Quinta-feira, 30 de Novembro de 2006

Moeda

 
Moedas de 1 Euro e 2 Euros
 
 
Reconstituição de antigo processo para cunhagem de moedas
Reconstituição de antigo processo para cunhagem de moedas

 
 

Ontem foi a NOTA....
Hoje é a MOEDA para ficarem com a carteira bem recheada...
Um post extenso, mas talvez valha a pena ler.
Mas, pensando já no futuro pós-industrial:
Extinção da moeda, que se reduzirá a meras informações armazenadas em discos magnéticos de computador. As operações serão realizadas via cartões de crédito, de débito, terminais bancários, computadores domésticos, transferência electrónica de fundos, etc. É o chamado "dinheiro electrónico".

  
 
Moeda
é o meio através do qual são efectuadas as transacções monetárias. É todo o activo que constitua forma imediata de solver débitos, com aceitabilidade geral e disponibilidade imediata, e que confere ao seu titular um direito de saque sobre o produto social.
 
É importante perceber as diferentes definições de “moeda”. O dinheiro constitui as notas (geralmente em papel) e moedas (peça metálica) admitidas em circulação; em geral, a moeda é emitida e controlada pelo governo do país, que é o único que pode fixar e controlar o seu valor. O dinheiro está associado a transacções de baixo valor; a moeda (no sentido aqui tratado), por sua vez, tem uma definição mais abrangente, já que engloba, mesmo no seu agregado mais líquido (M1), não só o dinheiro, mas também o valor depositado em contas correntes.
 
Agregados monetários
 
É difícil definir moeda. Por practicidade, os economistas chegaram a uma classificação dos diversos tipos de moeda e “quase moeda”, de acordo com a satisfação dos requisitos das suas principais funções (meio de troca, unidade de conta e reserva de valor) e com a sua liquidez. Alguns agregados mais comuns são:
  • M1 (“narrow definition of money”): moedas em circulação + cheques de viagem + depósitos à vista + outros depósitos. É o agregado mais líquido.
  • M2 (“broader definition of money”): M1+ aplicações de overnight + fundos mútuos do mercado monetário (excepto pessoas jurídicas) + contas de depósito no mercado monetário + depósitos de poupança + depósitos a prazo de menor valor.
  • M3: M2 + fundos mútuos do mercado monetário (pessoas jurídicas) + depósitos a prazo de grande valor + acordos de recompra + eurodólares.

Funções da moeda
 
A moeda tem diversas funções reconhecidas, que justificam o desejo de as pessoas a reterem (procura):
  • Meio de troca: A moeda é o instrumento intermediário de aceitação geral, para ser recebido em contrapartida da cessão de um bem e entregue na aquisição de outro bem (troca indirecta em vez de troca directa). Isto significa que a moeda serve para solver débitos e é um meio de pagamento geral.
  • Unidade de conta: Permite contabilizar ou exprimir numericamente os activos e os passivos, os haveres e as dívidas.
Esta função da moeda suscita a distinção entre preço absoluto e preço relativo. O preço absoluto é a quantidade de moeda necessária para se obter uma unidade de um bem, ou seja, é o valor expresso em moeda. O preço relativo exige que se considere dois preços absolutos, uma vez que é definido como um quociente. Assim, P1 e P2 designam os preços absolutos dos bens 1 e 2, respectivamente. P1/P2 é o preço relativo do bem 1 expresso em unidades do bem 2. Ou seja, é a quantidade de unidades do bem 2 a pagar por cada unidade do bem 1.
  • Reserva de valor: A moeda pode ser utilizada como uma acumulação de poder aquisitivo, a usar no futuro. Assim, tem subjacente o pressuposto de que um encaixe monetário pode ser utilizado no futuro, isto porque pode não haver sincronia entre os fluxos da despesa e das receitas, por motivos de precaução ou de natureza psicológica. A moeda não é o único activo a desempenhar esta função; o ouro, as acções, as obras de arte e mesmo os imóveis também são reservas de valor. A grande diferença entre a moeda e as outras reservas de valor está na sua mobilização imediata do poder de compra (maior liquidez), enquanto os outros activos têm de ser transformados em moeda antes de serem trocados por outro bem.
Sachs e Larrain (2000) observam ainda que em períodos de alta inflação a moeda deixa de ser utilizada como reserva de valor, mas que em outros casos, que apesar de ser um “activo dominado” (há activos tão seguros quanto a moeda mas que rendem juros), ela é preferida como reserva de valor por alguns grupos (especialmente aqueles que realizam actividades ilegais), pois mantém o anonimato do seu dono - ao contrário, por exemplo, dos depósitos a prazo, que podem ser facilmente rastreados.

A moeda como um "bem"
 
O mercado de moeda funciona de maneira muito similar aos demais mercados: um aumento na quantidade de moeda no mercado diminui o seu preço, ou seja, faz que com ela diminua o seu poder de compra.
 
Oferta de moeda
 
A oferta de moeda (em inglês, “money supply”) pode ser definida como o stock total de moeda na economia, geralmente o stock de M1. Se a relação (M1)/(PIB) for muito grande, os juros tendem a cair e os preços a subir, e se for muito pequena a tendência é oposta. Os bancos centrais controlam a oferta de moeda principalmente através da alteração da taxa de reservas bancárias (uma taxa maior de reservas bancárias reduz a oferta de moeda) e da compra e venda de títulos, mas também através do controle da quantidade de papel moeda emitido.
 
Procura por moeda
 
A definição de procura por moeda é similar à definição de procura por qualquer outro bem. Ela pode ser definida como a quantidade de riqueza que os agentes decidem manter na forma de moeda. A maioria dos livros-texto refere-se à procura por moeda como uma procura por encaixes reais. Isso quer dizer que os indivíduos retêm moeda por aquilo que irão comprar em bens e serviços, isto é, os agentes económicos estão interessados no poder aquisitivo dos encaixes monetários que possuem.
 
Também é praticamente consenso entre os economistas que a procura por moeda é determinada basicamente pela taxa de juros (quanto maior a taxa, menor o incentivo para reter moeda), pelo nível de preços (que afectaria somente a procura nominal por moeda ), pelo custo real das transacções (se fosse possível transformar, imediatamente e sem custos, os fundos em dinheiro, não seria preciso manter dinheiro, já que seria possível realizar transacções com a transformação do activo rentável em moeda ocorrendo somente no exacto momento em que ela se mostrasse necessária, o que permitiria que o activo ficasse mais tempo rendendo), e pela renda. É importante observar que procura por moeda não é igual à procura por dinheiro. A procura por moeda M1 pode aumentar e a procura por dinheiro diminuir, se as transacções forem efectuadas directamente entre contas bancárias, sem necessidade de o usuário sacar papel moeda.
 
Histórico
 
As moedas foram uma tentativa bem sucedida de organizar a comercialização de produtos, e substituir a simples troca de mercadorias. Há divergências sobre qual povo foi o primeiro a utilizar a técnica da cunhagem de moedas, pois de acordo com alguns, a China utilizava moedas cunhadas antes do século VII a.C., época que é creditado ao povo lídio esta realização (Lídia é o nome de uma antiga região da Anatólia ocidental). Durante muitos anos, a moeda possuía um valor real, dependia do metal de que era feita. Hoje, a maioria dos países do mundo usam moedas de valor nominal, pois o seu valor não corresponde ao metal de que é produzida.
 
Importância
 
A moeda é a unidade representativa de valor, aceite como instrumento de troca. É hoje parte integrante da sociedade, controla, interage e participa dela, independentemente da cultura. O desenvolvimento e a ampliação das bases comerciais fizeram do dinheiro uma necessidade. Sejam quais forem os meios de troca, sempre se tenta basear num valor qualquer para avaliar outro. Em épocas de escassez de meio circulante, a sociedade procura formas de contornar o problema (dinheiro de emergência), o importante é não perder o poder de troca e compra. Podem substituir o dinheiro governamental: letras, passes, recibos, cheques, vales, notas comerciais, entre outros, o chamado "dinheiro de emergência".
 
Por que usar moeda?
 
Nos tempos mais remotos, com a fixação do homem à terra, estes passaram a permutar o excedente que produziam. Surgia a primeira manifestação de comércio: a permuta, que consistia na troca directa de mercadorias como o gado, sal, grãos, pele de animais, cerâmicas, cacau, café, conchas, e outras. Esse sistema de troca directa, que durou por vários séculos, deu origem ao surgimento de vocábulos como "salário", o pagamento feito através de certa quantidade de sal; "pecúnia", do latim "pecus", que significa rebanho (gado) ou "peculium", relativo ao gado miúdo (ovelha ou cabrito). As primeiras moedas, tal como conhecemos hoje, eram peças representando valores, geralmente em metal, e surgiram na Lídia (actual Turquia), no século VII a.C.. As características que se desejava ressaltar eram transportadas para as peças, através da pancada de um objecto pesado (martelo), em primitivos cunhos. Foi o surgimento da cunhagem a martelo, onde os signos monetários eram valorizados também pela nobreza dos metais empregados, como o ouro e a prata. Embora a evolução dos tempos tenha levado à substituição do ouro e da prata por metais menos raros ou pelas suas ligas, preservou-se, com o passar dos séculos, a associação dos atributos de beleza e expressão cultural ao valor monetário das moedas, que quase sempre, na actualidade, apresentam figuras representativas da história, da cultura, das riquezas e do poder das sociedades. A necessidade de guardar as moedas em segurança deu surgimento aos Bancos. Os negociantes de ouro e prata, por terem cofres e guardas ao seu serviço, passaram a aceitar a responsabilidade de cuidar do dinheiro dos seus clientes e a dar recibos escritos das quantias guardadas. Esses recibos (então conhecidos como "goldsmiths notes") passaram, com o tempo, a servir como meio de pagamento pelos seus possuidores, por serem mais seguros de levar do que o dinheiro vivo. Assim surgiram as primeiras notas de "papel moeda", ou notas de Banco, ao mesmo tempo que a guarda dos valores em espécie dava origem às instituições bancárias. Os primeiros Bancos reconhecidos oficialmente surgiram na Inglaterra, e a palavra "bank" veio da italiana "banco", peça de madeira que os comerciantes de valores oriundos da Itália e estabelecidos em Londres usavam para operar os seus negócios no mercado público londrino.
 
 
Portugal
 
O Escudo português, cujo símbolo é o cifrão ($), foi a última moeda de Portugal antes do Euro. O escudo deu origem a outras variações de Escudo nas dependências africanas.
 
O código do escudo segundo a norma ISO 4217 é "PTE".
 
A designação provém da própria figuração nelas representada: um escudo. O escudo português foi substituído pelo euro no início de 2002. A taxa de conversão entre escudo e euro foi estabelecida em 1998-12-31, tendo o valor de 1 euro sido fixado em 200,482 escudos.
 
História do Escudo português
 
No reinado de D. Duarte apareceu o meio-escudo de ouro, do qual nem o desenho se conhece. No reinado de D. João V cunharam-se também as dobras, múltiplos do escudo. Também nos reinados de D. José I, D. Maria I e D. João VI se cunharam escudos.
 
O decreto de 22-5-1911 reformou profundamente, sob o ponto de vista técnico, o sistema monetário que vigorava em Portugal, alterando a denominação de todas as moedas, o material, o peso, e as dimensões das moedas de bronze e substituiu, pelo escudo de ouro, o real. Dividido em 100 partes iguais, denominadas centavos, o escudo correspondia, quer no valor, quer no peso de ouro fino, à moeda de 1000 réis. Como múltiplos, criaram-se moedas de ouro, que nunca se cunharam, de 2, 5 e 10 escudos e, como submúltiplos, moedas do valor legal de 10, 20 e 50 centavos e moedas subsidiárias de bronze-níquel de valor legal de 4, 2, 1 e 0,5 centavos, as quais, com excepção desta última, vieram todas a ser cunhadas.
 
Depois de 1914, por virtude da crise provocada pela Primeira Guerra Mundial, o escudo-papel  (nota) experimentou uma descida vertiginosa de valor, atingindo a sua menor correspondência em ouro, em Julho de 1924. Desde o segundo semestre de 1926 até Abril de 1928, o escudo sofre nova desvalorização, em consequência de dois aumentos de circulação, do agravamento da dívida flutuante interna e externa e do quase esgotamento das reservas de ouro que o Tesouro Nacional possuía em Londres.
 
Pelo decreto nº 19.869, de 9-6-1931, lançaram-se as bases dum novo sistema monetário, para manter a estabilização do valor desta moeda, continuando a ser o escudo de ouro a unidade monetária, mas com um peso inferior, servindo apenas como moeda-padrão.
 
 
Brasil
 

Dom Sebastião, rei de Portugal, determinou a circulação de moedas portuguesas no Brasil em 1568. Porém, a partir dessa época, as moedas eram o açúcar, o pau-brasil e o ouro, que formaram os ciclos económicos no Brasil.
 
As primeiras moedas cunhadas no Brasil entraram em circulação nos anos de 1645, 1646 e 1654. Essas moedas foram colocadas em circulação pelos holandeses (neerlandeses), que controlavam Pernambuco e fizeram as moedas para pagamento aos seus soldados.
 
Em 1694 cria-se a primeira Casa da Moeda na Baia, que previa a cunhagem da grande diversidade de moedas que circulavam na América Portuguesa desde o fim da União Ibérica em 1640.
 
Entre 1695 e 1698 foram criadas as primeiras moedas para uso exclusivo na colónia. Durante e após esse período, existiram Casas da Moeda em Pernambuco, na Baia e no Rio de Janeiro.
 
Na Casa da Moeda no Rio de Janeiro foram cunhadas em 1703 as primeiras moedas para uso no Reino Unido, portanto válidas também em Portugal.
 
Actualmente, a Casa da Moeda do Brasil produz em média 2,4 biliões de notas e 1,5 biliões de moedas por ano. A primeira sede da instituição foi construída na Praça da República, no centro do Rio de Janeiro. Actualmente, a fábrica da Casa da Moeda fica no bairro de Santa Cruz, também no Rio.
 
 
Histórico das Moedas no Brasil
  • Real (plural: Réis) - de 1500 a 7.out.1833
    • Mil Réis - de 7.out.1833 a 1.nov.1942
    • Conto de Réis (equivalente a um milhão de réis)
  • Cruzeiro - de 1.nov.1942 a 13.fev.1967
  • Cruzeiro Novo - de 13.fev.1967 a 15.mai.1970
  • Cruzeiro - de 15.mai.1970 a 28.fev.1986
  • Cruzado - de 28.fev.1986 a 15.jan.1989
  • Cruzado novo - de 15.jan.1989 a 15.mar.1990
  • Cruzeiro - de 15.mar.1990 a 1.ago.1993
  • Cruzeiro Real - de 1.ago.1993 a 1.jul.1994
  • Real (plural: Reais) - de 1.jul.1994 até actualmente
Moedas dos países
Afeganistão - Afegani
África do Sul - Rand
Albânia - Lek novo
Alemanha - Euro
Andorra - Euro
Angola - Kwanza reajustável
Antígua e Barbuda - Dólar do Caribe Oriental
Arábia Saudita - Riyal
Argélia - Dinar argelino
Argentina - Peso argentino
Arménia - Dram
Aruba - Florim de Aruba
Austrália - Dólar australiano
Áustria - Euro
Azerbeijão - Manat
Bahamas - Dólar das Bahamas
Bahrein - Dinar do Bahrein
Bangladesh - Taka
Barbados - Dólar de Barbados
Belarus - Rublo bielo-russo
Bélgica - Euro
Belize - Dólar de Belize
Bermudas - Dólar das Bermudas
Benin - Franco CFA
Bolívia - Boliviano
Bósnia-Herzegovina - Marco conversível
Botsuana - Pula
Brasil - Real
Brunei - Dólar de Brunei
Bulgária - Lev novo
Burkina Fasso - Franco CFA
Burundi - Franco do Burundi
Butão - Ngultrum
Cabo Verde - Escudo de Cabo Verde
Camarões - Franco CFA
Camboja - Riel
Canadá - Dólar Canadense
Catar - Rial do Catar
Chade - Franco CFA
Chile - Peso chileno
China - Iuan Renmimbi
Chipre - Libra cipriota
Singapura - Dólar de Singapura
Colômbia - Peso colombiano
Comores - Franco comorense
Congo - Franco CFA
Coreia do Norte - Won norte-coreano
Coreia do Sul - Won sul-coreano
Costa do Marfim - Franco CFA
Costa Rica - Colón costa-riquenho
Croácia - Kuna
Cuba - Peso cubano, Peso Conversível
Dinamarca - Coroa dinamarquesa
Djibouti - Franco do Djibouti
Egipto - Libra egípcia
El Salvador - Dólar americano, Colón salvadorenho
Equador - Dólar americano
Eritreia - Nakfa
Eslováquia - Coroa eslovaca
Eslovénia - Euro (até 31 de Dezembro de 2006, era o Tolar)
Espanha - Euro
Estados Unidos da América - Dólar americano
Etiópia - Birr
Fiji - Dólar de Fiji
Finlândia - Euro
França - Euro
Gabão - Franco CFA
Gambia - Dalasi
Gana - Cedi novo
Grécia - Euro
Guatemala - Quetzal
Guiana - Dólar guianense
Guiné Equatorial - Franco CFA
Guiné-Bissau - Franco CFA
Haiti - Gourde
Hungria - Florim húngaro
Índia - Rupia
Irã / Irão - Riel
Iraque - Dinar iraquiano
Irlanda / Eire - Euro
Islândia - Nova coroa islandesa
Israel - Novo sheqel israelense
Itália - Euro
Jamaica - Dólar jamaicano
Kazaquistão - Tenge
Letónia - Lats
Libéria - Dólar liberiano
Líbia - Dinar líbio
Liechtenstein - Franco suíço
Lituânia - Litas
Luxemburgo - Euro
Macedónia - Novo denar macedónio
Madagáscar - Franco malgaxe
Malawi - Cuacha malawiana
Mali - Franco CFA
Malta - Lira maltesa
Marrocos - Dirrã marroquino
Mauritânia - Uguia
México - Peso mexicano
Micronésia - Dólar americano
Moçambique - Metical
Moldávia - Leu
Mónaco - Euro
Montenegro - Euro
Namíbia - Dólar namibiano
Nepal - Rupia Nepalesa
Nicarágua - Córdoba Ouro
Níger - Franco CFA
Nigéria - Naira
Noruega - Coroa norueguesa
Nova Zelândia - Dólar da Nova Zelândia
Países Baixos - Euro
Panamá - Balboa
Paraguai - Guarani
Peru - Sol novo
Polónia - Zloty
Portugal - Euro
Quénia - Xelim queniano
Reino Unido - Libra esterlina
República Centro-Africana - Franco CFA
República Democrática do Congo - Franco Congolês
República Dominicana - Peso dominicano
Roménia - Leu romeno
Ruanda - Franco do Ruanda
Rússia - Rublo
Samoa - Tala
San Marino - Euro
São Tomé e Príncipe - Dobra
Senegal - Franco CFA
Serra Leoa - Leone
Sérvia - Dinar
Somália - Xelim somaliano
Sri Lanka - Rupia do Sri Lanka
Suazilândia - Lilangeni
Sudão - Libra sudanesa / Dinar sudanês
Suécia - Coroa sueca
Suíça - Franco suíço
Suriname - Dólar do Suriname
Tailândia - Baht
Tanzânia - Xelim tanzaniano
Togo - Franco CFA
Tonga - Pa'anga
Trinidad & Tobago - Dólar de Trinidad e Tobago
Tunísia - Dinar tunisino
Ucrânia - Hryvna
Uganda - Novo xelim do Uganda
Uruguai - Peso uruguaio
Vanuatu - Vatu
Venezuela - Bolívar
Vaticano - Euro
Vietname - Dong
Zâmbia - Cuacha zambiana
Zimbabué - Dólar zimbabueano
Fonte: Wikipédia. 
 

..........................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:05
Link do post | comentar
10 comentários:
De Dalva a 30 de Novembro de 2006 às 03:32
Filipe
existe uma musica de carnaval por aqui que diz:
hei voce aí, me dá um dinheiro aí..me dá um dinheiro aí..
abri o blog e vi tanto dindin.. que me espqntei... rs
belo post....alias o teu blog é nota dez....
Sobrevivemos meu querido e lentqmente ensaiamos um sorriso........
beijuuuuuuuuuuuuussssssssssss


De vida de vidro a 30 de Novembro de 2006 às 12:45
Um post pleno de informação útil. Porque o saber nunca é demais.
Obrigada pela visita lá ao meu espaço.


De soaresesilva a 30 de Novembro de 2006 às 19:00
Extenso mas por isso muito completo este teu artigo sobre a moeda. Confesso que certas explicações não as percebi por inteiro,..Concluo é que seja em notas, moedas ou cartões de crédito, o dinheiro faz muito arranjo...


De aldoramira a 30 de Novembro de 2006 às 19:17
De moedas eu gosto me sinto o Tio Patinhas gosto do peso delas podem-se lavar pesam nos bolsos fazem barulho quando caem no chão é só vantagens. Além disso são brilhantes.
A primeira moeda não era tão bonita mas era gostosa era o Sal.
Bem já disse tudo o que me veio há ideia, conheço algumas das que descreves em cima, a minha Filipa junta de diversos lugares.
Obrigada pela visita na fadinha
Beijinhos
Arodla


De Maria Elisa a 30 de Novembro de 2006 às 19:21
Amigo Filipe,aqui está um grande( Post)dinheiro das coisas que nos faz correr de lado para lado,para conseguir fazer algum,ums mais sortudos de que outros pois o tenhem,com mais abundância outros nem por isso,mas eu digo,que muitas pessoas,com a pasagem do (ESCUDO para o EURO)ficaram mais pobres?Pois nas lojas e naõ só arredondam os Centimos?..grande forma de enganar o pobre ZÈ,mas gostava mais de nosso ESCUDO,muitos se enganaram com o EURO,só para algums,mas gostei do teu trabalho e bem elaburado,quer das notas quer das moedas.
Filipe bom feriado 1 DEZEMBRO e beijo
Maria Elisa


De Chicailheu a 30 de Novembro de 2006 às 21:31
Que saudades tenho do "nosso" ESCUDO!

Tudo era bem melhor...
Mas, o que se pode fazer'
Chorar sobre o leite derramando!!!
Oh tempo, volta para traz, e traz o escudo meu!Ah!Ah!
beijos
Chicailheu


De Praia da Claridade a 1 de Dezembro de 2006 às 01:07
À nossa geração deixa sempre saudades e muitos ainda recorrem à conversão para tentar compreender o euro... que só veio aumentar os produtos, porque é tudo arredondado para cima, pelo menos as "pequenas compras", vendo-se até algumas que, aproveitando a "boleia", passaram de 50 escudos para 50 cêntimos. Boa conversão, não há dúvida....
Mas o velhinho "Escudo" deixa-nos sempre recordações: o pão pequeno, a carcaça, a 40 centavos... o carapau grande, 2 por 50 centavos, metade de 1 escudo, bem barato naquele tempo, pensamos nós agora... o meu ordenado, 40 escudos por dia, havendo ainda quem ganhasse menos... e muitas outras coisas que poderiamos fazer uma boa lista...

Ó tempo volta p'ra trás,
Dá-me tudo o que eu perdi,
Tem pena e dá-me a vida,
A vida que eu já vivi.

Ó tempo volta p'ra trás,
Mata as minhas esperanças vãs.
Vê que até o próprio sol,
Volta todas as manhãs.


Beijos
Filipe


De peter a 12 de Maio de 2007 às 18:55
A Eslovénia tem como moeda o Euro desde 2007.

Parabéns pelos textos e imagens, falta referir as fontes!


De Praia da Claridade a 29 de Maio de 2007 às 21:12
Agradeço o comentário e a informação de que a Eslovénia já aderiu ao Euro. Rectifiquei. A "fonte" está no canto inferior esquerdo do artigo.


De Dedinha Ramos a 28 de Outubro de 2008 às 13:02
Olá , bom dia! obrigada pela ajuda, tava aqui pesquisando sobre instituições financeiras para trabalho escolar e este artigo me ajudou bastante. Um abraço.


Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites