Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2006

D. Manuel I, rei de Portugal

 
D. Manuel I, rei de Portugal

 
Iluminura do periodo manuelino,
Iluminura do periodo manuelino, "Livro 3 Místicos"

 
 
 
 

D. Manuel I, 14º Rei de Portugal, nasceu em Alcochete a 31 de Maio de 1469 e morreu em Lisboa a 13 de Dezembro de 1521, faz hoje 485 anos. Era filho do infante D. Fernando de Portugal, duque de Viseu, e de Beatriz, na época chamada D. Brites, princesa de Portugal.
 
Infância e juventude
 
Manuel sucedeu ao primo direito João II de Portugal em 1495 de quem se tornara uma espécie de «filho adoptivo» (ver Paulo Pereira, «Enciclopédia dos Lugares Mágicos de Portugal», volume IX, página 70) e ascendeu ao trono em circunstâncias excepcionais. Cognominado de O Venturoso, O Bem-Aventurado ou O Afortunado, pelos eventos felizes que ocorreram no seu reinado, designadamente a descoberta do
caminho marítimo para a Índia 
e a do Brasil. Foi o primeiro rei a assumir o título de Rei de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor do Comércio, da Conquista e da Navegação da Arábia, Pérsia e Índia.
 
Durante a infância e a juventude, assistiu à guerra de intriga e conspiração entre a aristocracia e D. João II, muito cioso do seu poder. Alguns homens do seu círculo próximo foram mortos ou exilados, incluindo o seu irmão mais velho Diogo, Duque de Viseu, assassinado pelo próprio rei. Portanto, quando em 1493 recebeu uma ordem real de comparência no paço, Manuel deveria estar preocupado. Mas o propósito de João II era nomeá-lo herdeiro da coroa, depois da morte do seu filho Afonso de Portugal e das tentativas frustradas de legitimar o bastardo Jorge de Lencastre.
 
Aclamação e reinado

Aclamado em 27 de Outubro de 1495, Manuel provou ser um sucessor à altura, apoiando os
descobrimentos portugueses e o desenvolvimento dos monopólios comerciais. Durante o seu reinado, Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia  
(1498), Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil (1500), D. Francisco de Almeida tornou-se no primeiro vice-rei da Índia (1505) e o almirante D. Afonso de Albuquerque assegurou o controlo das rotas comerciais do Oceano Índico e Golfo Pérsico e conquistou para Portugal lugares importantes como Malaca, Goa e Ormuz. Também no seu reinado se organizam viagens para Ocidente, tendo-se chegado à Gronelândia e à Terra Nova. O seu reinado decorreu num «contexto expansionista, já preparado pelo seu antecessor - e marcado pela descoberta do caminho marítimo para a Índia e pelas consequências políticas e económicas que advieram deste facto» (obra acima citada, mesma página).
 
A extensão do seu reinado, diz o mesmo autor acima citado, «permite surpreender nele uma personagem determinada, teimosa, voluntariosa, autocrática, detentora de um programa político de potenciação do seu poder dotado de uma assombrosa coerência, posto em prática até ao seu mais ínfimo detalhe. D. Manuel opta por uma política de expansão indiana e põe em prática os seus princípios, criando a oportunidade para a realização da viagem de Vasco da Gama em 1497, contra, ao que parece, a oposição de parte do seu conselho. Escolhe, ainda, a via da inversão pró-aristocrática, ou seja, de restauração de privilégios e direitos antes postos em causa e isto certamente por opção politica de Estado. O rei edifica, igualmente, um Estado que prenuncia em boa medida o absolutismo régio e o governo iluminado, por contraponto, aliás, ao problemático e agitado centralismo do seu antecessor D. João II».
 
Tudo isto contribuiu para a constituição do Império português fazendo de Portugal um dos países mais ricos e poderosos. Manuel utilizou a riqueza obtida pelo comércio para construir edifícios reais, no que se chamaria muito posteriormente estilo manuelino, dos que são exemplo o
Mosteiro dos Jerónimos  e a Torre de Belém. Atraiu cientistas para a corte de Lisboa e estabeleceram-se tratados comerciais e relações diplomáticas com a China e a Pérsia, além de que, em Marrocos, realizaram-se conquistas como Safim, Azamor e Agadir.
 
A sua completa consagração europeia deu-se com a aparatosa embaixada em 1513 chefiada por
Tristão da Cunha, enviando ao Papa Leão X presentes magníficos como pedrarias, tecidos e jóias e também um cavalo persa e um elefante que executava várias habilidades. Uma das inúmeras novidades que encantaram os espíritos curiosos das cortes europeias da época terá sido sem dúvida o Rinoceronte trazido das Índias, que assumiu, então, um papel preponderante na arte italiana.
 
Na vida política interna, Manuel seguiu as pisadas de João II e tornou-se quase num rei absoluto. As cortes foram reunidas apenas três vezes durante o seu reinado de mais de vinte e cinco anos e sempre no paço de Lisboa. Manuel dedicou-se à reforma dos tribunais e do sistema tributário, adaptando-o ao progresso económico que Portugal então vivia.
 
Manuel era um homem bastante religioso que investiu uma boa parte da fortuna do país na construção de igrejas e mosteiros, bem como no patrocínio da evangelização das novas colónias através dos missionários católicos. O seu reinado ficará também lembrado pela perseguição feita a judeus e muçulmanos em Portugal, particularmente nos anos de 1496 a 1498. Esta política extremista foi talvez tomada por forma a agradar aos reis católicos e uma das cláusulas do seu contrato de casamento com a herdeira de Espanha,
Isabel de Aragão. O Massacre de Lisboa de 1506 foi uma das consequências da falência da política pérfida de D. Manuel: primeiro as conversões forçadas como uma tentativa de manter os judeus, como cristãos - e ao mesmo tempo ele não hesitou em confiar ao seu embaixador em Roma a missão secreta de pedir ao Papa, em 1515, a permissão de estabelecer a Inquisição em Portugal.
 
Na cultura, Manuel I procedeu à reforma dos Estudos Gerais, criando novos planos educativos e bolsas de estudo. Na sua corte surge também Gil Vicente, o pai do teatro português e Duarte Pacheco Pereira o geógrafo, autor do Esmeraldo de Situ Orbis.
 
Analisando-se posteriormente a sua obra, verifica-se que avulta a tentativa de reforma do reino, «através da criação de instrumentos unificadores de carácter estatal, como sejam a publicação dos Forais Novos, reformando os antigos, a Leitura Nova (1504-1522), a compilação e revisão da legislação, consagrada pelas Ordenações Manuelinas, a reorganização da Fazenda Pública e a estruturação administrativa daí decorrente. Com ele organiza-se o Estado moderno» (ver Paulo Pereira, «Enciclopédia dos Lugares Mágicos de Portugal», volume IX, página 72).
 
D. Manuel I morreu em 1521 e encontra-se sepultado no
Mosteiro dos Jerónimos.
 
 
Descendência
  • Da primeira mulher, Isabel de Aragão, infanta de Espanha (1470–1498). Morreu em 1498, durante um difícil trabalho de parto, pondo fim ao velho sonho de João II de unir as coroas ibéricas em mãos portuguesas.
    • Miguel da Paz (1498-1500), presumível herdeiro das Coroas de Portugal, Castela e Aragão
  • Da segunda mulher, sua cunhada Maria de Aragão, infanta de Espanha (1482-1517), com quem casou em 30 de Outubro de 1500 - mas já não era a princesa herdeira, que se tornara Joana, a Louca casada com o herdeiro dos Habsburgos.
    • João III, rei de Portugal (1502-1557)
    • Isabel de Portugal (1503-1539), casada com Carlos V, Imperador da Alemanha
    • Beatriz de Portugal (1504-1538), casada com Carlos III, Duque de Sabóia
    • Luís, Duque de Beja (1506-1555)
    • Fernando, Duque da Guarda (1507-1534), casado com Guiomar Coutinho, Condessa de Marialva
    • Afonso de Portugal, Cardeal (1509-1540)
    • Maria de Portugal (1511-1513)
    • Cardeal Henrique, rei de Portugal (1512-1580)
    • Duarte, Duque de Guimarães (1515-1540), casado com Isabel de Bragança, bisavô de João IV de Portugal
    • António de Portugal (1516)
  • Da terceira mulher, Leonor da Áustria (1498-1558), infanta de Espanha, irmã do imperador Carlos V:
    • Carlos de Portugal (1520-1521)
    • Maria de Portugal (1521-1577) famosa posteriormente como a mais culta das Infantas.
Fonte: Wikipédia. 
 

..........................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:20
Link do post | comentar
8 comentários:
De luis galego a 13 de Dezembro de 2006 às 13:59
vou registando estes bons apontamentos de história de portugal...


De Marco Oliveira a 13 de Dezembro de 2006 às 15:06
Isto talvez vos interesse:
Postais Antigos da Figueira da Foz (1917) (http://antigamente1900.blogspot.com/2006/12/figueira-da-foz-1917-duas-coleces-de.html)

Desculpem fazer publicidade desta forma descarada... :-\


De Praia da Claridade a 13 de Dezembro de 2006 às 16:39
Então, já agora uma pergunta, deste figueirense:
Posso publicar estes postais no meu blog ?


De Marco Oliveira a 13 de Dezembro de 2006 às 21:29
Claro que pode publicar os postais.
Aquilo é um pequeno testemunho da nossa história colectiva.
É bom que toda a gente o conheça.
:-)


De Praia da Claridade a 13 de Dezembro de 2006 às 21:45
Agradeço sinceramente, são postais muito interessantes.
Aproveito para enviar os meus votos de FELIZ NATAL.
Filipe Freitas


De Maria Elisa a 13 de Dezembro de 2006 às 16:26
Olá Filipe! Bela lição de história de Portugal,pois foi um grande Rei,com visão para espandir Portugal além fronteiras,foi o Rei dos descobrimentos,de grandes reformas,para não falar em grandes monumentos,e fez de Portugal um País grande,e de riqueza?Eu pergunto!..Por acaso não haverá por aí escondido,um Rei assim para melhorar a nossa economia?
Filipe,um belo dia para ti e beijinho.
Maria Elisa


De soaresesilva a 13 de Dezembro de 2006 às 19:28
De certo um grande rei para a sua época. Parece que em Portugal as coisas correm melhor quando se instala o absolutismo....Gostamos de ser comandados ...Nunca simpatisei muito com D. Manuel por causa da persiguição aos judeus. O que faria ele, nos nossos tempos, com tantas raças diferentes a viver aqui?


De www.terezinhanunes.com.br a 6 de Julho de 2008 às 18:50
Caro Filipe, sou brasileira de Pernambuco e deputada estadual. Moro no Recife, cidade onde viveu Duarte Coelho e sua esposa D. Brites Albuquerque. Queremos fazer uma exposição sobre D. Brites pois ela foi a primeira mulher a comandar um estado no Brasil, no caso Pernambuco. Gostaria de saber se há em Portugal alguma imagem de D. Brites. Foto é difícil mas talvez um desenho, uma pintura. Você tem conhecimento disso? Pode me responder onde conseguir? Abraços. Terezinha Nunes.


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites