk dos irmãos Wright só deixou de necessitar de uma catapulta em 1908. O voo de Santos Dumont foi realizado no 14-Bis, em Paris, França. O voo não somente foi bem testemunhado por locais e pela imprensa, como foi verificado por vários aviadores e autoridades. Porém, Santos Dumont é creditado como a primeira pessoa a realizar um voo numa aeronave mais pesada do que o ar apenas no Brasil, e, em menor escala, na França e em Portugal, sendo isto matéria de debate até hoje.

Guerras na Europa, em especial, a primeira guerra mundial, serviram como palco de testes para o uso do avião como armamento. Primeiramente visto por generais e comandantes como um "brinquedo", o avião provou ser uma máquina de guerra capaz de causar sérios estragos nas linhas inimigas. Na primeira guerra, grandes ases surgiram, dos quais o maior foi o alemão Barão Vermelho. Do lado aliado, o ás com a maior quantidade de aeronaves abatidas foi René Fonck, da França.

Após a primeira guerra mundial, os aviões passaram por inúmeros avanços tecnológicos. Charles Lindbergh tornou-se a primeira pessoa a cruzar o Oceano Atlântico num voo solo sem escalas, em 20 de Maio de 1927. Os primeiros voos comerciais foram realizados entre os Estados Unidos e o Canadá, em 1919.
A turbina a jacto estava em desenvolvimento na década de 1930, sendo que aviões a jacto militares já estavam operacionais nos anos 40.

Os aviões desempenharam um papel fundamental na segunda guerra mundial, tendo presença, seja maioritária ou minoritária, em todas as batalhas mais importantes e conhecidas da guerra, especialmente no Ataque a Pearl Harbor, nas batalhas do Pacífico e no Dia D. Também constituíam parte essencial de várias das novas estratégias militares da época, como a Blitzkrieg alemã ou os Porta-aviões americanos e japoneses.

Em Outubro de 1947, Chuck Yeager, no seu Bell X-1, foi a primeira pessoa a ultrapassar a barreira do som. O recorde mundial de velocidade para um avião de asa fixa é de 7 297 km/h, Mach 6.1, da aeronave X-15.

Aviões, tanto militares quanto civis, continuaram a alimentar Berlim Ocidental com suprimentos, em 1948, quando o acesso a suprimentos via ferrovias e estradas à cidade, completamente cercada pela Alemanha Oriental, foi bloqueado, por ordem da União Soviética.

O primeiro jacto comercial, o De Havilland Comet, foi introduzido em 1952, e o primeiro jacto comercial de sucesso, o Boeing 707, ainda nos anos 50. O Boeing 707 iria desenvolver-se depois no Boeing 737, a linha de aviões de passageiros mais usada do mundo, no Boeing 727, outro avião de passageiros bastante usado, e no Boeing 747, o maior avião comercial do mundo até 2005, quando foi superado pelo Airbus A380.

Desenhando e construindo um avião

Pequenos aviões, para um ou no máximo dois passageiros, podem ser construídos em casa, por aviadores que possuem muito conhecimento técnico na área de física e aerodinâmica. Outros aviadores com menos conhecimentos fazem os seus aviões usando kits de pequenas aeronaves, com peças pré-fabricadas, e montando a aeronave em casa.

Aviões produzidos desta maneira, porém, são uma minoria. Dada a sua delicadeza, aviões que são construídos por companhias construtoras de aviões com o objectivo de os comercializar em quantidade para outros clientes precisam de passar por um processo minucioso e demorado de planeamento, por motivos de segurança impostos pela lei sobre a aviação do país da companhia construtora. Isto pode durar até 4 anos, em pequenos turbo-hélices, a 12 anos, em aviões com o porte do A380.

Neste processo, estabelecem-se em primeiro lugar os objectivos da aeronave. Uma vez completa, a empresa construtora usa um grande número de desenhos e equações, tudo calculado em teoria, estimando o comportamento da aeronave. Os computadores são actualmente muito utilizados por companhias construtoras de aviões como um meio de desenho e planeamento do avião. Pequenos protótipos, ou certas partes do avião são, então, testados em túneis de vento, para verificar a aerodinâmica da aeronave.

Quando o avião é aprovado neste processo, constrói-se um número limitado destes aviões, para a sua testagem como um todo no solo. Atenção especial é dada aos motores (ou turbinas) e às asas.

Depois de aprovado, pelo processo acima indicado, a companhia construtora é autorizada, por um órgão competente de aviação ou transportes em geral, a fazer um primeiro voo.
Quando o comportamento da aeronave não apresenta suspeitas de falhas, os voos-teste continuam até que o avião tenha cumprido todos os requisitos necessários. Então, o órgão público competente de aviação ou transportes do país, autoriza a companhia a produção em massa da aeronave.

Nos Estados Unidos, este órgão é a Federal Aviation Administration (FAA),  e na União Europeia, a Joint Aviation Authorities (JAA).  Estes dois são as companhias de regulamentação de aeronaves mais importantes do mundo. No Canadá, o órgão público encarregado de regulamentar e autorizar a produção em massa de aeronaves é o Departamento de Transportes do Canadá.

No caso do comércio internacional de aviões, uma licença do órgão público de aviação ou transportes do país onde a aeronave está a ser comercializada também é necessária. Por exemplo, aeronaves da Airbus precisam ser certificadas pela FAA para serem vendidas nos Estados Unidos e vice-versa, aeronaves da Boeing precisam ser aprovadas pela JAA para serem comercializadas na União Europeia.

Produção industrializada

São relativamente poucas as companhias que produzem aviões em larga escala. Porém, a produção de um avião por uma dada companhia é um processo que envolve outras dezenas, ou talvez centenas, de outras empresas e fábricas, que produzem partes determinadas da aeronave. Por exemplo, uma empresa pode ser responsável pela produção do trem de pouso, enquanto outra é responsável pelo radar. A produção de tais peças não se limita a apenas algumas cidades de um dado país; no caso de grandes companhias de fabricação de aeronaves, tais peças podem vir de diversas partes do mundo.

Uma vez fabricadas, as peças são enviadas para a fábrica principal da companhia aérea onde está localizada a linha de produção.  As diferentes peças juntam-se umas às outras, no final, produzindo a aeronave. No caso de grandes aviões, podem existir linhas de produção dedicadas especialmente à montagem de certas partes de grande porte da aeronave, como as asas e a fuselagem.

Quando pronto, um avião passa por uma rigorosa inspecção, em busca de falhas e defeitos e, sendo aprovado nesta inspecção, o avião é testado por um piloto, num voo-teste, de forma a assegurar que os controles da aeronave estão todos em ordem. Com este teste final, o avião está pronto para receber os "retoques finais" (configuração interna, pintura, etc.),  e pronto a ser enviado aos seus clientes.

Segurança

Estatísticas mostram que o risco de um acidente aéreo é muito pequeno. É mais provável sofrer um acidente indo até ao aeroporto de carro do que durante o voo. Por que, entretanto, tantas pessoas demonstram medo só de entrar num avião?  Talvez isso se deva ao facto de, no caso de um acidente, o risco de mortalidade em acidentes aéreos ser extremamente alto.

A maioria dos acidentes em aviões ocorre devido a falha humana, isto é, devido ao erro dos pilotos ou torre de controle. Em seguida, a falha mecânica é a maior causa de acidentes aéreos, que também pode envolver um componente humano (exemplo: negligência da companhia aérea em realizar a manutenção). Tempo adverso é a terceira maior causa de acidentes.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:15
Link do post | comentar
1 comentário:
De Anónimo a 28 de Julho de 2005 às 11:03
Amigo Filipe: Quem ler este artigo sobre aviões fica tão dentro do assunto que a direcção de Aeronáutica Civil "quase" que lhe poderia dar o brevet. Está tu...do... Mui...to.... bem.... ex...pli....ca..dinho. Parabéns. Cumprimentos. fbferto
</a>
(mailto:fb.fb@iol.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites