Sexta-feira, 2 de Setembro de 2005

Adolf Hitler

Adolf Hitler01.jpg


Adolf Hitler  (20 de Abril de 1889, Braunau am Inn, próximo a Linz, Áustria - 30 de Abril de 1945, Berlim)  foi o líder do Partido Nazista (em Portugal, Nazi)  e ditador alemão. Filho de um funcionário de alfândega de uma pequena cidade fronteiriça da Áustria-Hungria.
As suas teses racistas e
anti-semitas e os seus objectivos para a Alemanha ficaram patentes no seu livro de 1924, Mein Kampf (Minha luta). No período da sua ditadura os judeus e outros grupos minoritários considerados "indesejados", como ciganos e negros, são perseguidos e exterminados no que se convencionou chamar de Holocausto. Hitler seria derrotado apenas pela intervenção externa dos países aliados no prosseguimento da Segunda Guerra Mundial, que acarretou a morte de um total estimado de 50 milhões de pessoas. Cometeu o suicídio no seu Quartel-General (o Führerbunker) em Berlim, com o Exército Soviético a poucos quarteirões de distância. Hitler era canhoto (ou ambidestro segundo algumas fontes) era vegetariano
e falava um alemão com um sotaque típico dos subúrbios de Viena (Wiener Vorstadtdialekt).

A vergonha de Hitler

Hitler guardou sempre segredo sobre o período inicial da sua vida desde o nascimento até à entrada na política, a seguir à
Primeira Guerra Mundial
. "Vocês não podem saber de onde e de que família eu venho" disse ele, em 1930, a opositores políticos (citação Krockow). No verão de 1938, pouco depois da anexação da Áustria, Hitler ordenou a evacuação e destruição da aldeia de onde provinham os seus pais e avós, para ali instalar um campo de treino militar. Manifestamente, Hitler envergonhava-se das suas origens humildes, cristãs e pouco claras do ponto de vista étnico. Ainda para mais, fez muito pouco da sua vida até ao seu serviço militar. As suas declarações em "Mein Kampf", relativas à própria infância, serviram sobretudo a promoção pessoal e são, por isso, pouco confiáveis.

Infância e Juventude em Linz

Adolf Hitler nasceu a
20 de Abril de 1889 em Braunau-am-Inn, uma pequena cidade perto de Linz, na província da Alta-Áustria, próximo da fronteira alemã, no que a esta época era a Áustria-Hungria
.

O seu pai,
Alois Hitler
(1837-1903), era um funcionário da alfândega que tinha sido filho ilegítimo. Até aos seus 40 anos, o pai de Hitler, Alois, usou o apelido da sua mãe, Schicklgruber. Em 1876, Alois passou a empregar o nome do seu pai adoptivo, que era na sua origem 'Hiedler', ao pedir à Igreja que o declarasse como seu filho após a sua morte. Adolf Hitler chegou a ser acusado por inimigos políticos de não ser um Hitler mas sim um Schicklgruber.A mãe de Hitler, Klara Hitler (o nome de solteira era Klara Polzl), era a prima em segundo grau do seu pai. Ele trouxe-a para a sua casa para tomar conta dos seus filhos enquanto a sua outra mulher, que estava doente e prestes a morrer, estava a ser cuidada por outra pessoa. Após a morte de sua mulher, Alois casou com Klara depois de ter esperado meses por uma permissão especial da Igreja Católica, que quando chegou veio em bom tempo porque Klara já estava visivelmente grávida. No total Klara teve seis filhos de Alois. No entanto, apenas Adolf, que era o seu segundo filho, e sua irmã mais nova Paula, sobreviveram à infância.

Adolf era um rapaz inteligente mas mal humorado, reprovou por duas vezes no exame de admissão à escola secundária de Linz. Ali, ele ficou cativado pelas ideias do Pan-Germanismo ministradas nas aulas do seu professor Leopold Poetsch, um Anti-semita, que influenciou fortemente as visões deste jovem rapaz.

Hitler era devotado à sua complacente mãe e presumivelmente não gostava do seu pai, que era um disciplinador estrito. No seu livro "Mein Kampf", Hitler é respeitoso da figura de seu pai, mas não deixa de afirmar que teve discussões irreconciliáveis com ele acerca da firme decisão de Hitler de se tornar um artista. O seu pai opôs-se firmemente a tal carreira, preferindo que Hitler se tornasse um funcionário público.

Em Janeiro de 1903, Alois Hitler morreu, e em Dezembro de 1907 a sua viúva Klara morreu de cancro.

Viena

Com 18 anos de idade, Adolf era órfão e em breve partiu para Viena, onde tinha uma vaga esperança de se tornar um artista. Ele tinha direito a um subsídio para órfãos, que acabaria por perder em 1910.

Em 1907 fez exames de admissão à academia das artes de Viena, sem êxito. Nos anos seguintes permaneceu em Viena sem um emprego fixo, vivendo inicialmente do subsídio do apoio financeiro de sua tia Johanna Pölzl, de quem recebeu herança. Chegou mesmo a pernoitar num asilo para mendigos na zona de Meidling no Outono de 1909. Os outros mendigos deram-lhe a alcunha de "Ohm Krüger" (Sebastian Haffner). Teve depois a ideia de copiar postais e pintar paisagens de Viena, uma ocupação com a qual conseguiu financiar o aluguer de um apartamento, na Meldemannstrasse. Ele pintava cenas copiadas de postais e vendia-as a mercadores. Ele fazia-o simplesmente para ganhar dinheiro, e não considerava as suas pinturas uma forma de arte. Ao contrário do mito popular, ele fez uma boa vida como pintor, ganhando mais dinheiro do que se tivesse um emprego regular como empregado bancário ou professor do liceu, e tendo de trabalhar menos horas. Durante o seu tempo livre ele frequentou a ópera de Viena, especialmente para assistir a óperas da mitologia norueguesa de Richard Wagner, óperas que mais tarde viria a financiar. Também dedicou muito tempo à leitura.

Foi em Viena que Hitler se começou a perfilar como um activo Anti-semita, uma paixão que governaria a sua vida e que foi a chave das suas acções subsequentes. O Anti-semitismo estava profundamente enraizado na cultura católica do sul da Alemanha e na Áustria, onde Hitler cresceu. Viena tinha uma larga comunidade judaica, incluindo muitos Judeus Ortodoxos da Europa de Leste. O termo Anti-Semitismo foi cunhado especificamente para se referir à hostilidade relativa a Judeus.

Hitler tomou aqui contacto com os judeus ortodoxos, que, ao contrário dos judeus de Linz, distinguem-se pelas suas vestes. Intrigado, "procurou informar-se sobre os judeus através da leitura", tendo comprado em Viena os primeiros panfletos abertamente anti-semitas que leu na vida, como ele relata em Mein Kampf.

Em Viena, o Anti-semitismo tinha-se desenvolvido das suas origens religiosas numa doutrina política, promovida por pessoas como Jörg Lanz von Liebenfels, cujos panfletos Hitler leu, e políticos como Karl Lueger, o presidente da câmara de Viena, e Georg Ritter von Schönerer, que contribuiu para o aspecto racial do Anti-Semitismo. Deles, Hitler adquiriu a crença na superioridade da "Raça Ariana" que formava a base das suas visões políticas. Hitler acreditava que os judeus eram os inimigos naturais dos "Arianos" e eram responsáveis pelos problemas económicos alemães.

Como Hitler relata em Mein Kampf, foi também em Viena que tomou contacto com a doutrina Marxista, tendo "aprendido a lidar com a dialéctica deles", na discussão com marxistas, "incorporando-a para os meus fins".

Munique, a Primeira Guerra Mundial e o Putsch da Cervejaria

Em 1913, Hitler mudou-se para Munique para fugir ao serviço militar no exército Austro-Húngaro. O seu desejo de se afastar do império multi-étnico Austro-Húngaro e viver num país "racialmente" mais homogéneo como a Alemanha também foi um factor importante para esta decisão.

Pouco depois foi preso e o exército Austríaco obrigou-o a fazer um exame físico. Foi dado como incapaz para o serviço militar e permitiram-lhe que regressasse a Munique, onde prosseguiu a sua actividade de pintor, vendendo por vezes os seus quadros pela rua.
Mas em Agosto de 1914, quando a Alemanha entrou na Primeira Guerra Mundial, ele alistou-se imediatamente no exército bávaro. Serviu na França e Bélgica como mensageiro, uma posição muito perigosa, que envolvia exposição a fogo inimigo, em vez de ficar protegido numa trincheira. A folha de serviço de Hitler foi exemplar mas nunca foi promovido além de cabo, por razões que se desconhecem. Mais uma humilhação na sua vida. O seu cargo é baixo e reflecte a sua posição na sociedade quando entrou para o exército. Não estava autorizado a comandar qualquer agrupamento de soldados, por mais pequeno que fosse. Foi citado duas vezes por coragem em acção. A primeira medalha que recebeu foi uma Cruz de Ferro de Segunda Classe em Dezembro de 1914. Depois, em Agosto de 1918, ele recebeu a Cruz de Ferro de Primeira Classe, uma distinção que raramente é atribuída a não oficiais.

Durante a guerra, Hitler adquiriu um patriotismo alemão apaixonado, apesar de não ser cidadão Alemão, um detalhe que ele não rectificaria antes de 1932. Ele ficou chocado pela capitulação da Alemanha de Novembro de 1918, acreditando que o exército alemão não tinha sido derrotado. Como muitos outros nacionalistas alemães, ele culpou os políticos civis (os "criminosos de Novembro")  pela capitulação.

Após a Primeira Guerra Mundial, Hitler permaneceu no exército, que estava agora activo na supressão de revoltas socialistas que surgiram pela Alemanha, incluindo Munique, aonde Hitler regressou em 1919.

Recebendo um salário baixo, Hitler continua ligado ao exército, o que não é surpreendente, dado não possuir qualquer qualificação. Fez parte dos cursos de "pensamento nacional" organizados pelos departamentos da Educação e propaganda (Dept Ib/P) do grupo da Reichswehr da Baviera, Quartel-general número 4, sob o comando do capitão Mayr. Um dos principais objectivos deste grupo era criar um bode expiatório para os resultados da Guerra e a derrota da Alemanha. Este bode expiatório foi encontrado no "judaísmo internacional", nos comunistas, e nos políticos de todos os sectores.

Para Hitler, que tinha vivido os horrores da guerra, a questão da culpa era essencial. Já influenciado pela ideologia anti-semita, ele acreditou avidamente na responsabilidade dos judeus e em breve se tornou num propagador eficiente da propaganda concebida por Mayr e os seus superiores. Em Julho de 1919, Hitler, por causa da sua inteligência e dotes oratórios, foi nomeado líder e elemento de ligação (V-Mann) do "comando de esclarecimento" com o objectivo de influenciar outros soldados com as mesmas ideias.

Ele foi então designado pelos quartel-general para se infiltrar num pequeno partido nacionalista, o Partido dos Trabalhadores Alemães. Hitler aderiu ao partido recebendo o número de membro 555 (a numeração começara em 500 para dar a impressão de que o partido tinha uma dimensão maior do que a verdadeira) em Setembro de 1919. Foi aqui que Hitler conheceu entre outros, Dietrich Eckart, um Anti-semita e um dos primeiros membros do partido. Tornou-se rapidamente chefe do partido, rebaptizado "Partido Nacional-Socialista Alemão do Trabalhador" (NSDAP).

No mesmo mês (Setembro de 1919), Hitler escreveu aquele que é geralmente tido como o seu primeiro texto anti-semítico, um "relatório sobre o Anti-Semitismo" requerido por Mayr para um tal de Adolf Gemlich, que participara nos mesmos "cursos educacionais" em que Hitler tinha participado. Neste relatório ao seu superior, Hitler fez a apologia de um "Anti-semitismo racional" que não recorreria aos pogroms,
mas que "lutaria de forma legal para remover os privilégios gozados pelos judeus em relação a outros estrangeiros vivendo entre nós. O seu objectivo final, no entanto, deverá ser a remoção irrevogável dos próprios judeus".

Pogroms - palavra de origem russa Pogrom - denomina um ataque violento massivo a pessoas, com a destruição simultânea do seu ambiente (casas, negócios, centros religiosos). Historicamente, o termo tem sido usado para denominar actos massivos de violência, espontânea ou premeditada, contra Judeus e outras minorias étnicas da Europa.

Certamente todos compreenderam na altura que Hitler apelava à expulsão forçada, se o próprio Hitler assim o entendeu é menos claro, dado o genocídio que Hitler ordenaria 22 anos depois.

Hitler não seria libertado do exército antes de 1920, após o que ele começou a participar plenamente nas actividades do partido. Em breve se tornaria líder do partido e mudou o seu nome para Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei - NSDAP (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães), normalmente conhecido como partido Nazi, ou Nazista, que vem das palavras "National Sozialistische", em contraste com os Sozi, um termo usado para descrever os sociais democratas. O partido adoptou a suástica (supostamente um símbolo do "Arianismo")  e a saudação romana, também usada pelos fascistas italianos.
Serviu-se depois do apoio da SA, uma milícia para-militar de homens em camisa castanha que vagueavam pelas ruas atacando esquerdistas e minorias religiosas e gritando slogans de propaganda, que criou em 1921, para criar um ambiente de apoio popular. Por volta de 1923 conheceu Julius Streicher, o editor de um jornal violentamente Anti-semita chamado Der Stürmer, que apoiaria a sua propaganda de promoção pessoal e de ódio anti-semita.

O partido Nazi era nesta altura constituído por um pequeno número de extremistas de Munique. Mas Hitler em breve descobriu que tinha dois talentos: o da oratória pública e o de inspirar lealdade pessoal. Oratória de esquina, atacando os judeus, os socialistas e os liberais, os capitalistas e os comunistas, começou a atrair simpatizantes. Alguns dos seguidores desde o início foram Rudolf Hess, Hermann Göring e Ernst Röhm, o líder da SA. Outro admirador foi o Marechal de campo Erich Ludendorff.

Hitler decidiu usar Ludendorff como testa de ferro numa tentativa em 1923 de se apoderar do poder em Munique no chamado Putsch da Cervejaria em 8 de Novembro de 1923, no qual os Nazis marcharam desde uma cervejaria de Munique para o Ministério da Guerra Bávaro (Munique é a capital da Baviera), tencionando derrubar o governo de direita separatista da Baviera e depois marchar para Berlim. Foram rapidamente dispersados pelo exército e Hitler foi preso. Temendo que alguns membros "esquerdistas" do partido pudessem tentar apoderar-se da liderança do partido durante a sua prisão, Hitler rapidamente nomeou Alfred Rosenberg
como líder temporário.

A obra de Hitler: Mein Kampf

Hitler foi julgado por alta traição e usou o seu julgamento como uma oportunidade de espalhar a sua mensagem por toda a Alemanha. Em Abril de 1924 ele foi condenado a 5 anos de prisão (acabaria por ser amnistiado passados pouco mais de 6 meses) no estabelecimento prisional de Landsberg. Ali, ele ditou um livro chamado "Mein Kampf" (Minha Luta) ao seu fiel ajudante
Rudolf Hess
. O livro foi escrito entre 1923 e 1924 na prisão e mais tarde numa taverna.

Ler o "Mein Kampf" é como ouvir Hitler falar longamente sobre a sua juventude, os primeiros dias do partido nazi, planos futuros para a Alemanha e ideia sobre política e raça. O título originalmente escolhido por Hitler era "Quatro anos e meio de luta contra mentiras, estupidez e cobardice". O seu editor nazi aconselhou-o a encurtar para "Mein Kampf", simplesmente a minha luta ou a minha batalha.

Na sua escrita, Hitler anunciou o seu ódio contra aquilo que ele via como os dois males gémeos do mundo:
Comunismo e Judaísmo, e declarou que o seu objectivo era erradicar ambos da face da terra. Ele anunciou que a Alemanha necessitava de obter novo terreno que chamou de "Lebensraum" (espaço vital) que iria nutrir apropriadamente o "destino histórico" do povo Alemão; este objectivo explica porque Hitler invadiu a Europa, a Leste e a Oeste, antes de lançar o ataque contra a Rússia. Hitler apresentou-se em "Mein Kampf" como o "Übermensch", ou "Sobrehomem", de que falava Friedrich Nietzsche
nos seus escritos, especialmente no seu livro, "Assim Falou Zaratustra". Uma vez que Hitler culpava o presente governo parlamentar por muitos dos males pelos quais ele se encolerizava, ele anunciou que iria destruir completamente esse tipo de governo. É em "Mein Kampf" que se pode descobrir a verdadeira natureza do carácter de Hitler. Ele divide os humanos com base em atributos físicos. Hitler afirma que os "arianos" alemães de cabelo loiro e olhos azuis estavam no topo da hierarquia, e confere o fundo da pirâmide aos judeus, polacos, russos, checos e ciganos. Segundo ele, aqueles povos beneficiam pela aprendizagem com os superiores arianos. Hitler também afirma que os judeus estão a conspirar para evitar que a raça ariana se imponha ao Mundo como é seu direito, ao diluir a sua pureza racial e cultural e ao convencer os Arianos a acreditar na igualdade em vez da superioridade e inferioridade. Ele descreve a luta pela dominação do mundo como uma batalha racial, cultural e política em curso entre arianos e judeus. A suposta luta pela dominação mundial entre estas duas etnias foi aceita pela população quando Hitler chegou ao poder.

Ascensão ao poder

Após a sua prisão devido ao comando do
Putsch da Cervejaria,
Hitler foi considerado relativamente inofensivo e amnistiado, sendo libertado da prisão em Dezembro de 1924. Por este tempo, o partido nazista mal existia e Hitler necessitaria de um grande esforço para o reconstruir.

Nestes anos, ele fundou um grupo que mais tarde se tornaria um dos seus instrumentos fundamentais na persecução dos seus objectivos. Uma vez que o Sturmabteilung ("Tropas de choque" ou SA), de Röhm, não eram confiáveis, e formavam uma base separada de poder dentro do partido, ele estabeleceu uma guarda de sua defesa pessoal, a
Schutzstaffel ("Unidade de Protecção" ou SS). Esta elite de tropas em uniforme preto seria comandada por Heinrich Himmler
, que se tornaria no principal executor dos seus planos relativamente à "Questão Judia" durante a Segunda Guerra Mundial.

Criou também numerosas organizações de filiação (Juventudes Hitleristas, associações de mulheres, etc.). O Partido
nazi teve em 1929 uma progressão semelhante à do partido fascista de Benito Mussolini, beneficiando-se do mal-estar económico, político e social decorrente da derrota de 1918 e, depois, da crise de 1929
.

Um elemento vital do apelo de Hitler era o sentimento de orgulho nacional ofendido pelo
Tratado de Versalhes imposto ao Império Alemão pelos aliados. O Império Alemão perdeu território para a França, Polónia, Bélgica e Dinamarca e teve de admitir a responsabilidade única pela guerra, desistir das suas colónias e da sua marinha e pagar uma grande soma em reparações de guerra, um total de $6.600.000 (32 biliões de marcos). Uma vez que a maioria dos alemães não acreditava que o Império Alemão tivesse começado a guerra e não acreditava que havia sido derrotado, eles ressentiam-se destes termos amargamente. Apesar das tentativas iniciais do partido de ganhar votos culpabilizando o "judaísmo internacional" por todas estas humilhações não terem sido particularmente bem sucedidas com o eleitorado, a máquina do partido aprendeu rapidamente e em breve criou propaganda mais subtil - que combinava o Anti-semitismo com um ardente ataque aos falhanços do "sistema Weimar" (a República de Weimar
) e os partidos que o suportavam. Esta estratégia começou a dar resultados.

Uma propaganda demagógica, que explorava habilmente essas frustrações e o sentimento anti-semita generalizado da sociedade alemã da época, apresentando os judeus como bode expiatório dos problemas sociais, permitiu aos nazistas implantarem-se na classe média e entre os operários, ao mesmo tempo em que o abandono do programa social inicial lhes trazia o apoio da classe dirigente e dos meios industriais.

O ponto de viragem em benefício de Hitler veio com a Grande Depressão que atingiu a Alemanha em 1930. O regime democrático estabelecido na Alemanha em 1919, a chamada
República de Weimar, nunca tinha sido genuinamente aceite pelos conservadores e tinha a oposição aberta dos fascistas
.

Os sociais democratas e os partidos tradicionais de centro e direita eram incapazes de lidar com o choque da depressão e estavam envolvidos no sistema de Weimar. As eleições de Setembro de 1930 foram uma vitória para o partido Nazi, que de repente se levantou da obscuridade para ganhar mais de 18% dos votos e 107 lugares no "
Reichstag" (parlamento alemão), tornando-se o segundo maior partido. A sua subida foi ajudada pelo império dos mídia controlado por Alfred Hugenberg
, de direita.

Hitler ganhou sobretudo votos entre a classe média alemã, que tinha sido atingida pela inflação dos anos 20 e o desemprego oriundo da grande depressão. Agricultores e veteranos de guerra foram outros grupos que apoiaram em especial os nazistas. As classes trabalhadoras urbanas ignoraram geralmente os apelos de Hitler, em especial nas cidades de Berlim e Bacia do
Ruhr
(norte da Alemanha protestante) eram particularmente hostis.

A eleição de 1930 foi um desastre para o governo de centro-direita de Heinrich Brüning, que estava agora impossibilitado de obter qualquer maioria no Reichstag, e teve de contar com a tolerância dos sociais democratas (esquerda) e o uso de poderes presidenciais de emergência para permanecer no poder. Com as medidas de austeridade de Brüning mostrando pouco sucesso face aos efeitos da depressão, o governo teve receio das eleições presidenciais de 1932 e procurou obter o apoio dos nazis para a extensão do termo presidencial de
Paul von Hindenburg
, mas Hitler recusou qualquer acordo, e acabou por competir com Hindenburg na eleição presidencial, obtendo o segundo lugar na primeira e segunda fases da eleição, e obtendo mais de 35% dos votos na segunda fase, em Abril, apesar das tentativas do ministro do interior Wilhelm Gröner e do governo social-democrata prussiano para restringir as actividades públicas nazistas, incluindo notoriamente a proibição das SA.

Os embaraços da eleição puseram fim à tolerância de Hindenburg para com Brüning, e o velho Marechal de Campo demitiu o governo, nomeando um novo governo sob o comando do reaccionário
Franz von Papen
, que imediatamente revogou a proibição das SA e convocou novas eleições do Reichstag.
Nas eleições de Julho de 1932, os nazistas tiveram o seu melhor resultado até então, obtendo 230 lugares no Parlamento e tornando-se o maior partido alemão. Uma vez que nazistas e comunistas detinham a maioria do Reichstag, a formação de um governo estável de partidos do centro era impossível e no seguimento do voto de desconfiança no governo Papen, apoiado por 84% dos deputados, o parlamento recém-eleito foi dissolvido e foram convocadas novas eleições.

Papen e o Partido do Centro tentaram agora abrir negociações assegurando a participação no governo, mas Hitler fez grandes exigências, incluindo o posto de Chanceler e o acordo do presidente para poder usar poderes de emergência de acordo com o artigo 48 da Constituição de
Weimar. Este falhanço em formar um governo, juntamente com os esforços dos Nazis de ganhar o apoio da classe trabalhadora, alienaram parte do apoio de prévios votantes, de modo que nas eleições de Novembro de 1931, o partido nazista perdeu votos, apesar de se manter como o maior partido do Reichstag
.

Uma vez que Papen falhara na sua tentativa de assegurar uma maioria através da negociação e trazer os nazistas para o governo, Hindenburg demitiu-o e nomeou para o seu lugar o General Kurt von Schleicher, desde há muito uma figura influente e que recentemente ocupava o cargo de Ministro da Defesa, que prometeu assegurar um governo maioritário com negociações quer com os sindicatos sociais democratas quer com os dissidentes da facção nazi liderada por Gregor Strasser.

Enquanto Schleicher procurava realizar a sua difícil missão, Papen e Alfred Hugenberg, que era também presidente do partido nacional do povo alemão (DNVP), o maior partido de direita da Alemanha antes da ascensão de Hitler, conspiravam agora para convencer Hindenburg a nomear Hitler Chanceler numa coligação com o DNVP, prometendo que eles o iriam controlar. Quando Schleicher foi forçado a admitir o falhanço dos seus esforços, e pediu a Hindenburg para dissolver novamente o Reichstag, Hindenburg demitiu-o e colocou o plano de Papen em execução, nomeando Hitler Chanceler com Papen como Vice-Chanceler e Hugenberg como Ministro das Finanças, num gabinete que ainda só incluía três Nazis - Hitler, Göring e Wilhelm Frick. A 30 de Janeiro de 1933, Adolf Hitler prestou juramento oficial como Chanceler na Câmara do Reichstag, perante o aplauso de milhares de simpatizantes nazistas.

Mas Hitler ainda não tinha cativado definitivamente a nação. Ele foi feito Chanceler numa designação legal pelo presidente Hindenburg, o que foi uma ironia da história, uma vez que os partidos do centro tinham apoiado o presidente Hindenburg por ele ser a única alternativa viável a Hitler, não prevendo que seria Hindenburg que iria trazer o fim da República.

Mas nem o próprio Hitler nem o seu partido obtiveram alguma vez uma maioria absoluta. Nas últimas eleições livres, os nazis obtiveram 33% dos votos, ganhando 196 lugares em 584. Mesmo nas eleições de Março de 1933, que tiveram lugar após o terror e violência terem varrido o Estado, os nazis obtiveram 44% dos votos. O partido obteve o controle de uma maioria de lugares no Reichstag através de uma coligação formal com o DNVP. No fim, os votos adicionais necessários para propugnar a lei de aprovação do governo, que deu a Hitler a autoridade ditatorial, foram assegurados pelos nazistas pela expulsão de deputados comunistas e intimidando ministros dos partidos do centro. Numa série de decretos que se seguiram pouco depois, outros partidos foram suprimidos e toda a oposição foi proibida. Em poucos meses, Hitler tinha adquirido o controle autoritário do país e enterrou definitivamente os últimos vestígios de democracia.

Regime Nazi

Após ter assegurado o poder político sem ter ganho o apoio da maioria dos Alemães, Hitler tratou de o conseguir, e na verdade, Hitler permaneceu fortemente popular até ao fim do seu regime. Com a sua oratória e com todos os meios de comunicação alemães sob o controlo do seu chefe de propaganda, o
Dr. Joseph Goebbels
, ele conseguiu convencer a maioria dos Alemães de que ele era o salvador da Depressão, dos Comunistas, do tratado de Versalhes, e dos judeus.

Para todos aqueles que não ficaram convencidos, as
SA, a SS e Gestapo (Polícia secreta do Estado) tinham mãos livres, e milhares desapareceram em campos de concentração como o Campo de Concentração de Dachau
, perto de Munique, criado em 1933, o primeiro de todos e um modelo para os demais. Muitos milhares de pessoas emigraram, incluindo cerca da metade dos Judeus, que fugiram sobretudo para a Inglaterra, Palestina e EUA.

Na noite de 29 para 30 de Junho de 1934, a chamada "Noite das facas longas", Hitler autorizou a acção contra Röhm, o líder das SA, que acabaria por ser assassinado. Himmler tinha conspirado contra Röhm, apresentando a Hitler "provas" manipuladas de que Röhm planeava o assassínio de Hitler.

A
2 de Agosto de 1934, Hindenburg morre. Hitler apodera-se do seu lugar, fundindo as funções de Presidente e de Chanceler, passando a se auto-intitular de Líder (Führer) da Alemanha e requerendo um juramento de lealdade a cada membro das forças armadas. Esta fusão dos cargos, aprovada pelo parlamento poucas horas depois da morte de Hindenburg, foi mais tarde confirmada pela maioria de 89.9% do eleitorado no plebiscito de 19 de Agosto de 1934
.

Os judeus que até aqui não tinham emigrado iriam em breve arrepender-se da sua hesitação. Com as Leis de Nuremberga de 1935, eles perderam o seu estatuto de cidadãos alemães e foram banidos de quaisquer lugares na função pública, de exercer profissões ou de tomar parte na actividade económica. Foram acrescidamente sujeitos a uma nova e violenta onda de propaganda odiosa. Poucos não-judeus alemães objectaram estas medidas. As Igrejas Cristãs, elas próprias impregnadas de séculos de Anti-semitismo, permaneceram silenciosas. Estas restrições foram mais tarde apertadas mais estritamente, particularmente após a operação anti-semita de 1938 conhecida como
Kristallnacht
.

A partir de 1941, os Judeus foram obrigados a usar a estrela amarela em público. Entre Novembro de 1938 e Setembro de 1939, mais de 180.000 judeus fugiram da Alemanha; os Nazis confiscaram toda a propriedade que ficara para trás.

Economia

Nesta altura, sob o controle ditatorial, Hitler deu início a grandes mudanças económicas. Há uma certa controvérsia sobre os aspectos económicos do governo de Hitler, pois nem todas as suas medidas foram saudáveis a médio e longo prazo. As políticas económicas do governo de Bruning, cautelosas e fiscalistas, vinham sanando as
finanças e organizando o Estado alemão nesse aspecto. Hitler, ao contrário, pôs em prática um largo programa de intervencionismo económico, baseado no keynesianismo
, embora se distanciasse deste em muitos pontos.

O
desemprego na Alemanha de 1933 era de aproximadamente 6 milhões. Esse número diminuiu para 300.000 em 1939
. Essa diminuição fabulosa, no entanto, ocorreu por diversos motivos, como alterações estatísticas e projectos governamentais:



  • As mulheres deixaram de ser contadas como desempregadas a partir de 1933
  • Judeus, a partir de 1935, perderam a condição de cidadãos do Reich, não contando mais como desempregados
  • Mulheres jovens que se casavam eram excluídas dos cálculos.
  • Ao desempregado eram dadas duas opções: ou trabalhar para o governo sob baixíssimos salários ou permanecer segregado da esfera governamental, longe de todas as suas obrigações, mas também vantagens, como saúde, lazer, etc.
  • As convocações para o exército começaram a acelerar-se. Até 1939, 1,4 milhões de alemães haviam sido convocados. Para armar esse contingente, a produção industrial aumentou e a procura por mão-de-obra aumentou também.
  • Criação da Frente Alemã de Trabalho, dirigida por Robert Ley, que pôs em prática programas governamentais de trabalho que absorveram boa parte da mão-de-obra disponível, ora empregando-a no melhoramento da infra-estrutura do país, ora nas indústrias e na produção bélica.
Essa medidas ocorreram à custa de pesadíssimos investimentos por parte do Estado, comprometendo a longo prazo as finanças. O que se viu, em consequência disso, foi um défice crescente. De 1928 até 1939, a arrecadação do Estado havia subido de 10 biliões de Reichsmarks para 15 biliões, no entanto os gastos, no mesmo período, subiram de 12 biliões de Reichsmarks para 30 biliões. Em 1939, o défice acumulado era de 40 biliões de Reichsmarks.

A
inflação, nesse período, cresceu tanto que em 1936
foi decretado o congelamento de preços. O governo alemão foi incapaz de lidar com o controle de preços e sua interferência constante apenas engessou a economia e dificultou o aumento gradual e equilibrado da produção. A partir de 1936, o dirigismo económico passou, gradualmente, a substituir a adaptação automática da produção pelo mercado, de maneira que a regulamentação económica passou a ser maior.

Deve-se entender, é claro, que para Hitler, que era completamente ignorante em Teoria Económica - assunto este que o entediava profundamente - política fiscal e monetária só faziam sentido em função das necessidades de rearmamento da Alemanha e como parte de um projecto político que, a médio prazo, previa nada menos do que a hegemonia alemã na Europa continental e a colonização da Rússia, através de mecanismos de espoliação que garantiriam à Alemanha o aceso a matérias-primas a preço vil e mão-de-obra escrava.

Política

Em Março de 1935 Hitler repudiou abertamente o Tratado de Versalhes ao reintroduzir o serviço militar obrigatório na Alemanha. O seu objectivo seria construir uma enorme maquinaria militar, incluindo uma nova marinha e força aérea (a Luftwaffe). Esta última seria colocada sob o comando de Göring, um comandante veterano da Primeira Guerra Mundial. O alistamento em grandes números pareceu resolver o problema do desemprego mas também distorceu a economia.

É por esta altura, em 1936 que, nas Olimpíadas de Berlim, um afro-americano (
Jesse Owens
) venceu em várias modalidades, o que contradizia na prática a propaganda à raça Ariana preconizada por Hitler para estes jogos.

Em Março de 1936 ele volta a violar o Tratado de Versalhes ao reocupar a zona desmilitarizada na Renânia (zona do Rio Reno). Ingleses e Franceses não fizeram nada, o que o encorajou. Em Julho de 1936, a
Guerra Civil Espanhola começou, com a rebelião dos militares, liderados pelo General Francisco Franco, contra o governo democraticamente eleito da Frente Popular. Uma rebelião que contou com o apoio do Vaticano. Hitler enviou tropas em apoio de Franco. A Espanha tornou-se também num campo de teste para as novas tecnologias e métodos militares desenvolvidos na Alemanha. Em Abril de 1937, os aviões alemães da Legião Condor bombardeiam e destroem pela primeira vez na história uma cidade a partir do ar. Foi a cidade de Guernica
, na província espanhola do País Basco.

A 25 de Outubro de 1936, Hitler assinou uma aliança com o ditador italiano
fascista Benito Mussolini. Esta aliança seria mais tarde expandida para incluir
também o Japão, Hungria, Roménia e Bulgária, bloco que se tornou conhecido como as potências do eixo.

A 5 de Novembro de 1937, na Chancelaria do Reich, Adolf Hitler presidiu a um encontro secreto onde discutiu os seus planos para adquirir o "espaço vital" ao povo alemão.

A 12 de Março de 1938, Hitler pressionou a sua Áustria nativa à unificação com a Alemanha (o chamado "
Anschluss
"). As suas tropas entraram na Áustria e Hitler fez um discurso triunfal em Viena na "Heldenplatz" (Praça dos Heróis) onde foi saudado efusivamente por uma multidão de Austríacos simpatizantes, muitos deles fazendo a saudação romana adoptada pelos nazistas.

O próximo passo seria a intensificação da crise com a zona dos Sudetas, de língua alemã, situada na
Checoslováquia. Isto levou ao acordo de Munique
de Setembro de 1938 onde a Inglaterra (Chamberlain assinou o pacto, propondo ainda uma política de contenção)  e a França de forma fraca deram vazão às exigências de Hitler, procurando evitar a Guerra com Hitler, mas entregando-lhe a Checoslováquia.

No seguimento do
acordo de Munique, Hitler foi designado como Homem do Ano de 1938. Foi também alegado que a autora de origem judaica Gertrude Stein defendeu nesse ano a entrega do Prémio Nobel da Paz a Hitler. A 10 de Março de 1939, Hitler ordenou a entrada do exército alemão em Praga
.

Nesta altura, os ingleses e franceses perceberam finalmente que deveriam resistir. Resistiram às próximas exigências de Hitler, que diziam agora respeito à
Polónia
. Hitler pretendia o regresso dos territórios cedidos à Polónia pelo Tratado de Versalhes.

As potências ocidentais não aceitaram as exigências de Hitler mas não conseguiram chegar a um acordo com a
União Soviética para uma aliança contra a Alemanha e Hitler manobrou para uma posição de força. A 23 de Agosto de 1939, Hitler concluiu uma aliança (o pacto Molotov-Ribbentrop) com Stalin. A 1 de Setembro de 1939, a Alemanha invade a Polónia. A Inglaterra e a França reagem desta vez, decretando a Guerra à Alemanha. A Segunda Guerra Mundial
estava a começar.

Segunda Guerra Mundial: Vitórias iniciais

Nos três anos seguintes, Hitler conheceria uma série quase inabalada de sucessos militares. A Polónia foi rapidamente derrotada e dividida com os soviéticos. Em Abril de
1940, a Alemanha invadiu a Dinamarca e a Noruega. Em Maio, a Alemanha iniciou uma ofensiva relâmpago, conhecida por "Blitzkrieg", que rapidamente ocupou a Holanda, Bélgica, Luxemburgo e França, (esta última capitulou em seis semanas). Nesta altura, Aristides Sousa Mendes era o cônsul de Portugal em Bordéus e salvou a vida a dezenas de milhares de refugiados, muitos dos quais judeus e que assim se salvaram do Holocausto. Contra as instruções expressas de Salazar
, Aristides concedeu vistos de entrada para Portugal aos refugiados que o procuravam.

Em Abril de 1941, a
Jugoslávia e a Grécia
foram invadidas por exércitos alemães. Forças ítalo-alemãs avançavam também pelo norte de África em direcção ao Egipto.
Estas invasões foram acompanhadas do bombardeamento de cidades indefesas tais como Varsóvia, Roterdão e Belgrado.

A única derrota de Hitler nesta fase foi o falhanço do seu plano de bombardear e posteriormente invadir a Inglaterra. A Força Aérea Inglesa (RAF) acabaria por vencer no ar a
Batalha de Inglaterra
. A incapacidade de adquirir superioridade nos céus britânicos significou que a operação "Sealion", o plano de invadir a Grã-Bretanha, foi cancelada.

A 22 de Junho de 1941 foi desencadeada a
Operação Barbarossa. As forças de Hitler invadiram a União Soviética, rapidamente se apoderando da terça-parte da Rússia Europeia, cercando Leningrad e ameaçando Moscovo. No Inverno, os exércitos alemães foram detidos às portas de Moscovo, mas no Verão seguinte, a ofensiva continuou. Em Julho de 1942, os exércitos de Hitler chegavam ao Volga. Aqui, eles foram derrotados em 2 de Fevereiro de 1943 na Batalha de Stalinegrado
, a primeira grande derrota alemã na Guerra e que se tornaria o marco decisivo do início da derrota do III Reich.

No norte de África, os ingleses derrotaram os alemães na
batalha de El Alamein, destroçando o plano de Hitler de se apoderar do Canal do Suez e do Médio Oriente
.

A derrota

A partir de 1943, no entanto, a derrota alemã tornou-se inexorável e o atentado de Julho de 1944 contra Hitler revelou a força da oposição interna. Após uma última derrota (ofensiva das Ardenas, em Dezembro de 1944), Hitler refugiou-se num bunker na cidade de
Berlim, onde mais tarde se suicidaria em 30 de Abril de 1945
.

Uma maioria esmagadora dos relatos históricos sustenta a tese do suicídio de Hitler. No entanto, existem rumores na América Latina segundo os quais Hitler teria fugido para um país da
América do Sul onde teria morrido com uma doença incurável, tendo sido um sósia a morrer no bunker em Berlim. O mesmo teria acontecido com Eva Braun, sua noiva, com quem teria casado pouco antes do suicídio. Segundo alguns historiadores, Braun teria casado com ele somente depois de jurar "fidelidade" e prometer que se mataria junto com ele. Os seus corpos não foram encontrados, ele teria mandado a sua guarda cremá-los, talvez para que não houvesse nenhum modo de o inimigo torturá-lo, nem após a sua morte.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Publicado por: Praia da Claridade às 00:12
Link do post | comentar
2 comentários:
De Anónimo a 3 de Setembro de 2005 às 03:11
Ó Amigo Acácio Simões: É bom que as pessoas leiam o artigo completo, para que não se esqueçam quem foi Adolf Hitler !.... Há mesmo quem saiba pouco sobre este assunto... Eu próprio fiquei a saber mais !... Um Abraço.Filipe Freitas
(http://topazio1950.blogs.sapo.pt)
(mailto:aviador51@iol.pt)


De Anónimo a 2 de Setembro de 2005 às 23:56
É pá:
tira-me esse gajo da frente !
Um abração
pró
Filipãoacácio simões
(http://atonito.blogspot.com/)
(mailto:acacio.luis.simoes@iol.pt)


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites