Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006

D. Afonso Henriques, 1º Rei de Portugal

 
Afonso I de Portugal (D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal)
 
 
D. Afonso Henriques derrotou os Mouros na Batalha de Ourique, Alentejo, Portugal, em 25-Julho-1139
D. Afonso Henriques derrotou os Mouros na Batalha de Ourique,
Alentejo, Portugal, em 25-Julho-1139
 
 
Castelo de Guimarães - Portugal
Castelo de Guimarães - Portugal
 
 
 

D. Afonso I, mais conhecido pelo seu nome de príncipe, D. Afonso Henriques, (25 de Julho de 1109 — 6 de Dezembro de 1185, faleceu faz hoje 821 anos) foi o primeiro rei de Portugal. Em virtude das suas múltiplas conquistas, que ao longo de mais de quarenta anos mais que duplicaram o território que o seu pai lhe havia legado, foi cognominado O Conquistador; também é conhecido como O Fundador  e O Grande. Os muçulmanos, em sinal de respeito, chamaram-lhe Ibn-Arrik («filho de Henrique», tradução literal do genitivo Henriques) ou El-Bortukali («o Português»).
 
Afonso Henriques era filho de Henrique de Borgonha, Conde de Portugal e da infanta Teresa de Leão. Terá nascido e, possivelmente, sido criado em Guimarães, onde viveu até 1128. Tomou, em 1120, uma posição política oposta à da mãe (que apoiava o partido dos Travas), sob a direcção do arcebispo de Braga. Este, forçado a emigrar, leva consigo o infante que em 1122 se arma cavaleiro, em Tui. Restabelecida a paz, voltam ao condado. Entretanto, novos incidentes provocam a invasão do Condado Portucalense por Afonso VII de Castela, que, em 1127, cerca Guimarães, onde se encontrava Afonso Henriques. Sendo-lhe prometida a lealdade deste, Afonso VII desiste de conquistar a cidade. Mas alguns meses depois, em 1128, as tropas de Teresa de Leão defrontam-se com as de Afonso Henriques na batalha de São Mamede, tendo as tropas do infante saído vitoriosas – o que consagrou a sua autoridade no território portucalense, levando-o a assumir o governo do condado. Consciente da importância das forças que ameaçavam o seu poder, concentrou os seus esforços em negociações junto da Santa Sé com um duplo objectivo: alcançar a plena autonomia da Igreja portuguesa e obter o reconhecimento do Reino.
 
Em 1139, depois de uma estrondosa vitória na Batalha de Ourique contra um forte contingente mouro, D. Afonso Henriques autoproclama-se Rei de Portugal, com o apoio das suas tropas. Segundo a tradição, a independência foi confirmada mais tarde, nas míticas cortes de Lamego, quando recebeu do arcebispo de Braga, D. João Peculiar, a coroa de Portugal, se bem que estudos recentes questionem a reunião destas cortes. O reconhecimento de Castela chegou em 1143, com o tratado de Zamora e deve-se ao desejo de Afonso VII de Castela em ser Imperador (e como tal, necessitar de reis como vassalos). Desde então, Afonso I procurou consolidar a independência por si declarada. Fez importantes doações à Igreja e fundou diversos conventos. Procurou também conquistar terreno a sul, povoado então por Mouros e conquistou Santarém em 1146 e Lisboa em 1147. Em 1179 o Papa Alexandre III, através da bula Manifestis Probatum (1), reconhece Portugal como país independente e vassalo da Igreja.
 
Após o incidente de Badajoz, a carreira militar de D. Afonso Henriques praticamente terminou. Dedicou a partir daí quase toda a sua vida à administração dos territórios com a co-regência do seu filho D. Sancho I de Portugal. Procurou fixar a população, promoveu o municipalismo e concedeu forais. Contou com a ajuda da ordem religiosa dos Cistercienses para o desenvolvimento da economia, predominantemente agrária.
 
Os passos mais importantes do seu reinado foram:
  • Fundação do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra em 1131
  • Pacificação interna do reino e alargamento do território através de conquistas aos Mouros – o limite sul estabelecido para o Condado Portucalense – e assim Leiria em 1135; Santarém em 1146; Lisboa, Almada e Palmela em 1147; Alcácer em 1160 e quase todo o Alentejo (que posteriormente foi de novo recuperado pelos Mouros).
O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do filho D. Sancho I.
 
Boa relação com judeus
 
O reinado de Afonso Henriques ficou marcado pela tolerância para com os judeus. Estes estavam organizados num sistema próprio, representados politicamente pelo grão-rabino nomeado pelo rei. O grão-rabino Yahia Ben Yahia (líder religioso e político judaico de Portugal) foi mesmo escolhido para ministro das Finanças de Afonso Henriques, responsável pela colecta de impostos no reino. Com esta escolha teve início uma tradição de escolher judeus para a área financeira e de manter um bom entendimento com as comunidades judaicas, que foi seguida por seus sucessores.
 
 
Descendência
  • Pela sua mulher, Mafalda de Sabóia (1125-1157), que desposou c. 1146:
    • D. Henrique (1147-?)
    • D. Mafalda de Portugal (1149-1160), teve o seu casamento programado com o rei de Afonso II de Aragão, o que não se efectivou pela morte da infanta
    • D. Urraca (1151-1188), casou com o rei Fernando II de Leão
    • Sancho I de Portugal (1154-1212)
    • D. Teresa (1157-1218), depois do casamento chamada Matilde ou Mafalda, casou com Filipe I, Conde da Flandres e depois com Eudes III, Duque da Borgonha
    • D. João de Portugal (1160-?)
    • D. Sancha de Portugal (1160-?)
  • Filha de Elvira Gálter:
    • D. Urraca Afonso, senhora de Aveiro (c. 1130-?)
  • Outros filhos naturais:
    • D. Fernando Afonso, alferes-mor do Reino
    • D. Pedro Afonso (c. 1130-1169)
    • D. Afonso, 11º Mestre da Ordem de São João de Rodes (1135-1207)
    • D. Teresa Afonso (c. 1135-?)

(1) - Manifestis probatum  foi a bula emitida pelo Papa Alexandre III, datada de 1179, que declarava o Condado Portucalense independente do reino de Leão e Afonso Henriques, seu rei. A bula rezava assim (em português actual):
 
"Alexandre, Bispo, Servo dos Servos de Deus, ao Caríssimo filho em Cristo, Afonso, Ilustre Rei dos Portugueses, e a seus herdeiros, in perpetuum.
Está claramente demonstrado que, como bom filho e príncipe católico, prestaste inumeráveis serviços a tua mãe, a Santa Igreja, exterminando intrepidamente em porfiados trabalhos e proezas militares os inimigos do nome cristão e propagando diligentemente a fé cristã, assim deixaste aos vindouros nome digno de memória e exemplo merecedor de imitação. Deve a Sé Apostólica amar com sincero afecto e procurar atender eficazmente, em suas justas súplicas, os que a Providência divina escolheu para governo e salvação do povo. Por isso, Nós, atendemos às qualidades de prudência, justiça e idoneidade de governo que ilustram a tua pessoa, tomamo-la sob a protecção de São Pedro e nossa, e concedemos e confirmamos por autoridade apostólica ao teu excelso domínio o reino de Portugal com inteiras honras de reino e a dignidade que aos reis pertence, bem como todos os lugares que, com o auxílio da graça celeste, conquistaste das mãos dos Sarracenos e nos quais não podem reivindicar direitos os vizinhos príncipes cristãos. E para que mais te fervores em devoção e serviço ao príncipe dos apóstolos S. Pedro e à Santa Igreja de Roma, decidimos fazer a mesma concessão a teus herdeiros e, com a ajuda de Deus, prometemos defender-lha, quanto caiba em nosso apostólico magistério".
Fonte: Wikipédia. 
 

..........................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:00
Link do post | comentar
10 comentários:
De Chicailheu a 6 de Dezembro de 2006 às 11:23
Pois é, tudo tem um começo, e assim nasceu Portugal!
Olha, o blog é: gaivotapoesia11@sapo.pt
Confirmei.
Vais gostar...talvez?!
Beijos
Chicailheu


De Praia da Claridade a 6 de Dezembro de 2006 às 14:15
Alguma coisa continua a não estar correcto...
gaivotapoesia11@sapo.pt é endereço de mail e não de blog, porque tem o sinal @ (arroba).
Já fiz algumas alterações mas continuo sem encontrar...
Beijos.
Filipe, com o da minha Praia.


De soaresesilva a 6 de Dezembro de 2006 às 18:01
Acho que os miúdos das escolas de hoje, o único rei que conhecem é este!!!! D. Afonso Henriques, o nosso primeiro rei e que fundou uma nação que é (se não estou em erro) a mais antiga da Europa. D. Afonso Henriques ficará para sempre com o símbolo da noss a independência e liberdade.


De Praia da Claridade a 6 de Dezembro de 2006 às 21:22
Olhe que não, Luísa... Por incrível que pareça, grande parte dos alunos com o 9.º ano, e não só, não sabem quem foi o primeiro rei de Portugal !... Ainda há dias tivemos aqui em casa um "debate" com pessoas que estão dentro desse assunto e é o que parece confirmar-se. Nem sabem o que aconteceu em 25 de Abril 1974, quanto mais de História de Portugal !...


De soaresesilva a 6 de Dezembro de 2006 às 18:33
Mais uma vez deixaste no nosso blog palavras encantadoras e cheias de sabedoria. Obrigada !


De Praia da Claridade a 6 de Dezembro de 2006 às 21:12
Obrigado eu... pela simpatia em agradecer os meus comentários nos Ecosdotempo. Há certas alturas em que as palavras nos saem com mais sensibilidade...


De Maria Elisa a 6 de Dezembro de 2006 às 20:40
Amigo Filipe!..Como sempre,estes belostextos da História de Portugal,e falar de AFONSO HENRIQUES,o Fundador da Nacionalidade,e como moro tão perto,e Adoro o BERÇO DA NAÇÂO GUIMARÂES,sempre me desloco muitas vezes a guimarães,pois tem outros intereses,que não tem Fafe,uma Cidade muito linda e jovem,e bem organizada,a nossa é mas mais pequena,tem outros encantos,os da natureza de que eu admiro,pois sou amante da mesma,mas falares do fundador,esmeraste-te,no trabalho,valeu e muito,o teu esforço.
Amigo Filipe,o Natal está chegando?...Tu sabes!..LOL.
Beijo Amigo.
Maria Elisa


De PAULO COSTA a 9 de Novembro de 2007 às 10:14
TÁ INSPIRADOR


De PAULO COSTA a 9 de Novembro de 2007 às 10:12
MUITO BONITO


De Praia da Claridade a 9 de Novembro de 2007 às 23:52
Agradeço a visita.


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites