Domingo, 31 de Julho de 2005

História de Lisboa

Lisboa é uma das mais antigas cidades da Europa, tendo sido fundada há mais de três milénios.
É juntamente com Setúbal, Alcácer do Sal e algumas cidades do Algarve a mais antiga de Portugal e também a segunda mais velha capital da União Europeia, após Atenas, mais antiga por quatro séculos que Roma.A sua história circula à volta da sua posição estratégica na foz do maior rio da Península Ibérica, o Tejo; do seu porto natural ser o melhor para o reabastecimento dos barcos que fazem o comércio entre o Mar do Norte e o Mediterrâneo; além da sua proximidade no extremo Sul e Ocidente da Europa, com os novos continentes da África Subsahariana e da América.
 
Pré-história
Existem vestígios de ocupação humana na área que hoje é Lisboa de há muitos milhares de anos, atraídos pela proximidade do rio Tejo. Os primeiros habitantes humanos da região teriam sido os Neandertais, extintos há cerca de 30.000 anos pela chegada à Península do Homem moderno. Durante o período Neolítico, os povos Iberos da região construíram os megalíticos de função religiosa, tal como os restantes povos da Europa Atlântica: dólmenes, menires e cromeleques terão sido comuns, e alguns ainda sobrevivem hoje na zona.
 
Alis Ubbo: A fundação fenícia
Diz a lenda popular e romântica que a cidade de Lisboa foi fundada pelo herói mítico Ulisses. Recentemente foram feitas descobertas arqueológicas perto do Castelo de São Jorge e da Sé de Lisboa que comprovam que a cidade terá sido fundada pelos Fenícios cerca de 1200 a.C.. Nessa época os fenícios viajavam até às Ilhas Scilly e à Cornualha, na Grã-Bretanha, para comprar estanho aos nativos. O Mar da Palha ou estuário do Tejo é o melhor porto natural do percurso e o rio uma importante via para as trocas de alimentos e metais com as tribos do interior. Foi fundada uma colónia, chamada Alis Ubbo, que significa "porto seguro" ou "enseada amena" em fenício, provavelmente afilhada à grande cidade de Tiro, hoje no Líbano. Essa colónia estendia-se na colina onde hoje estão o Castelo e a Sé, até ao rio, que chamavam Daghi ou Taghi, significando "boa pescaria" em fenício. Com o desenvolvimento de Cartago, também ela uma colónia fenícia, o controlo de Alis Ubbo passou para essa cidade. Durante séculos, fenícios e cartagineses terão desenvolvido a cidade de simples entreposto comercial para o comércio nos mares do Norte, para importante mercado onde trocavam os seus produtos manufacturados pelos metais, peixe salgado e sal da região e das tribos contactadas pela via fluvial do Tejo. Os cavalos, antepassados dos actuais cavalos lusitanos, já eram então famosos no Mediterrâneo pela sua velocidade, tendo Plínio afirmado que as éguas do Tejo deveriam ser fecundadas pelo vento.Os primeiros Judeus chegaram sem dúvida com os Fenícios, seus vizinhos. O Hebreu é virtualmente idêntico ao Fenício e era raro o barco fenício que não levava mercadores ou sócios da Judeia.Com a chegada dos Celtas, estes misturaram-se com os Iberos locais, dando origem às tribos de língua Celta da região, os Conni e os Cempsi.
Os Gregos antigos tiveram provavelmente na foz do Tejo um posto de comércio durante algum tempo, mas os seus conflitos com os Cartagineses por todo o Mediterrâneo levaram sem dúvida ao seu abandono devido ao maior poderio de Cartago na região nessa época.
 
Olissipo: Lisboa romana
Olissipo aliou-se aos Romanos quando estes, liderados por Decimus Junius Brutus, procuraram conquistar os Lusitanos e outros povos do Noroeste Peninsular. Os habitantes da cidade lutaram ao lado das Legiões contra estas tribos célticas. Em troca foi-lhes reconhecido o título de cidadãos romanos e à cidade ampla autonomia como Município Romano. Foi incluída na província da Lusitânia, encabeçada por Emerita Augusta. A cidade situava-se entre a colina do Castelo e a Baixa, mas as zonas mais ribeirinhas estavam nesse tempo ainda submersas pelo Tejo. Olissipo no tempo romano foi uma importante praça comercial, estabelecendo a ligação entre as províncias do Norte e o Mediterrâneo. Os seus principais produtos eram o garum, um molho de peixe de luxo; o sal e os famosos cavalos lusitanos.
A cidade foi um dos principais centros da introdução e desenvolvimento do Cristianismo na Península Ibérica. O primeiro Bispo foi São Gens.
 
As Invasões e os Germanos
A degeneração do Império, e a feudalização da sociedade romana levaram às primeiras invasões dos povos Germanos, Hunos e outros. Inicialmente aceites como colonos nas terras desertificadas pelas epidemias terríveis que mataram grande parte da população da época (provavelmente de Sarampo e Varíola), transformaram-se depressa em expedições militares com objectivos de saque e conquista. No inicio do século V os Vândalos (que depois se retiram para o Norte de África) tomam Olissipo, seguidos dos não-germânicos Alanos. Em 419 Olissipo foi saqueada e queimada pelos Godos do Rei tribal Walia, e finalmente em 469 integrada no Reino Suevo cuja capital era Braga. Após a invasão dos Visigodos, estes estabelecem-se em Toledo e após várias guerras durante o século VI, conquistam os Suevos, unificando a Península Ibérica, incluindo a cidade que chamavam Ulishbona.
Durante esta época conturbada, Lisboa perde as ligações políticas com Constantinopla, mas não as comerciais. Mercadores Gregos, Sírios, Judeus e outros, vindos do Oriente, formam comunidades que trocam os produtos locais com os do Império Bizantino, Ásia e Índia.
 
Al-Ushbuna: Lisboa Muçulmana
Após três séculos de saques, pilhagens e perda de dinâmica comercial, Ulishbuna seria pouco mais que uma vila no inicio do século VII. É nesta altura que, aproveitando uma guerra civil do Reino Hispânico Visigótico, que os árabes liderados por Tariq invadem a Península Ibérica com as suas tropas mouriscas, em 711. Olishbuna foi conquistada pelas tropas de Abdelaziz ibn Musa, um dos filhos de Tariq, assim como o resto do Ocidente. Mais uma vez Lisboa, conhecida pelos árabes como al-Ushbuna, torna-se um grande centro administrativo e comercial para as terras junto ao Tejo, recolhendo os seus produtos e trocando-os por produtos do Mediterrâneo Árabe, particularmente Marrocos, Tunísia, Egipto, Síria e Iraque. Segundo as estimativas actuais a cidade teria no seu apogeu, no século X, mais de 100.000 habitantes, e com Constantinopla, Salónica, Córdova e Sevilha, seria uma das maiores cidades da Europa, muitas vezes maior que Paris e Londres, que em plena Idade Média teriam apenas 5-10.000 habitantes. A maioria dos habitantes converte-se à língua árabe e religião muçulmana da minoria invasora que se instala como elite. Uma minoria de cristãos ou Moçárabes, com o seu próprio Bispo, falantes do árabe ou de uma variedade de Latim vulgar semelhante à falada na Galiza e províncias do Norte, é tolerada em troca de impostos adicionais. Esta comunidade moçárabe que seguia ritos e costumes cristãos de antes do estabelecimento do absolutismo Papal é muitas vezes rejeitada e escravizada quando entra em contacto com os católicos. Foram os moçárabes que levaram para Lisboa os restos de São Vicente, que se tornaria o padroeiro da cidade. A comunidade Judaica, já existente desde a fundação da cidade pelos Fenícios, é grandemente reforçada pelos Judeus que aí se estabelecem como mercadores e financeiros, aproveitando a elevação da cidade a núcleo comercial proeminente. Além do sal, peixe e cavalos, negociavam-se as especiarias vindas do Levante, as plantas medicinais, os frutos secos, mel e peles. Al-Ushbuna é renovada e reconstruída de acordo com os padrões do Médio Oriente: uma grande mesquita, um castelo no topo do monte (que de forma modificada se transformou no Castelo de São Jorge), um palácio para o Governador ou (alcáçova), uma almedina ou centro urbano e um alcácer. O bairro de Alfama cresce ao lado do núcleo urbano original. A cidadela de al-Madan, a actual Almada é fundada na margem Sul do rio para proteger a cidade. Os Árabes e Berberes introduzem nos arredores da cidade a sua agricultura irrigada, que é muito mais produtiva que os métodos de sequeiro anteriores. As águas do Tejo e seus afluentes são usadas para irrigar a terra no Verão, produzindo várias colheitas por ano e vegetais como alfaces e frutos como as laranjas. Politicamente, de início, a cidade faz parte do Califado Omíada de Damasco, Síria. Consta das crónicas uma grande rebelião dos Berberes ou "Mouros" frente à elite dos Árabes da Arábia em 740, que precisou de reforços do Califado para ser suprimida. A cidade está depois sujeita ao Califado de Córdova, no qual os sobreviventes Omíadas ganham a independência do novo Califado Egípcio dos Abássidas. Com o inicio da Reconquista, a opulenta al-Ushbuna é um alvo dos raides dos cristãos, que saqueiam a cidade primeiramente em 796 e por outras ocasiões nos anos seguintes, liderados pelo Rei Afonso II das Astúrias, mas a fronteira permanece a norte do Douro. Em 844 várias dezenas de barcos dos Vikings surgem no Mar da Palha, e os Escandinavos estabelecem o cerco mas acabariam por partir face à resistência continuada dos habitantes da cidade liderados por Alah ibn Hazme. No inicio do Século X surgem em al-Ushbuna várias seitas islâmicas de conversos da população hispânica. Estas seitas são formas de organização política com que os autóctones se revoltam contra os obstáculos postos na sua ascensão social por um sistema hierárquico em que primeiro vinha a pequena elite de descendentes do profeta Maomé, depois os Árabes de sangue puro, a seguir Berberes ou Mouros e só depois os Latinos arabizados e muçulmanos. Vários líderes Latinos surgem, como Ali ibn Ashra e outros, que se declaram Profetas ou descendentes de [Ali] (xiitas) que com aliados em outras cidades iniciam guerras civis com as tropas árabes sunitas. Os moçárabes eram tratados ainda de forma pior, assim como os Judeus, sofrendo por vezes perseguições que, apesar de lamentáveis aos olhos modernos, eram uma pálida imagem do que fariam os católicos contra não só muçulmanos e judeus, mas mesmo contra os próprios cristãos não católicos das terras reconquistadas. Novo ataque Viking seguir-se-ia sem sucesso em 966. O Rei Ordonho I das Astúrias pilharia a cidade novamente em meados do século IX, assim como Afonso VI de Leão em 1093, que a reteve no seu Reino de Leão por dois anos, após conquistar a cidade de al-Santaryn ou Santarém.
Com a fragmentação do Califado de Córdova por volta do ano 1000 com as lutas intestinas, os notáveis de al-Ushbuna oscilam entre a obediência à Taifa de Badajoz ou à de Sevilha, conseguindo manobrar de forma a obter uma autonomia considerável. No entanto em 1111 um novo Califado pan-hispânico é estabelecido pela invasão a partir dos desertos de Marrocos dos Almorávidas liderados por Ali ibn Yusuf, cujas tropas são travadas apenas na região de Tomar por Gualdim Pais. Este dura pouco tempo até que regressam os tempos da divisão das Taifas e da autonomia e prosperidade de al-Ushbuna.
 
Cruzadas: Portugal conquista Lisboa
Enquanto se fragmentavam as Taifas islâmicas do Sul, no Norte sucedia o Condado Portucalense do Reino de Leão, já em plena Reconquista da Península Ibérica. Apesar de baseado em Guimarães, a força económica que permitia a autonomia do Condado Portucalense estava na cidade do Porto (Portucale ou porto da cidade de Cale, a actual Gaia). É interessante pensar como foi o novo Reino, centrado no dinamismo comercial da jovem cidade de mercadores do Porto, que usufruía de uma posição e importância semelhantes na foz do segundo maior rio da Península Ibérica, o rio Douro, como Lisboa no rio Tejo, que acabaria por conquistar essa venerável cidade. Ainda hoje ambas as cidades muito semelhantes mas muito diferentes se situam à cabeça de Portugal. Foi a conquista de Lisboa que permitiu ao jovem Duque de Portucale, D. Afonso Henriques declarar-se Rei. Famosa e opulenta, a cidade daria ao Condado o prestígio necessário. A primeira tentativa de Afonso de conquistar al-Ushbuna deu-se em 1137 e fracassou frente às muralhas da cidade. Em 1140 aproveita os cruzados que passavam por Portugal para novo ataque que novamente falha. Só em Junho e Julho de 1147, com a ajuda de uma força mais numerosa de cruzados, cerca de 164 barcos cheios de homens, consegue ser bem sucedido. Enquanto as suas forças portuguesas atacavam pela terra, os cruzados na sua maioria ingleses e normandos, aliciados pelas promessas de pilhagem livre, montaram as suas máquinas de cerco, como catapultas e torres, e atacavam simultaneamente pelo mar e impediam a chegada de reforços vindos do sul. No primeiros encontros os muçulmanos vencem os cristãos matando muitos, e a moral dos cruzados fica afectada, ocorrendo vários conflitos sangrentos entre os vários grupos de cristãos. Após muitas tentativas, segundo o mito, uma das portas é arrombada e o português Martim Moniz consegue mantê-la aberta aos invasores com o próprio corpo, morrendo esmagado por ela. Mais provavelmente com a ajuda das máquinas de sítio, as muralhas são ultrapassadas, em 23 de Outubro de 1147. Seguiram-se cinco dias de saque, assassínios e violações indiscriminadas de ambos, cruzados e portugueses, contra as populações islâmicas, judaicas e mesmo cristãs da cidade. Segundo o mito o próprio Bispo de al-Ushbuna foi morto pelos invasores interessados em roubar os tesouros da sua igreja. Trinta mil habitantes segundo as crónicas da época, foram escravizados, e muitos terão sido mortos ou fugido. Os restantes muçulmanos são delimitados a um bairro próprio, a Mouraria. Dom Afonso Henriques toma posse oficialmente da cidade no dia 1 de Novembro, quando numa cerimónia religiosa, manda transformar a grande mesquita de sete cúpulas, a Aljama, em Sé Catedral. O Bispo é Gilbert de Hastings, um cruzado inglês, e a muitos dos cruzados mais proeminentes são doadas terras da região e títulos. Santo António nasce em 1195 na cidade com o nome de Fernando de Bulhões. O Rei daria o Foral em 1179, e tentaria recuperar as ligações comerciais da cidade inaugurando uma grande nova feira ou mercado. O resultado destes esforços é que os mercadores Portugueses Cristãos ou Judeus não só retomam algumas ligações comerciais da antiga al-Ushbuna, como na Andaluzia (Sevilha e Cádiz), e no Mediterrâneo, até Constantinopla, como abrem-se novas vias para os portos da Europa do Norte, que os muçulmanos raramente visitavam devido às diferenças ideológicas. De facto a primeira vocação da Lisboa Medieval Cristã é, mais uma vez, a mediação do comércio entre o Mar do Norte e o Mediterrâneo, mas graças aos avanços na navegação oceânica os volumes são cada vez maiores. Casas de mercadores Portugueses abrem em Sevilha, Southampton, Bruges e nas cidades da Hansa, e os Judeus Portugueses continuam a comercializar com os seus primos no Norte de África. Trocam-se as especiarias, sedas e mezinhas mediterrâneas; ouro, marfim, arroz, alúmen, amêndoas e açúcar comprados aos Árabes e Mouros; juntamente com o azeite, sal, vinho, cortiça, mel e cera portuguesas com os têxteis de lã ou linho finos, estanho, ferro, corantes, âmbar, armas, peles e produtos artesanais do Norte. São fundados estaleiros para a construção de mais barcos comerciais e militares, cuja Armada é essencial na protecção do comércio contra os piratas sarracenos. Para responder ao crescente pedido pelas populações cada vez maiores da Europa no Século XII e Século XIII, são estimuladas as inovações na construção dos barcos, que da barca forte mas tosca passam, numa síntese de saber cristão, viking e árabe, para a caravela (primeira referência em 1226), o primeiro verdadeiro navio atlântico. Às profissões ligadas à navegação, como carpinteiros e marinheiros, são dados privilégios e protecção, incluindo a criação em Lisboa de um Juiz próprio, o Alcaide do Mar (1242). Um efeito indirecto de todo este dinamismo de Lisboa é a ruína dos comerciantes germânicos, que faziam o mesmo comércio por ter uma rota mais dispendiosa mas a única possível quando os navios muçulmanos e os seus piratas controlavam o sul de Espanha e o estreito de Gibraltar entre os Países Baixos e a Hansa e a Itália e os seus portos. O Sacro Império Romano-Germânico perde influência sobre os seus reinos, ducados e cidades-estado constituintes, e os mercadores alemães, até aí senhores do comércio Europeu, são forçados a procurar novos mercados a oriente. No seguimento desta prosperidade, e com o aumento de segurança em Lisboa com a conquista definitiva dos Algarves no século XIII, em 1256, Afonso III de Portugal constata o óbvio e escolhe a maior e mais vigorosa cidade do seu Reino para Capital, movendo para aí a Corte, os Arquivos e a Tesouraria (que estavam em Coimbra). Dom Dinis, o primeiro Rei a presidir todo o seu reinado em Lisboa, cria aí a Universidade em 1290, que transfere para Coimbra em 1308, apenas devido aos conflitos crescentes dos estudantes com os lisboetas. É nesta altura que a zona onde hoje está o Terreiro do Paço é reclamada ao mar, através de drenagens do terreno já lamacento (era rio livre até ao tempo da conquista, mas sedimentou devido aos depósitos do rio). Novas ruas são desenhadas, como a Rua Nova, e o Rossio torna-se pela primeira vez centro da cidade, roubando essa distinção à colina do Castelo. Outras construções de Dom Dinis foram uma muralha frente ao novo Cais da Ribeira contra os piratas, e renovações do Palácio Árabe (a Alcáçova, destruída no Terramoto de 1755) e da Sé. Além das colónias de Portugueses nas cidades do Norte da Europa, colónias de mercadores do resto da Europa estabelecem-se em Lisboa, uma das mais importantes cidades do comércio internacional. Sem contar com os Judeus (que já existiam como Portugueses), os Genoveses são os mais numerosos, acompanhados de Venezianos e outros Italianos, além de Holandeses e Ingleses. Estes mercadores trazem para Portugal novas técnicas cartográficas e de navegação, além de técnicas bancárias, financeiras e outras conhecidas como o sistema do Mercantilismo, além de conhecimentos das origens Asiáticas dos produtos de luxo como as sedas e especiarias, que trazem do Oriente Bizantino e Islâmico. Politicamente as tensões com Castela são contrabalançadas com uma Aliança assinada em 1308, que perdurou ininterruptamente até hoje, com o principal parceiro comercial de Lisboa (e também do Porto), a Inglaterra. A aliança forma um dos dois lados da Guerra dos Cem Anos, no outro lado estão, além de Castela, a França. No tempo de Fernando de Portugal inicia-se uma guerra com Castela, e os barcos lisboetas com canhões são recrutados assim como os Genoveses num ataque mal-sucedido a Sevilha. Em resposta os castelhanos põem cerco a Lisboa, tomando-a em 1373, mas são pagos para se retirarem. É no seguimento deste desastre que são construídas as Grandes Muralhas Fernandinas de Lisboa. Socialmente em baixo viviam todo o tipo de jornaleiros e mercadores de rua, além dos pescadores e dos agricultores das hortas de vegetais. São desta época as várias Ruas dos ofícios, nas quais se organizavam as corporações dos mesteriais, dirigidos pelos Mestres: Rua do Ouro (ourives); Rua da Prata (joalheiros de pratas); Rua dos Fanqueiros; Rua dos Sapateiros; Rua dos Retroseiros e Rua dos Correeiros. Estas corporações educavam os aprendizes e tinham sistemas de protecção social e controlo dos preços que beneficiavam os seus membros. A aristocracia, atraída pela corte, estabelecia-se construindo grandes palácios, e desempenhava funções burocráticas. Mas a mais importante classe social de Lisboa, mesmo após o ganho de funções políticas enquanto capital, era a dos mercadores, a burguesia que era a força deste núcleo comercial que era dos mais importantes da Europa. São os magnatas do comércio que controlam a cidade e o seu Concelho oligárquico. É devido às necessidades destes que se organizam na cidade os profissionais: banqueiros para coordenar os riscos; homens das Leis para proteger e manipular os seus direitos legais; especialistas e cientistas para construir os seus barcos e instrumentos de navegação. Com a sua influência, conseguem extrair da Monarquia medidas mercantilistas que os favorecem, e são o grande impulso à exploração de novos mercados. A Companhia das Naus é fundada, uma verdadeira companhia de Seguros, que exige pagamento de cotas obrigatórias de todos os armadores em troca da partilha de perdas após naufrágios, organizando os mais de quinhentos grandes navios dos magnatas da cidade. Com os crescentes lucros, os mercadores mais ricos adquirem títulos de nobreza, enquanto os fidalgos mais pobres se dedicam ao comércio. Entre as minorias, contavam-se as dos Judeus e dos Muçulmanos (não só mouros mas também árabes e latinos islamizados de língua árabe). Havia uma grande Judiaria que ocupava as freguesias de Santa Maria Madalena, São Julião e São Nicolau, na Rua Nova e dos Mercadores (onde ficava a Grande Sinagoga). Os Judeus (talvez 10% da população, ou mesmo mais) são grandes comerciantes, com ligações aos seus correligionários por toda a Europa, Norte de África e Médio Oriente, e os que não praticam o comércio constituem grande parte dos letrados, como médicos, advogados, cartógrafos e especialistas nas ciências ou artes. A sua actividade é fundamental para a vitalidade da economia da cidade. Entres Judeus Sefarditas de Lisboa contam-se grandes nomes como os Abravanel. No entanto são forçados a viver separadamente, proibidos de sair à noite, obrigados a usar distintivos nas vestes e pagam impostos extra, além de serem sempre as primeiras vítimas em situações de revolta popular. A Mouraria era o gueto correspondente para os muçulmanos, contendo a Grande Mesquita, situada na Rua do Capelão. Contudo não eram prósperos e educados como os Judeus, já que as elites muçulmanas tinham fugido para o Norte de África, enquanto os Judeus letrados falantes de Português não tinham outra Pátria. A maioria eram trabalhadores de baixo nível de qualificações com salários baixos, e muitos eram escravos de cristãos. Também eles tinham de usar símbolos nas vestes e pagar impostos extra, e sofriam as violências das multidões. O termo saloio provém do imposto especial que os muçulmanos pagavam e que cultivavam as hortas nos limites da cidade, o salaio;  assim como o termo alfacinha vem do cultivo desses vegetais pelos árabes, então pouco consumidos no Norte.
No entanto a prosperidade da cidade viria a ser interrompida. Em 1290 ocorre o primeiro grande terramoto histórico, morrendo milhares de pessoas e desmoronando-se muitos edifícios. Novos terramotos registam-se em 1318, 1321, 1334, 1337 e um grande em 1344 que destrói parte da Sé e da Alcáçova, em 1346, 1356 (destrói outra porção da Sé), 1366, 1395 e 1404 possivelmente todos resultantes de reajustamentos na mesma falha. A fome surge em 1333 e em 1348 surge pela primeira vez a Peste Negra, que terá morto metade da população, com novos surtos de menor mortandade em cada década, à medida que nasciam mais pessoas susceptíveis. Estas catástrofes destruíram em Lisboa, como na restante Europa, a Civilização vibrante da Baixa Idade Média, com as suas catedrais e o seu espírito de Cristandade universal, mas prepararam o caminho para o surgimento da nova Civilização dos Descobrimentos e do novo espírito científico.
 
Revolução: Lisboa conquista Portugal
O novo capitulo da história de Lisboa nasce com a grande revolução da Crise de 1383-85. Após a morte de Fernando de Portugal, o Reino passaria para o Rei de Castela. Os grandes aristocratas e clérigos do Norte, possuidores de grandes propriedades no Sul que adquiriram após a Reconquista, tem interesses e cultura semelhantes às dos Castelhanos com ênfase nas distinções sociais baseadas na possessão da terra, no espírito de cruzada contra os Mouros no Norte de África, e nos benefícios da união de toda a Hispânia. Contudo não são esses os interesses dos mercadores de Lisboa (muitos dos quais pequenos fidalgos). Para Lisboa, a união com Castela significaria uma diluição das ligações comerciais com a Inglaterra e o Norte, e também com o Médio Oriente; além de um desvio de atenções dos privilégios aos mercadores e da construção de barcos comerciais e de guerra, para os exércitos terrestres e os privilégios aos Nobres. É por isso que os mercadores e pequenos fidalgos mercantes apoiam antes o Mestre de Avis, Dom João. A guerra de 1383 é no fundo uma guerra entre a Aristocracia conservadora católica e medieval, muito semelhante e ligada às suas congéneres Galega e Castelhana, do antigo Condado Portucalense centrado no Minho; e os mercadores ricos e pluralistas de Lisboa. Os Nobres do Norte tinham fundado e conquistado o País e para eles o domínio crescente de Lisboa ameaçava a sua supremacia enquanto a aliança com os Nobres Castelhanos a restabelecia. Para os Lisboa, uma cidade do comércio, as práticas feudais e as guerras terrestres dos Castelhanos eram um risco para os seus negócios. São os burgueses que ganham a luta, com as suas ligações inglesas e capitais avultados: o Mestre de Avis é aclamado João I de Portugal, vencendo o cerco de Lisboa de 1384, e a Batalha de Aljubarrota sob liderança de Nun'Álvares Pereira em 1385 contras as forças de Castela e dos fidalgos do Norte. A nova aristocracia portuguesa é formada a partir dos mercadores Lisboetas, e é só a partir desta data que o centro de Portugal passa realmente do Norte para Lisboa, tornando Portugal numa espécie de cidade-estado, em que quase apenas os seus interesses determinam o rumo e a independência do País. Os novos nobres burgueses constroem os seus palácios ou paços no bairro de Santos; outros edifícios são os da Universidade em Alfama, que regressa a Lisboa; a Igreja do Carmo; a Alfândega; e alguns dos primeiros edifícios de habitação em toda a Europa com vários andares, até cinco. A cidade é composta de ruas estreitas e tortuosas, a maioria de terra batida, em que as casas alternam com as hortas e os pomares. A cidade continua a crescer, e o largo abandono das técnicas de regadio muito produtivas dos muçulmanos significam que é necessário importar trigo da Castela, França, terras do rio Reno e até de Marrocos. Lisboa é uma cidade que cresce demasiado para o País, e este torna-se num território circundante semelhante aos de outras cidades comerciais. Lisboa, juntamente com Antuérpia no Atlântico servem a mesma função de organização do comércio que Veneza, Génova, Barcelona ou Ragusa no Mediterrâneo; ou Hamburgo, Lubeck e outras no Báltico.
A politica externa segue os interesses de Lisboa: são assinados acordos comerciais e de cooperação com as cidades-estado comerciais de Veneza (acordo de 1392), Génova (1398), Pisa e Florença, cujos mercadores já habitavam na cidade, e muitos dos quais são naturalizados e se tornam Nobres Portugueses. Ceuta é conquistada em 1415 para permitir aos mercadores Lisboetas um melhor controlo local (e luta contra os piratas sarracenos) do comércio Mediterrânico que passava para o Norte através das Colunas de Hércules assim como a exportação do trigo marroquino a melhores preços. Além disso nesse tempo Ceuta recebia as caravanas do ouro e do marfim, comércio que os Lisboetas queriam dominar, e temia-se a tomada da cidade pelos Castelhanos da rival Sevilha ou dos Aragoneses de Barcelona. A Aliança com a Inglaterra, um dos seus maiores clientes, é prosseguida.
 
Lisboa a Senhora dos Mares
Esta colaboração estreita com os Italianos, que dominavam a navegação no Mediterrâneo desde o tempo do Império Romano, trouxe frutos à cidade de Lisboa. Várias expedições se empreenderam com tripulações Italianas e Portuguesas, nas quais foram descobertos os arquipélagos dos Açores, Madeira e Canárias. Alguns afirmam que terão mesmo chegado ao Brasil. Estas ilhas permitem o estabelecimento de novas cidades-portos, úteis para a exploração de novos mercados. A prosperidade de Lisboa fica ameaçada quando o Império Otomano invade e conquista os territórios Árabes do Norte de África, Egipto e Médio Oriente no século XV. Os Turcos são inicialmente hostis aos interesses de Lisboa e das suas aliadas Veneza e Génova, e o comércio das especiarias, ouro, marfim e outros bens sofre fortemente. Os mercadores de Lisboa, muitos descendentes de Muçulmanos ou Judeus com ligações ao Norte de África, reagem procurando negociar directamente com as fontes dessas mercadorias, sem usar os mediadores Muçulmanos. As ligações dos Judeus Portugueses aos Judeus Magrebinos, e a conquista de Ceuta, permitem aos mercadores de Lisboa espiar os mercadores Árabes, descobrindo que o ouro, os escravos e o marfim vêem para Marrocos em caravanas pelo deserto do Saara, a partir das terras do Sudão (que nesse tempo incluía todas as pradarias a sul do Deserto, o actual Sahel); e que as especiarias como a Pimenta são levadas para os portos do Mar Vermelho no Egipto a partir da Índia. A nova estratégia dos mercadores Portugueses, Cristãos e Judeus, e Luso-Italianos é navegar directamente à fonte dos materiais. O grande impulsionador deste objectivo é o Infante Dom Henrique, que se baseia na cidade de Tomar. Sede da Ordem de Cristo (antigos Templários), e de uma grande comunidade de mercadores Judeus, a cidade está também muito ligada a Lisboa pelo comércio dos cereais e frutos secos (uma das principais exportações de Lisboa). Os capitais e conhecimentos do Oriente dos Templários e Judeus foram sem dúvida fundamentais para se conseguirem os propósitos dos mercadores Lisboetas. O Infante Dom Henrique é o impulsionador de um projecto que não foi ele que imaginou, mas sim os mercadores de Lisboa. Estes que sustentavam através dos impostos e taxas alfandegárias a Monarquia, tornando-a praticamente independente dos recursos dos Nobres territoriais, convertem-na aos seus propósitos mercantilistas. O Infante Dom Henrique é o organizador de um certo dirigismo de Estado: os grandes riscos e capitais necessários à abertura das novas rotas precisam da cooperação de todos os mercadores através do Estado (como hoje muitos projectos de grande capital são empreendidos internacionalmente). O Infante Dom Henrique organiza e dirige os esforços dos navios portugueses de atingir as fontes do ouro, marfim e escravos, que estes por si mesmos já empreendiam de forma ineficiente. Com os capitais da Ordem de Cristo, são fundadas escolas de marinheiros e concentrados recursos e conhecimentos, dos mercadores Lisboetas Judeus, Luso-Genoveses ou Luso-Venezianos, para atingir o objectivo. Várias expedições são lançadas sob a forma de contratos com alguns dos mais influentes burgueses de Lisboa, até que o Golfo da Guiné é finalmente atingido por volta de 1460. Nesta época há nova tentativa dos Nobres Feudais nortenhos que permaneceram, de retomar o controlo do Reino, assustados com a crescente prosperidade dos mercadores lisboetas contra as suas perdas de rendimento. O propósito é a facilidade da conquista de Ceuta, que abre perspectivas de mais conquistas relativamente fáceis no Norte de África. Esta empresa seria favorável aos nobres, que ganhariam saque e mais terras e arrendatários em Marrocos, mas é contrária aos interesses dos Mercadores-Fidalgos e Judeus de Lisboa, que seriam os pagadores dos impostos extra necessários às expedições e que procuram antes investir as forças e recursos do Reino na descoberta dos novos mercados Africanos e Asiáticos e não em aumentar ainda mais o poder da hostil e pró-castelhana Nobreza Portucalense. Todas as lutas que Dom João II de Portugal manteve, com a ajuda dos mercadores Lisboetas, contra esses Nobres exprimem esta realidade subjacente de luta entre Lisboa e o Norte, o antigo Portucale berço da nação, pela definição do rumo do País. Após várias conspirações e incidentes, nas quais, novamente, os Nobres Nortenhos pedem auxílio aos seus congéneres Castelhanos, vencem mais uma vez Lisboa e os seus mercadores, e os cabecilhas são executados, entre os quais os Duques de Bragança e Viseu, mortos em 1483 e 1484. Todos os projectos de expansão terrestre em África são abandonados em troca do comércio nas novas terras descobertas mais a Sul. Depois da morte do Infante Dom Henrique, quando o caminho já estava aberto, inicia-se a iniciativa privada. O mercador Lisboeta Fernão Gomes é o primeiro, sendo-lhe reconhecido monopólio sobre o comércio africano em 1469, em troca de descoberta de 500 quilómetros de costa para Sul a cada ano e 200.000 reais. As ilhas da Madeira e dos Açores receberam população, e programas de cultivo de produtos comerciais para Lisboa são implantados prioritariamente: a cana de açúcar e o vinho. Na recém-descoberta Guiné, produtos baratos como potes de metal e tecidos são trocados por ouro, marfim e escravos a partir de feitorias controladas pelos Lisboetas: os nativos deslocam a sua actividade económica para trocar com os Europeus, mas não são conquistados, já que seria dispendioso. Fazem-se casamentos dos habitantes das feitorias com as filhas dos chefes locais, facilitando as trocas: o objectivo é o lucro e não a colonização. O resultado é um novo impulso para o comércio de Lisboa. Na capital aparecem o açúcar de cana e o vinho da Madeira, o trigo de Ceuta, o almíscar, o indigo e outros corantes de roupa, algodão do Norte de África e significativas quantidades do ouro da Guiné e do Reino do Gana, em grande falta na Europa no fim do século XV. Além disso são traficados de forma brutal escravos Berberes das Canárias e depois Africanos. Os primeiros escravos são distribuídos pelo território Português, e aparecem os primeiros Africanos de pele escura mesmo nas terras do interior, comprados pelos senhores das propriedades. Um produto inovador foram as malaguetas. Estes frutos picantes seriam cultivados na Índia (para onde foram levadas pelos mercadores Lisboetas) mas são originárias da Guiné. Rapidamente este bem de monopólio Lisboeta ganhou favor na culinária Mediterrânica. Contudo os melhores mercados e produtos viriam de outra descoberta, a Índia e o Oriente. A guerra entre o Império Otomano e Veneza aumenta muito os preços da pimenta e outras especiarias e da seda trazidas pelos venezianos para a Itália, para Lisboa e daí para o resto da Europa a partir do Egipto (que recebia barcos árabes vindos da Índia no Mar Vermelho. Para contornar o "problema turco" é organizada a viagem de Vasco da Gama, mais uma vez por iniciativa dos mercadores Lisboetas mas com capital régio, que chega à Índia em 1498. Daí os mercadores atingem a China onde fundam a colónia comercial de Macau, as ilhas da Indonésia, e o Japão antes do fim do século XVI. No caminho estabelecem contratos comerciais em portos de escala com os chefes e Reis em Angola e Moçambique. Um grande Império colonial é consolidado por Afonso de Albuquerque, cuja armada segura o Oceano Índico e portos em localizações convenientes, para os mercadores vindos de Lisboa contra a competição dos turcos e árabes. Não são tomados territórios mas apenas portos e fortes de trocas com os nativos. Do outro lado do Mundo, Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil em 1500. O resultado para Lisboa são os novos produtos que trafica com a restante Europa em regime exclusivo durante muitos anos: além dos produtos africanos chega a pimenta, canela, gengibre, noz moscada, plantas medicinais, tecidos de algodão e os diamantes pela Carreira das Naus da Índia; as especiarias da Molucas, as porcelanas Ming e a Seda da China, os escravos de Moçambique, o pau-brasil e o açúcar brasileiros. Além disso continua o comércio do peixe (bacalhau salgado pescado na Terra Nova), os frutos secos e o vinho. As outras cidades portuguesas, como o Porto e Lagos, contribuem para o comércio externo apenas de forma marginal, praticamente limitando-se a exportar e importar de Lisboa. Os Lisboetas controlam ainda muito do comércio de Antuérpia, da qual importam tecidos finos para o resto da Europa. Os mercadores Alemães e Italianos, vendo as suas rotas, terrestres no caso dos primeiros, Mediterrâneas para os segundos, largamente abandonadas, fundam grandes casas comerciais em Lisboa reexportando os produtos de todo o mundo para o Leste da Europa e para o Médio Oriente. Lisboa é o mercado para os gostos de luxo das elites de toda a Europa: Veneza e Génova arruínam-se e a Inglaterra e Holanda vêem-se obrigadas a imitar os Portugueses para travar as perdas de divisas. Os Lisboetas controlam durante várias décadas todo o comércio desde o Japão até Ceuta. A cidade ganha fama que chega a mito, e no século XVI é sem dúvida a mais rica cidade de todo o Mundo. Para ela migram comerciantes de toda a Europa, que se misturam com as já substanciais minorias Judaicas e Muçulmanas, além dos grandes números de escravos Africanos (seriam entre um décimo e um quinto da população) e até alguns Indianos, Chineses e mesmo Japoneses e Índios brasileiros. No tempo do Rei D. Manuel I de Portugal, nas ruas de Lisboa as festas são feitas com desfiles de leões, elefantes, rinocerontes, camelos e outros animais não vistos na Europa desde o tempo do Circo Romano. Um rinoceronte e um elefante chegam inclusivamente a ser oferecidos ao Papa. Na Europa o mito de Lisboa e das suas descobertas é tão grande que quando Thomas More inventa a sua ilha da Utopia, tenta dar-lhe credibilidade dizendo que foram os Portugueses a descobri-la. Para organizar todo o comércio privado e recolher os impostos, são criadas na capital do século XVI as grandes Casas Portuguesas de comércio: a Casa da Mina, a Casa de Arguim, a Casa dos Escravos, a Casa da Flandres (Países Baixos) e a célebre Casa da Índia. Os grandes lucros são usados na construção de outros edifícios: são deste século o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém no novo estilo Manuelino (que evoca o comércio de além-mar), o Forte de São Julião da Barra numa ilha do Tejo, o Terreiro do Paço, o novo e imponente Palácio Real (destruído em 1755) e o Arsenal militar todos construídos junto ao Mar da Palha; e ainda o Hospital Real de Todos-os-Santos, e inúmeros palácios e solares privados. O impulso à pavimentação das ruas com formas geométricas e desenhos formados por cubos de calcário branco e basalto preto (a calçada portuguesa) foi um luxo iniciado na época, que outras cidades da Europa não podiam pagar. A cidade expandia-se atingindo quase 200.000 habitantes, sendo construído o Bairro Alto, inicialmente conhecido por Vila Nova dos Andrades em honra dos ricos burgueses galegos que aí se estabeleceram, e que rapidamente se torna o bairro mais rico da cidade. É inaugurada em 1552 a Feira da Ladra, que ainda funciona hoje no mesmo local. Culturalmente vive no século XVI em Lisboa a geração de ouro das Ciências e Letras portuguesas: entre os cientistas o humanista Damião de Góis (amigo de Erasmo e Lutero), o matemático Pedro Nunes, o médico e botânico Garcia da Orta e Duarte Pacheco Pereira; entre os escritores Luís de Camões, Bernardim Ribeiro, Gil Vicente e outros. Isaac Abravanel, um dos maiores Filósofos Hebreus, é nomeado Tesoureiro do Rei. Socialmente todas as classes beneficiam. Os fidalgos urbanos da administração Real e os Burgueses são os mais beneficiados, mas mesmo o povo vive com luxos inatingíveis para os Ingleses, Franceses ou Alemães seus contemporâneos. Os trabalhos pesados necessários são feitos pelos escravos Africanos e pelos Galegos. Os primeiros são vendidos na Praça do Pelourinho, sendo separadas as famílias, e trabalham todo o dia sem salário, sujeitos a tratamento brutal. Aos segundos certamente compensava a viagem face às condições miseráveis da Espanha rural, e a língua praticamente idêntica facilitava a integração. Os Judeus incluem como sempre alguns pobres e outros que se contam entre os mais educados e ricos comerciantes, financeiros e letrados da cidade. Em 1496 os espanhóis expulsam os Judeus do seu território, animados pelo espírito fundamentalista de uma Monarquia exclusivamente cristã. Muitos vêm para Lisboa, tendo provavelmente a sua população duplicado (seriam depois da expulsão um quinto dos Lisboetas, ou mesmo mais). Em troca de um casamento real, os Reis Católicos de Castela e Aragão pedem a D. Manuel I de Portugal que faça o mesmo. Reconhecendo à importância central dos Judeus na prosperidade da cidade, Dom Manuel decreta antes que todos os Judeus são Cristãos e não os deixa sair do País. Durante muitos anos estes cristãos-novos praticam o Judaísmo em segredo ou abertamente e apesar de motins e violências contra eles (como muitas crianças que são arrancadas dos pais e dadas a famílias cristãs que as tratam como escravos) são tolerados até à implantação da Inquisição em Portugal, muitos anos depois. O resultado é a ascensão social dos cristãos-novos. Temporariamente sem as limitações dos Judeus, progridem até aos mais elevados cargos da corte. Novamente são as antigas elites descendentes da antiga aristocracia das Astúrias e da Galiza (os Nobres de Portucale) que criam problemas à ascensão social dos Judeus, frequentemente melhor educados e mais hábeis que eles. O mal-dizer dos Cristãos-Velhos culmina em massacres dos Cristãos-Novos em 1506 incitados pelos Priores menores das Igrejas. Vários milhares terão sido assassinados,  só terminando com a derrota pelas tropas do Rei das milícias populares. Como resultado dos conflitos, o Rei é persuadido pelos Nobres territoriais a introduzir a Inquisição (em 1531) e as limitações legais a todos os descendentes de cristãos-novos (semelhantes às antigas contra os Judeus), que os impedem de ameaçar os cargos superiores do Estado à Aristocracia dos cristãos-velhos. O primeiro auto-de-fé (morte de heréticos na fogueira) é realizado no Terreiro do Paço em 1540. Além da Inquisição surgem outros problemas. Em 1569 há a grande Peste de Lisboa, em que terá morrido um terço da população. A inquisição mata na fogueira muitos Cristãos-novos, mas expropria a propriedade e as riquezas de muitos outros. Muitos mercadores cristão-velhos são expropriados também após uma denúncia anónima falsa, que os inquisidores aceitam como válida já que as riquezas dos condenados para eles revertem. Por outro lado poucos mercadores não teriam ascendência cristã-nova, devido aos casamentos comuns entre filhos de burgueses que eram sócios em empresas importantes. A Inquisição torna-se assim um instrumento de controlo social na posse dos antigos cristãos-velhos contra quase todos os mercadores Lisboetas, restituindo-lhes finalmente a supremacia há muito perdida.
É neste clima de intolerância e perseguição, em que os lucros obtidos pelos riscos e o génio dos mercadores bem sucedidos é desfeito pela inveja dos grandes proprietários de terras (que rendem muito menos), que a prosperidade de Lisboa é destruída. O antigo clima Liberal propício ao comércio desaparece e é substituído por um fanatismo católico e conservadorismo absolutos. Às elites do País exige-se o sangue puro antigo e cristão-velho, ou seja, do Norte. Muitos dos mercadores fogem para a Inglaterra ou Holanda onde se estabelecem difundindo os conhecimentos navais e cartográficos dos Portugueses. Lisboa é tomada pelas mentalidades feudais dos Grandes Nobres, e os mercadores Portugueses, sem condições de estabilidade, segurança, apoio e crédito devido às perseguições da Inquisição, são incapazes de competir com os mercadores Ingleses e Holandeses (muitos deles de origem Portuguesa) que lhes roubam os mercados da Índia, Indonésia e China. Em sua substituição as elites de Portucale convencem o débil Rei, Sebastião de Portugal a virar-se para a conquista de um Império territorial, com mais terras e rendimentos para os Nobres, no Norte de África, que lhes permitiria manter a supremacia económica frente aos mercadores. Após o desastre militar de Alcácer-Quibir em 1578, os Aristocratas recolhem-se mais uma vez aos braços dos seus congéneres de mentalidade semelhante de Castela. Desta vez bem sucedidos, em 1580 o Castelhano Filipe II de Espanha é declarado Rei Dom Filipe I de Portugal, depois de derrotar o candidato dos enfraquecidos mercadores, o Prior do Crato, Dom António (o qual era cristão novo e mais liberal, filho de mãe Judia). Filipe I completa assim a ambição do seu pai o Habsburgo Rei Carlos I de Espanha também Imperador Carlos V do Sacro Império Romano (Alemanha), e Senhor da maior parte da Itália e Holanda que afirmara famosamente Se fosse Rei de Lisboa, seria em breve Rei do Mundo.
 
Domínio Filipino
Filipe I de Portugal, o primeiro dos Habsburgos Portugueses, é assim o primeiro Rei da Hispânia. Apesar de desde 1492 os Reis Católicos Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão terem dominado o que hoje é a Espanha, o título de Rei das Espanhas foi inicialmente usado para Felipe II quando conquistou Portugal e portanto, de facto, todas as Espanhas. Filipe I tenta inicialmente conciliar os interesses da Nobreza na aquisição de mais territórios na Europa, do Clero em derrotar os Protestantes e da burguesia em eliminar a concorrência e pirataria dos Ingleses e Holandeses. Todos os barcos capazes de acção militar de Lisboa, Sevilha e Barcelona são reunidos numa Invencível Armada que é enviada contra a Inglaterra. Devido a uma grande tempestade e à perícia dos Almirantes Ingleses, a armada é destruída. Esta derrota converte finalmente o Rei aos interesses da Nobreza territorial. Grandes exércitos (os Terços) de mercenários, pagos pelos mercadores e comandados pelos grandes Aristocratas de sangue puro Cristão-Velho, como o Duque de Alba, são formados e atravessam a Europa para tomar as cidades e terrenos férteis dos Países Baixos Calvinistas para o benefício dessa mesma Nobreza. Enquanto isso os Holandeses e Ingleses dominam os mares, e incapazes de conquistar os Impérios territoriais Espanhóis do México e Peru, concentram-se em tomar as feitorias, portos e colónias costeiras dos Portugueses, que traficam com Lisboa. São tomados os portos Nordestinos do Brasil, Luanda em Angola, portos da África Oriental, o Cabo da Boa Esperança, Ceilão (hoje Sri Lanka), Malaca e as Ilhas Molucas na Indonésia, a ilha de Formosa (hoje Taiwan), a licença de comércio no Japão e outros portos. Lisboa, com os seus mercadores já sob perseguição da Inquisição (que expropriava os Cripto-Judeus e mesmo os Cristãos genuínos), perdera grande parte da sua frota no desastre da Invencível Armada que pagava impostos altíssimos para sustentar os Exércitos dos Nobres Espanhóis na Europa, perde agora a maioria dos seus portos e produtos e é finalmente e irreversivelmente arruinada, rapidamente perdendo importância. Em 1598 a catástrofe é aprofundada por um terramoto e pela peste. Finalmente Filipe II de Portugal torna-se exclusivamente Filipe III de Espanha e depois o seu filho apenas Filipe IV de Espanha quando, sob conselho da Nobreza Castelhana e com a aquiescência dos Nobres territoriais Portugueses, absorve o Reino de Portugal no Reino de Espanha. Lisboa, a grande cidade cosmopolita é agora uma cidade de província sem qualquer influência junto dos Grandes Espanhóis de sangue puro, que governam da então Conservadora e Fundamentalista Católica Madrid. Nesta época a cidade perde actividade económica e habitantes, diminuindo a população até menos de 150.000. As construções deste período cabem em duas categorias: as defesas contra os piratas do Norte, e os edifícios religiosos que apelam para a lealdade à Monarquia Universal Católica pretendida pelo Rei. Foram construídos o Torreão, um maciço edifício junto ao Terreiro do Paço, que não sobreviveu ao terramoto de 1755; o Convento de São Vicente de Fora; novas muralhas com novas disposições de acordo com a engenharia militar da época, como a Torre do Bugio numa ilha no meio do Mar da Palha; e fortificações em Cascais, Setúbal e na margem Sul. Os piratas ingleses e holandeses, como Francis Drake, fazem diversos ataques a algumas praças Portuguesas, mas não se atrevem a atacar Lisboa. Com o declínio económico e o desemprego, aumenta muito a miséria e a criminalidade. As autoridades Espanholas são obrigadas a introduzir uma espécie de corpo policial, os quadrilheiros que patrulham as ruas da cidade e controlam o crime de rua, as lutas, a bruxaria e o jogo. Segundo algumas crónicas do tempo, a taxa de assassinatos no início do ano 1600 seria mesmo superior, numa cidade de 150.000 pessoas, à de hoje em Lisboa com 2.500.000. Os problemas para o comércio na cidade aumentam quando os Catalães, um povo mercador como o de Lisboa, também oprimidos pelas taxas castelhanas, se revoltam em 1636. É a Portugal que Madrid vem exigir os homens e os fundos para derrotar os Catalães, numa tentativa de usar os de Portugal contra os da Catalunha.
É então que os mercadores da cidade se aliam à pequena e média nobreza. Tentam convencer o Duque de Bragança, Dom João, a aceitar o trono, mas este, como o resto alta Nobreza, é beneficiado por Madrid e só o prospecto de se tornar Rei o convence finalmente. Os conspiradores assaltam o Palácio do Governador, aclamando o novo Rei Dom João IV de Portugal, com o apoio inicialmente do Cardeal Richelieu de França, e depois a velha Aliança retomada com a Inglaterra.
 
O Ouro do Brasil
A Lisboa pós-Restauração é uma cidade cada vez mais dominada pelas ordens religiosas Católicas. Mais de 40 conventos são fundados na cidade em adição aos 30 já existentes, e os religiosos ociosos cuja sustentação é assegurada pelas esmolas e expropriações, contam-se aos muitos milhares, constituindo mais de 5% da população da cidade. O clima político é cada vez mais conservador e autoritário e a Inquisição, depois de destruída a classe mercadora, concentra-se no controlo das mentalidades, vigiando as ideias e a criatividade, que suprime em nome da pureza da Religião. Os segundos e terceiros filhos, que não recebem a profissão do pai, e que antes se dedicavam ao comércio e às empresas além-mar, agora simplesmente se refugiam nas ordens religiosas e vivem à conta de outrem, a maioria das vezes de forma apenas superficialmente religiosa. A situação de ruína económica é finalmente resolvida não pelos projectos bem sucedidos dos mais capazes empreendedores, mas pela exploração colonial pura e pelos subsídios do Estado: é descoberto Ouro no Brasil, no actual Estado de Minas Gerais. O Estado Português, sem quase nada contribuir, apossa-se por impostos de um quinto do ouro extraído, que começa a chegar a Lisboa em 1699 e cujas receitas Reais rapidamente chegam às várias toneladas anuais (mais de 15 toneladas após 1730) representando quase todo o orçamento do Estado. A desligação do empreendimento económico e da riqueza, devido ao ouro que é extraído por uma fracção do custo, permite a manutenção do novo clima conservador autoritário na Capital. Em Portugal o Poder é de quem tem o Ouro, que não deseja reformas e pretende manter o Antigo Regime. Será nesta data de falsa prosperidade que o País se tornará irremediavelmente atrasado em relação ao Norte.
Com o ouro, obras faraónicas simbólicas da finalmente atingida supremacia absoluta das forças sociais conservadoras Portuguesas, o Clero Católico e a Aristocracia Territorial, são construídas no novo estilo da Contra-Reforma, o Barroco. O mais significativo é o gigantesco Convento de Mafra (acabado em 1730 por mais de 50.000 trabalhadores, mas nunca usado), nos arredores da cidade;  o Panteão Nacional (ou Igreja de Santa Engrácia) em Lisboa;  grandiosas modificações do Palácio Real juntamente com inúmeros Palácios Aristocráticos e algumas obras úteis mas construídas com desperdício, como o Aqueduto das Águas Livres (1720). Contrastando com a enorme riqueza corrupta das altas elites, o povo vive na miséria. A cidade cresce com a necessidade de mão-de-obra para as construções faraónicas, para 185.000, mas após as obras não há emprego.

Fonte: Wikipédia. 
 

................................................................
Publicado por: Praia da Claridade às 00:21
Link do post | comentar | ver comentários (4)
Sábado, 30 de Julho de 2005

Humor...


Passarinhos...

Um motociclista ia, por uma estrada, a 130 km/h.
De repente, deu um encontrão a um passarinho que não conseguiu esquivar-se:  ... PANG !!...
Pelo retrovisor, o tipo ainda viu o bicho dando várias piruetas no asfalto até ficar estendido. Não podendo conter o remorso ecológico, parou a motorizada e voltou para socorrer o bichinho.
O passarinho estava lá, inconsciente, quase morto.
Era tal a angústia do motociclista que ele recolheu a pequena ave, comprou uma gaiolinha e levou-o para casa, tendo o cuidado de deixar um pedaço de pão e água para o acidentado.
No dia seguinte, o passarinho recupera a consciência.
Ao despertar, vendo-se preso, cercado por grades, com o pedacinho de pão e a vasilha de água no cantinho, o bicho põe a mão, ou melhor, a asa na cabeça e grita:

- M**da !!!...  Matei o gajo da mota !!!...
Publicado por: Praia da Claridade às 00:20
Link do post | comentar | ver comentários (5)

Lisboa...

LisboaMarquesPombal_1930.jpg

Conhecem este local ?

Há quem não conheça assim de repente...
Mas é uma fotografia espectacular para termos de comparação !
Trata-se do MARQUÊS DE POMBAL, Lisboa, no ano de 1930.

Escreva um comentário a esta relíquia !
Não se desculpe que não sabe comentar neste Blog...

-Imagem recebida de: Fernando Bento-

Publicado por: Praia da Claridade às 00:10
Link do post | comentar | ver comentários (9)

Provérbios portugueses


HOJE  temos  a  LETRA  - B -


  • Baleias no canal, terás temporal.
  • Barco parado, não faz viagem.
  • Barcos virão, novas trarão.
  • Barriga cheia, companhia desfeita.
  • Bem mal ceia quem come de mão alheia.
  • Bem toucada, não há mulher feia.
  • Besta grande, Cavalo de pau.
  • Boa amizade, segundo parentesco.
  • Boa árvore, bons frutos.
  • Boa cepa, Maio a deita.
  • Boa fama granjeia quem não diz mal da vida alheia.
  • Bocado comido não faz amigo.
  • Boda molhada, boda abençoada.
  • Bodas em Março é ser madraço.
  • Boi em terra alheia é vaca.
  • Boi luzidio nunca tem fastio.
  • Boi velho com os ossos lavra.
  • Boi velho gosta de erva tenra.
  • Bolsa despejada, casa amargurada.
  • Bolsa leve, coração pesado.
  • Bom é saber calar até ser tempo de falar.
  • Bom rei, se quereis que vos sirva, dai-me de comer.
  • Bom serás, se morto estás.
  • Brigas de namorados, amores dobrados.
  • Burro com fome, cardos come.
  • Burro que geme, carga não teme.
  • Burro velho não aprende línguas.
  • Burro velho, mais vale matá-lo que ensiná-lo.
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
  • Publicado por: Praia da Claridade às 00:07
    Link do post | comentar | ver comentários (1)
    Sexta-feira, 29 de Julho de 2005

    O pé... e a mão...


    Em anatomia, o   é a extremidade dos membros dos animais terrestres que assenta no solo. No homem e outros bípedes, o termo aplica-se  apenas à parte final das extremidades inferiores.

    Em zoologia, usa-se o termo bípede para qualificar os animais terrestres que se deslocam normalmente na posição vertical, como o homem e outros primatas, assentando no solo apenas as extremidades inferiores:  [ a perna, tal como o braço, é composta por trinta ossos articulados entre si, o que promove uma ampla diversidade de movimentos durante a locomoção. Temos a identificar:  a parte superior (ou coxa) articulada com a perna (em sentido mais restrito)  no joelho que, por sua vez, se articula com o pé pelo tornozelo. Um membro inferior, no ser humano, está articulado com o tronco pela anca ].

    O pé dos mamíferos divide-se em 3 partes:

    • Tarso  -  a parte superior, que liga com os ossos da perna;
    • Metatarso  -  a parte mediana;  e
    • Dedos - o número básico é de 5 dedos que normalmente se encontram virados para a parte dianteira do animal, mas nos ungulados, é a ponta dos dedos (que geralmente estão reduzidos em número e composição) que assenta no solo.  (Ungulado é a designação dada aos mamíferos cujas patas são protegidas por cascos).

    Existem ainda outros termos para designar vulgarmente algumas partes do pé:



    • "Planta do pé" -  a parte do pé dos bípedes que assenta no solo; é formada pelo calcanhar e pela face inferior dos ossos metatarsais e das falanges e é coberta por pele mais espessa do que no resto do corpo;
    • O calcanhar é a expressão vulgar para o osso calcâneo;
    • O tornozelo é a articulação do pé com a perna.

    Nas aves, o pé tem geralmente 4 dedos que podem ser oponíveis, 2 a 2 ou 3 mais um, para segurar o suporte em que elas se assentam.

    Nos animais invertebrados, os pés têm uma estrutura muito diferente da descrita acima, dependendo do filo a que pertencem. Um filo é correspondente a uma Divisão, que é um grupo taxonómico (biologia).

    Por extensão, utiliza-se o termo pé para indicar a parte de qualquer objecto que assenta num suporte (chão, mesa, etc.),  como na expressão pé da mesa. Também se usa vulgarmente este termo para designar o caule ou o pedúnculo das flores ou frutos das plantas vasculares.



    A  mão  é a parte final de cada extremidade superior (ou braço), principalmente nos mamíferos bípedes, mas também se usa esse termo e os nomes de muitos dos seus constituintes para designar os órgãos equivalentes em muitos vertebrados (as extremidades dos membros anteriores)  e mesmo em alguns invertebrados, como nas pinças de alguns artrópodes, como os caranguejos.

    A mão divide-se geralmente em três regiões:
    Carpo, metacarpo e dedos.

    Tal como nos restantes órgãos pares, as mãos são simétricas.

    A mão do ser humano

    A mão com um dedo oposto aos restantes  - o polegar -  foi uma aquisição evolutiva extremamente importante, pois permitiu a estes animais a utilização de instrumentos, com os quais podem mais facilmente defender-se e modificar o meio ambiente para melhor sobreviverem (Edgar Morin, no seu "O Paradigma Perdido" refere-se  à dialéctica "pé - mão - cérebro").

    A mão tem 27 ossos principais, sendo 8 do carpo; 5 do metacarpo e 14 falanges, mais um número variável de pequenos ossos sesamóides.

    Os movimentos da mão humana são realizados por dois conjuntos de músculos, os intrínsecos, ou seja, que se encontram na própria mão, e os extrínsecos - os flexores e extensores longos, que se encontram no antebraço.

    Os músculos intrínsecos são os tenares e hipotenares, respectivamente ligados ao 1º e 5º dedos, os músculos interósseos muscles (entre os metacarpais, quatro dorsais e três volares) e os músculos lumbricas. Estes músculos têm origem no flexor profundo, e são especiais por não terem origem em ossos.

    Os músculos extrínsecos são os dois flexores longos, localizados na parte interna do antebraço e que se ligam por tendões às falanges – que são muito visíveis nas “costas” da mão. O flexor profundo liga-se às falanges distais e o flexor superficial liga-se às falanges médias. Estes músculos são responsáveis pela flexão dos dedos. O polegar tem um flexor longo e um curto no grupo de músculos tenares, para além dos músculos oponente, abductor e rotador.

    A mão e a cultura humana

    A importância da mão na cultura humana  –  como órgão que “segura” (o poder)  -  está patente em muitas expressões como, por exemplo:

    • ”Conheço-o como a palma da minha mão”
    • ”Em segunda mão”  (que já teve outro possuidor)
    • ”Governar com mão de ferro ou com pulso de ferro”
    • ”... à mão direita de Deus-pai...”
    A grande capacidade de movimentos da mão permitiu ao homem - aprendendo pela observação de animais  -  desenvolver as linguagens de sinais, não só para melhorar a comunicação entre surdos e mudos, mas também para utilizar em situações especiais, como no teatro e entre navios ou pessoas que se encontram fora do alcance do ouvido, mas que se podem observar entre si.

    Outra possibilidade (também existente nos restantes primatas)  é a utilização da mão como arma, não só fechada num punho, mas também noutras posições, como nas artes marciais.
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    Publicado por: Praia da Claridade às 00:11
    Link do post | comentar | ver comentários (3)

    Humor...


    O homem e a mulher

    O homem gosta de pescar de madrugada e a mulher gosta de ler.

    Uma manhã, o marido volta de horas pescando e resolve tirar uma soneca.

    Apesar de não conhecer bem o lago, a mulher decide pegar no barco do marido e ler no lago.

    Ela navega um pouco, ancora, e continua lendo o seu livro.

    Chega um guarda do parque no seu barco, pára ao lado da mulher e diz:


    - Bom dia, minha senhora. O que está fazendo?

    - Lendo um livro - responde, e pensando: será que não é óbvio?

    - A senhora está numa área restrita em que a pesca é proibida - informa.

    - Sinto muito, sr. guarda, mas não estou pescando, estou lendo.

    - Sim, mas com todo o equipamento de pesca. Pelo que sei, a senhora pode começar a qualquer momento. Se não sair daí imediatamente, terei que multá-la e processá-la.

    - Se o senhor fizer isso, terei que acusá-lo de assédio sexual! - diz a mulher.

    - Mas eu nem sequer lhe toquei!... - diz o guarda.

    - É verdade, mas o senhor tem todo o equipamento. Pelo que sei, pode começar a qualquer momento.

    - Tenha um bom dia, minha senhora - diz ele e vai embora.


    MORAL:
    Nunca discuta com uma mulher que lê.  É certo que ela pensa!!!

    -enviada por F. Bento-
    Publicado por: Praia da Claridade às 00:07
    Link do post | comentar | ver comentários (1)
    Quinta-feira, 28 de Julho de 2005

    Lisboa...

    LisboaTorreBelem1863.jpg
    Lisboa, Torre de S. Vicente de Belém – 1863

    Quantos de nós reconhecemos imediatamente o local de onde esta fotografia foi tirada ?   Cento e quarenta e dois anos foi o suficiente para que a paisagem fosse quase totalmente alterada. Salvou-se a Torre por motivos de protecção ao património, apenas isso. Mas a força desta fotografia permanece inalterada, independentemente do que representa ou evoca em termos patrimoniais.
    Daqui a cento e quarenta e dois anos o que verão aqui os Lisboetas ?
    (Joaquim Narciso Possidónio da Silva)
    http://retorta.typepad.com/esteticmetric/ ?
    -Recebida de: Fernando Bento-

    Publicado por: Praia da Claridade às 00:17
    Link do post | comentar | ver comentários (3)

    O Avião


    avião  é uma aeronave mais pesada que o ar. Uma aeronave é um avião quando possui asas fixas (mesmo que elas possuam partes móveis e/ou dobradiças).

    Duas características comuns a todos os aviões são a necessidade de um fluxo constante de ar pelas asas para a sustentação da aeronave, e a necessidade de uma área plana e livre de obstáculos onde eles possam alcançar a velocidade necessária para descolar, ou diminuí-la, no caso de uma operação de pouso. A maioria dos aviões, porém, necessita de um aeroporto dispondo de uma boa infra-estrutura para receber adequada manutenção e reabastecimento, e para a deslocação de tripulantes, carga e passageiros, quando estes se apresentam em número razoável. Enquanto a grande maioria dos aviões pousa e descola em terra, alguns são capazes de fazer o mesmo em corpos de águas calmas.

    O avião é actualmente o meio de transporte civil e militar mais rápido do planeta. Aviões a jacto comerciais podem alcançar até 875 km/h, e percorrer um quarto da esfera terrestre em questão de horas, e mesmo pequenos aviões mono-motores são capazes de alcançar facilmente 175 km/h ou mais de velocidade de cruzeiro. Já aviões supersónicos, que operam actualmente apenas para fins militares, podem alcançar velocidades que superam em várias vezes a velocidade do som.

    Componentes básicos

    Seja um pequeno Citation ou um gigantesco Airbus A380, qualquer avião possui algumas características em comum:

    Partes fixas

    • A presença de asa(s):  o que parece ser um par de asas é, na verdade, uma estrutura única rigidamente conectada com a fuselagem da aeronave. Os aviões podem ser monoplanos (uma asa), biplanos (duas asas) ou triplanos (três asas). A maioria dos aviões são monoplanos. A asa é também onde geralmente se armazena o combustível necessário para o empuxo da aeronave. Não se deve confundir a asa com o aerofólio.
    • A presença de uma fuselagem (ou corpo principal):  em aeronaves menores, o combustível necessário para o empuxo da aeronave é acondicionado na parte traseira do seu corpo principal.
    • Um motor (propulsor) que serve para o empuxo da aeronave tanto no solo quanto no ar. Pode ser uma turbina ou um turbo-hélice. Os propulsores podem estar localizados sob ou sobre as asas e/ou na parte traseira ou frontal da fuselagem.
    Partes móveis

    • Os ailerons estão localizados na asa da aeronave. Actuam sempre ao mesmo tempo, para inclinar o avião no seu eixo longitudinal, e assim o avião pode virar para esquerda ou para direita.
    • Leme: que se situa, na maioria dos aviões, na parte traseira da aeronave, também conhecida como cauda, é uma parte móvel da aeronave que serve, juntamente com os ailerons, para controlar a direcção da aeronave.
    • Os elevadores, por sua vez, estão localizados numa estrutura que parece um par de asas traseiras, mas que na verdade, possui a função oposta das asas. Esta estrutura, o aerofólio, serve como um contra-balanço da aeronave, dando equilíbrio à aeronave em voo.
    • Os profundores, localizados no aerofólio, permitem que o avião gire em seu eixo lateral, e assim possa subir ou descer.
    • Um trem de pouso (trem de aterragem, em Portugal) que permite que o avião transite em solo.
    • Flaps e alhetas, que mudam o perfil da asa do avião, ajudando na sustentabilidade e no controle da velocidade da aeronave no ar, ambas em operações de baixa velocidade (operações de pouso e descolagem, por exemplo).
    Sustentação

    Um avião alça voo devido a reacções aerodinâmicas que acontecem quando o ar passa em alta velocidade pela asa.

    Quando o ar passa pela asa, é forçado a passar ou por baixo ou por cima desta. O comprimento da asa é maior na parte superior e, segundo as leis da aerodinâmica, o fluxo de ar torna-se mais rápido, para compensar a maior distância a ser tomada. Isto diminui sensivelmente a pressão do ar sobre a asa;  a diferença de pressão sob e sobre as asas cria a sustentação necessária para o voo.

    Também actuam na sustentação, em muito menor escala, as leis da inércia, formuladas por Isaac Newton: uma força actuando numa dada direcção e num dado corpo tende a ser balanceado por outra força com mesma potência e de direcção oposta. Como as asas dos aviões tendem a fazer curva para baixo, é criado um fluxo de ar nesse sentido e, como consequência, o avião recebe um empuxo de mesma força no sentido oposto: para cima.

    Os aviões necessitam de uma velocidade elevada para que a diferença entre a pressão do ar sob e sobre a asa seja suficiente para a sustentação da aeronave. Devido a essas altas velocidades, um avião precisa percorrer uma certa distância em solo, antes de alcançar a velocidade suficiente para a descolagem, o que justifica a necessidade de um terreno longo e plano para a atingir. Para aeronaves maiores e mais pesadas, maior terá de ser o comprimento da pista e a velocidade necessária para a descolagem, dado o maior esforço necessário.

    Tipos de aviões

    Aviões turbo-hélices

    Os aviões turbo-hélices fazem uso de motores de combustão, que por sua vez, fazem girar uma hélice, que cria o empuxo necessário para a movimentação da aeronave para frente. São relativamente silenciosos, mas possuem velocidades, capacidade de carga e alcance menores do que os similares, a jacto.
    Porém, são sensivelmente mais baratos e económicos do que os aviões a jacto, o que os torna a melhor opção para pessoas que desejem possuir um avião próprio ou para pequenas companhias de transporte de passageiros e/ou carga.

    Aviões a jacto

    Aviões a jacto fazem uso de turbinas para a criação da força necessária para a movimentação da aeronave para frente. Aviões a jacto possuem muito mais força e criam um empuxo muito maior do que aviões que fazem uso de turbo-hélices. Como consequência, podem carregar muito mais peso e possuem maior velocidade do que os turbo-hélices. Um problema, porém, é a grande quantidade de som criada por uma turbina; isto torna aviões a jacto uma fonte de poluição sonora.

    Grandes widebodies ("corpos largos"), como o Airbus A340 e o Boeing 777, podem carregar centenas de passageiros e várias toneladas de carga, podendo percorrer uma distância de até 13 mil quilómetros - pouco mais que um quarto da circunferência terrestre.

    Aviões a jacto possuem altas velocidades de cruzeiro (700 a 900 km/h) e velocidades de descolagem e pouso (150 a 250 km/h).
    Numa operação de aterragem, devido à alta velocidade, o avião a jacto faz grande uso de flaps e alhetas nas asas para o controle de velocidade, e de reverse engine (a turbina gera um fluxo de ar para frente, e não para trás, como acontece habitualmente, com o intuito de diminuir a velocidade da aeronave) no pouso propriamente dito (aterragem).

    Aviões super-sónicos

    Aviões super-sónicos, como o Concorde  (que já não voa...)  e caças militares, fazem uso de turbinas especiais, que geram a maior potência necessária para o voo, mais rápido que a velocidade do som. Além disso, o desenho do avião super-sónico apresenta certas diferenças com o desenho em aviões sub-sónicos, tudo de modo a superar do modo mais fácil possível a barreira do som.

    O voo em velocidade super-sónica cria muito mais poluição sonora do que o voo em velocidades sub-sónicas. Isto limita os voos super-sónicos a áreas de baixíssima ou nenhuma densidade populacional.
    Quando passam em uma área de maior densidade populacional, os aviões super-sónicos são obrigados a voar em velocidade sub-sónica.

    História

    O sonho de voar remonta, para o Homem, desde a pré-história. Muitas lendas, crenças e mitos da antiguidade envolvem ou possuem factos relacionados com o voo, como a lenda grega de Ícaro. Leonardo da Vinci, entre outros inventores visionários, desenhou um avião, no século XV. Com o primeiro voo feito pelo homem (Francois Pilatre de Rozier e Francois d'Arlandes) numa aeronave mais leve que o ar, um balão, o maior desafio tornou-se na criação de uma máquina mais pesada do que o ar, capaz de alçar voo por meios próprios.

    Anos de pesquisas por muitas pessoas ávidas do tão sonhado voo produziram resultados fracos e lentos, mas contínuos. Em 28 de Agosto de 1883, John J. Montgomery tornou-se a primeira pessoa a fazer um voo controlado em uma máquina mais pesada do que o ar, num planador. Outros aviadores que fizeram voos semelhantes naquela época foram Otto Lilienthal, Percy Pilcher e Octave Chanute.

    No começo do século XX, o primeiro voo numa máquina mais pesada do que o ar, capaz de gerar a potência e sustentação necessária por si mesmo, foi realizada. Porém, isto é um facto polémico, em que um de dois aviadores são creditados:  o brasileiro Santos Dumont ou os irmãos norte-americanos Wilbur e Orville Wright.

    Os irmãos Wright são creditados como os responsáveis pelo primeiro voo num avião, na maior parte do mundo, incluindo os Estados Unidos.
    O primeiro voo dos irmãos foi realizado em 17 de Dezembro de 1903, em Kitty Hawk. Porém, críticos dos irmãos afirmam que este voo não teve testemunhas credíveis (4 salva-vidas e um garoto), dado o isolamento com que haviam sido feitos os testes. Outro facto mencionado é o uso de uma catapulta, para a descolagem da aeronave criada pelos irmãos, o Flyer.

    Vários especialistas dão a Alberto Santos Dumont o crédito de ter sido a primeira pessoa a realizar um voo numa aeronave mais pesada do que o ar por meios próprios, dado que o Kitty Hawk dos irmãos Wright só deixou de necessitar de uma catapulta em 1908. O voo de Santos Dumont foi realizado no 14-Bis, em Paris, França. O voo não somente foi bem testemunhado por locais e pela imprensa, como foi verificado por vários aviadores e autoridades. Porém, Santos Dumont é creditado como a primeira pessoa a realizar um voo numa aeronave mais pesada do que o ar apenas no Brasil, e, em menor escala, na França e em Portugal, sendo isto matéria de debate até hoje.

    Guerras na Europa, em especial, a primeira guerra mundial, serviram como palco de testes para o uso do avião como armamento. Primeiramente visto por generais e comandantes como um "brinquedo", o avião provou ser uma máquina de guerra capaz de causar sérios estragos nas linhas inimigas. Na primeira guerra, grandes ases surgiram, dos quais o maior foi o alemão Barão Vermelho. Do lado aliado, o ás com a maior quantidade de aeronaves abatidas foi René Fonck, da França.

    Após a primeira guerra mundial, os aviões passaram por inúmeros avanços tecnológicos. Charles Lindbergh tornou-se a primeira pessoa a cruzar o Oceano Atlântico num voo solo sem escalas, em 20 de Maio de 1927. Os primeiros voos comerciais foram realizados entre os Estados Unidos e o Canadá, em 1919.
    A turbina a jacto estava em desenvolvimento na década de 1930, sendo que aviões a jacto militares já estavam operacionais nos anos 40.

    Os aviões desempenharam um papel fundamental na segunda guerra mundial, tendo presença, seja maioritária ou minoritária, em todas as batalhas mais importantes e conhecidas da guerra, especialmente no Ataque a Pearl Harbor, nas batalhas do Pacífico e no Dia D. Também constituíam parte essencial de várias das novas estratégias militares da época, como a Blitzkrieg alemã ou os Porta-aviões americanos e japoneses.

    Em Outubro de 1947, Chuck Yeager, no seu Bell X-1, foi a primeira pessoa a ultrapassar a barreira do som. O recorde mundial de velocidade para um avião de asa fixa é de 7 297 km/h, Mach 6.1, da aeronave X-15.

    Aviões, tanto militares quanto civis, continuaram a alimentar Berlim Ocidental com suprimentos, em 1948, quando o acesso a suprimentos via ferrovias e estradas à cidade, completamente cercada pela Alemanha Oriental, foi bloqueado, por ordem da União Soviética.

    O primeiro jacto comercial, o De Havilland Comet, foi introduzido em 1952, e o primeiro jacto comercial de sucesso, o Boeing 707, ainda nos anos 50. O Boeing 707 iria desenvolver-se depois no Boeing 737, a linha de aviões de passageiros mais usada do mundo, no Boeing 727, outro avião de passageiros bastante usado, e no Boeing 747, o maior avião comercial do mundo até 2005, quando foi superado pelo Airbus A380.

    Desenhando e construindo um avião

    Pequenos aviões, para um ou no máximo dois passageiros, podem ser construídos em casa, por aviadores que possuem muito conhecimento técnico na área de física e aerodinâmica. Outros aviadores com menos conhecimentos fazem os seus aviões usando kits de pequenas aeronaves, com peças pré-fabricadas, e montando a aeronave em casa.

    Aviões produzidos desta maneira, porém, são uma minoria. Dada a sua delicadeza, aviões que são construídos por companhias construtoras de aviões com o objectivo de os comercializar em quantidade para outros clientes precisam de passar por um processo minucioso e demorado de planeamento, por motivos de segurança impostos pela lei sobre a aviação do país da companhia construtora. Isto pode durar até 4 anos, em pequenos turbo-hélices, a 12 anos, em aviões com o porte do A380.

    Neste processo, estabelecem-se em primeiro lugar os objectivos da aeronave. Uma vez completa, a empresa construtora usa um grande número de desenhos e equações, tudo calculado em teoria, estimando o comportamento da aeronave. Os computadores são actualmente muito utilizados por companhias construtoras de aviões como um meio de desenho e planeamento do avião. Pequenos protótipos, ou certas partes do avião são, então, testados em túneis de vento, para verificar a aerodinâmica da aeronave.

    Quando o avião é aprovado neste processo, constrói-se um número limitado destes aviões, para a sua testagem como um todo no solo. Atenção especial é dada aos motores (ou turbinas) e às asas.

    Depois de aprovado, pelo processo acima indicado, a companhia construtora é autorizada, por um órgão competente de aviação ou transportes em geral, a fazer um primeiro voo.
    Quando o comportamento da aeronave não apresenta suspeitas de falhas, os voos-teste continuam até que o avião tenha cumprido todos os requisitos necessários. Então, o órgão público competente de aviação ou transportes do país, autoriza a companhia a produção em massa da aeronave.

    Nos Estados Unidos, este órgão é a Federal Aviation Administration (FAA),  e na União Europeia, a Joint Aviation Authorities (JAA).  Estes dois são as companhias de regulamentação de aeronaves mais importantes do mundo. No Canadá, o órgão público encarregado de regulamentar e autorizar a produção em massa de aeronaves é o Departamento de Transportes do Canadá.

    No caso do comércio internacional de aviões, uma licença do órgão público de aviação ou transportes do país onde a aeronave está a ser comercializada também é necessária. Por exemplo, aeronaves da Airbus precisam ser certificadas pela FAA para serem vendidas nos Estados Unidos e vice-versa, aeronaves da Boeing precisam ser aprovadas pela JAA para serem comercializadas na União Europeia.

    Produção industrializada

    São relativamente poucas as companhias que produzem aviões em larga escala. Porém, a produção de um avião por uma dada companhia é um processo que envolve outras dezenas, ou talvez centenas, de outras empresas e fábricas, que produzem partes determinadas da aeronave. Por exemplo, uma empresa pode ser responsável pela produção do trem de pouso, enquanto outra é responsável pelo radar. A produção de tais peças não se limita a apenas algumas cidades de um dado país; no caso de grandes companhias de fabricação de aeronaves, tais peças podem vir de diversas partes do mundo.

    Uma vez fabricadas, as peças são enviadas para a fábrica principal da companhia aérea onde está localizada a linha de produção.  As diferentes peças juntam-se umas às outras, no final, produzindo a aeronave. No caso de grandes aviões, podem existir linhas de produção dedicadas especialmente à montagem de certas partes de grande porte da aeronave, como as asas e a fuselagem.

    Quando pronto, um avião passa por uma rigorosa inspecção, em busca de falhas e defeitos e, sendo aprovado nesta inspecção, o avião é testado por um piloto, num voo-teste, de forma a assegurar que os controles da aeronave estão todos em ordem. Com este teste final, o avião está pronto para receber os "retoques finais" (configuração interna, pintura, etc.),  e pronto a ser enviado aos seus clientes.

    Segurança

    Estatísticas mostram que o risco de um acidente aéreo é muito pequeno. É mais provável sofrer um acidente indo até ao aeroporto de carro do que durante o voo. Por que, entretanto, tantas pessoas demonstram medo só de entrar num avião?  Talvez isso se deva ao facto de, no caso de um acidente, o risco de mortalidade em acidentes aéreos ser extremamente alto.

    A maioria dos acidentes em aviões ocorre devido a falha humana, isto é, devido ao erro dos pilotos ou torre de controle. Em seguida, a falha mecânica é a maior causa de acidentes aéreos, que também pode envolver um componente humano (exemplo: negligência da companhia aérea em realizar a manutenção). Tempo adverso é a terceira maior causa de acidentes.
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
    Publicado por: Praia da Claridade às 00:15
    Link do post | comentar | ver comentários (1)
    Quarta-feira, 27 de Julho de 2005

    António Oliveira SALAZAR


    Político e estadista: 1889 - 1970

    1961:  O PIOR ANO DA MINHA VIDA


    A 22 de Janeiro, na América Central, o Henrique Galvão assalta o paquete Sta. Maria (Santa Liberdade, berram eles...). É pirataria das antigas, mas as outras Nações assim não o entendem. O Brasil dá asilo político aos piratas.

    A 4 de Fevereiro um bando de selvagens assalta as prisões de Luanda, querem libertar os presos políticos. Espicaçados, a reacção dos portugueses é heróica: de muceque em muceque, partem à caça dos terroristas.

    11 de Março... O General Botelho Moniz é um militar "craveirista", eu bem sabia disso. Mas quis neutralizá-los, convidei-o para meu Ministro da Guerra e muito me custou pôr de lado o Santos Costa. Enganei-me, isto já não funciona como dantes. A 11 de Março o Américo Tomás telefona-me a avisar que o Botelho Moniz e outros generais têm um golpe armado para me apear. Neste preciso momento os golpistas estão a assistir a um jogo de futebol entre as selecções militares de Portugal e Marrocos. Rapidamente vou de quartel em quartel, altero os comandos, esvazio o golpe. Depois do jogo, o Botelho Moniz ainda vem ao meu gabinete tentar uma solução pacífica, que eu trate de acabar com a Censura e outras parvoíces... Ele a falar e eu a lembrar-me de um outro Botelho Moniz fundador da Legião Portuguesa e comandante dos nossos Viriatos na guerra de Espanha. Este aqui degenerou, não saiu aos seus... Corto rente:
    - Senhor General, está demitido, queira retirar-se!

    Em Angola dão-me uma facada pelas costas.
    E agora, na minha própria casa, outra facada me queriam dar?

    A 13 de Março vou à Emissora Nacional e proclamo, espicaço:
    - Para Angola e em força!

    Mobilização, flores, fanfarras, a Pátria não se discute!

    Mas a 15 de Março a quadrilha do Holden Roberto começa a chacina no norte de Angola. Ele, que nem português sabe falar, é traidor de segunda financiado pelos americanos.

    A PIDE avisa-me que outros, dos que estudaram na Metrópole, como o médico Agostinho Neto e o engenheiro agrónomo Amílcar Cabral, também andam lá por fora a organizar movimentos terroristas de outro cariz. Fiz mal em ter aberto em Lisboa a Casa dos Estudantes do Império. Apesar de assimilados, e até licenciados, portugueses de segunda, de segunda serão sempre.

    A 21 de Abril há uma resolução da ONU a condenar a política africana de Portugal. Ninguém entende a nossa forma de estar no mundo, à qual um brasileiro chamou, e muito bem, de luso-tropicalismo. Não percebem que a nossa Nação é pluricontinental e plurirracial, é Una, vai do Minho a Timor e a Pátria não se discute.

    A 19 de Dezembro tropas indianas invadem Goa, Damão e Diu. Eu tinha ordenado que resistíssemos até ao último homem. O nosso martírio (e eu só estava à espera dele...) levaria ao ridículo internacional o incensado pacifismo de Nehru. Mas Vassalo e Silva, o comandante da nossa tropa, acovardou-se, rendeu-se, traiu-me. Fico muito abalado com a traição.

    Na noite de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro há uma tentativa de sublevação no quartel de Beja, e nela está envolvido o próprio Humberto Delgado. A PIDE está a par das movimentações. Abafa a revolta mas o susto é grande.

    Este foi o pior ano da minha vida.


    ORGULHOSAMENTE  SÓ

    Torno a levantar-me. Não vejo o barquinho, não sei o que é feito dele.

    Ingleses, franceses e belgas abandonaram a África e agora exigem que façamos como eles fizeram? Estão enganados, somos diferentes, não viramos costas à Pátria que dilatámos, soprados somos pelos ventos da História. Não querem ouvir-me e fico só, orgulhosamente só.

    Porventura em Portugal estarei mais só. Mas não me entrego, já disse que sou osso duro de roer. Hei-de vedar as brechas da União Nacional, ela tornará a ser o que foi no início, aglutinação de todas as direitas, a Direita, a única. Faço como sempre fiz, alivio o secundário, atarraxo o principal. Em 1958 dei aumento aos funcionários públicos mas, ao mesmo tempo, promovi a caça aos comunistas, o escultor Dias Coelho foi abatido na rua como um cão raivoso e a PIDE destroçou quase que por completo o aparelho clandestino dos lesa-Pátria. Em 1959 consenti que Portugal aderisse à EFTA, lancei o Plano de Fomento, abri linhas de crédito para as indústrias mas, ao mesmo tempo, dei caça ao Delgado e aos delgadistas.

    No meu tempo era a Direita que fascinava os estudantes universitários. Hoje parece que é a Esquerda, consequências da famigerada instrução que alastrou sem rei nem roque... Para esse perigo alertei os doutores que me cercam. Não me quiseram ouvir e aí está o resultado: em 1962 rebenta a crise académica de Lisboa. A um grupo de estudantes católicos chego mesmo a dizer:

    - Não estraguem as vossas vidas, não se metam em políticas, façam como eu, a minha política é o trabalho!

    Ouço que abafam risos. Só há um remédio, safanão a tempo, estudantes para o calabouço!

    Mais preocupado me deixa o Ultramar. Em 1963 os terroristas do Amílcar Cabral, traidor de segunda financiado pelos russos, abrem uma segunda frente na Guiné. Espicaço, vamos também em força para a Guiné! Para aliviar a pressão em Angola apoio a secessão catanguesa do ex-Congo Belga e o comunista Lumumba é justiçado. Mas em 1964 os terroristas do Eduardo Mondlane, outro traidor de segunda também financiado pelos russos, abrem uma terceira frente em Moçambique. Espicaço, vamos também em força para Moçambique! A Grã-Bretanha, os Estados Unidos, a Rússia, a ONU, exigem referendos para a autodeterminação das nossas Províncias Ultramarinas. Estão iludidos, não vou à fala, não converso com terroristas. Orgulhosamente sós, a Pátria não se discute!

    É-me já difícil manter o equilíbrio orçamental:  três guerras no Ultramar e o consequente sorvedouro financeiro, também a expansão económica da Metrópole que já não consigo domar... Paliativos? As remessas dos emigrantes, o turismo (com a consequente infecção da nossa moral e costumes), também o investimento estrangeiro. Assim começa a ser ofuscada a nossa forma de estar no mundo... É preocupante, mas pior que tudo são as traições. Em 1964 o Papa visita a Índia e, no ano seguinte, visita as Nações Unidas que tanto me atanazam. Não lhe perdoo, nem sequer quando vem a Fátima a 13 de Maio de 1967.

    As traições, as traições... Em 1965 há nova crise académica e Marcelo Caetano sai em defesa dos estudantes que levaram o merecido safanão. Logo ele, o meu ex-Ministro da Presidência... Tenho sonhado muito com o Rolão Preto, pesadelos.

    Não cedo, não arredo! Para aliviar a pressão em Moçambique, juntamente com a África do Sul apoio a independência da Rodésia de Ian Smith. E ainda em 65 mando assaltar e encerrar a Sociedade (dita Portuguesa) de Escritores, que premiou o romance de um terrorista angolano! E em 67 mando assaltar e fechar a Cooperativa Pragma (dita de acção cultural), aí os comunistas até fingiam de católicos. Para mais me perturbar, sei que ali também arengava o filho de um dos meus fieis.

    Ainda em 1967  bandidos comunistas assaltam a dependência do Banco de Portugal na Figueira da Foz e fogem com o dinheiro, que não é pouco.
    Mas o que é que andam a fazer a PIDE e a GNR e a PSP?
    Até essas forças já me falham?

    Bandidos mais perigosos são os estudantes, veja-se o que fizeram com o General De Gaulle em Maio passado. Esta subversão moderna tem de ter um ponto final! Começo por deportar o Mário Soares para S. Tomé. Só porque era o advogado da família Delgado, queria meter o bedelho aonde não era chamado...

    O Delgado, ai o Delgado... Uma das raras alegrias que eu tive nestes tempos conturbados, ocorreu em 1965. Em Argel conspiravam comunistas, delgadistas e outros "reviralhistas", queriam até aliciar a ingenuidade lusitana através das ondas curtas. Rosa Casaco, o meu fiel inspector da PIDE, de Argel conseguiu atrair o Delgado até perto de Olivença, emboscada. Estou a ver o general a chegar à fronteira a meio da noite, a morder o isco, a engasgar-se, a levar um tiro. E a apagar-se, obviamente. Dá-me vontade de rir e largo o corpo na cadeira.

    REQUIEM

    A 3 de Agosto de 1968 a cadeira prega-lhe realmente uma partida:  queda, a cabeça a bater no chão, hematoma cerebral, bloco operatório, diminuição das faculdades mentais. Depois de muito hesitar, Américo Tomás acaba por nomear Marcelo Caetano para a Presidência do Conselho de Ministros. Alguns destes, junto de Salazar, fingem que é ele ainda o Presidente do Conselho; ou ele finge acreditar na encenação e, a fingir, lá vai dando despacho aos assuntos correntes.

    Morre a 27 de Julho de 1970.
    81 anos de idade,  42 anos de poder ininterrupto.

    As suas pegadas marcaram Portugal.
    O tempo passa e elas ficam, dinossauros passearam por aqui.


    "vidaslusofonas"
    Fernando Correia da Silva
    Publicado por: Praia da Claridade às 00:16
    Link do post | comentar
    Terça-feira, 26 de Julho de 2005

    Para pensar...


    Carta escrita no ano de 2070

    Ano 2070.  Acabo de completar os 50 anos, mas a minha aparência é de alguém de 85. Tenho sérios problemas renais porque bebo muito pouca água. Creio que me resta pouco tempo de vida. Hoje sou uma das pessoas mais idosas nesta sociedade.
    Recordo quando tinha 5 anos: tudo era muito diferente, havia muitas árvores nos parques, as casas tinham bonitos jardins e eu podia desfrutar de um banho de chuveiro com cerca de uma hora.

    Agora usamos toalhas em azeite mineral para limpar a pele. Antes todas as mulheres mostravam a sua formosa cabeleira. Agora devemos rapar a cabeça para a manter limpa sem água. Antes o meu pai lavava o carro com a água que saía de uma mangueira. Hoje os meninos não acreditam que a água se utilizava dessa forma. Recordo que havia muitos anúncios que diziam: "CUIDA DA ÁGUA",  só que ninguém lhes ligava.
    Pensávamos que a água jamais podia acabar.

    Agora, todos os rios, barragens, lagoas e mantos aquíferos estão irreversivelmente contaminados ou esgotados. Antes a quantidade de água indicada como ideal para beber era oito copos por dia por pessoa adulta. Hoje só posso beber meio copo. A roupa é descartável, o que aumenta grandemente a quantidade de lixo; tivemos que voltar a usar os poços sépticos (fossas)  como no século passado porque as redes de esgotos não se usam por falta de água.

    A aparência da população é horrorosa:  corpos desfalecidos, enrugados pela desidratação, cheios de chagas na pele pelos raios ultravioletas que já não têm a camada de ozono que os filtrava na atmosfera. Imensos desertos constituem a paisagem que nos rodeia por todos os lados. As infecções gastrointestinais, enfermidades da pele e das vias urinárias são as principais causas de morte.

    A indústria está paralisada e o desemprego é dramático. As fábricas dessalinizadoras são a principal fonte de emprego e pagam-te com água potável em vez de dinheiro.

    Os assaltos por um bidão de água são comuns nas ruas desertas.
    A comida é 80% sintética. Pela ressequidade da pele, uma jovem de 20 anos está como se tivesse 40. Os cientistas investigam, mas não há solução possível. Não se pode fabricar água, o oxigénio também está degradado por falta de árvores, o que diminuiu o coeficiente intelectual das novas gerações.

    Alterou-se a morfologia dos espermatozóides de muitos indivíduos.  Como consequência há muitos meninos com insuficiências, mutações e deformações. O governo até nos cobra pelo ar que respiramos:  137 m3  por dia por habitante e adulto. Quem não pode pagar é retirado das "zonas ventiladas",  que estão dotadas de gigantescos pulmões mecânicos que funcionam com energia solar.  Não são de boa qualidade mas pode-se respirar. A esperança média de vida é de 35 anos.

    Em alguns países ficam manchas de vegetação com o seu respectivo rio que é fortemente vigiado pelo exército.  A água é um tesouro muito cobiçado, mais do que o ouro ou os diamantes. Aqui em volta não há árvores porque quase nunca chove, e quando chega a registar-se uma precipitação, é de chuva ácida.
    As estações do ano têm sido severamente alteradas pelas experiências atómicas e da indústria contaminante do século XX.  Advertiam-se que havia que cuidar o meio ambiente e ninguém fez caso.

    Quando a minha filha me pede que lhe fale de quando era jovem, descrevo o bonito que eram os bosques, falo-lhe  da chuva, das flores, do agradável que era tomar banho e poder pescar nos rios e barragens, beber toda a água que quisesse, tão saudáveis que nós éramos...
    Ela pergunta-me:  "Papá! Porque se acabou a água?"
    Então, sinto um nó na garganta; não posso sentir-me culpado, porque pertenço à geração que terminou destruindo o meio ambiente ou simplesmente não tomámos em conta tantos avisos. Agora os nossos filhos pagam um preço alto e sinceramente creio que a vida na Terra já não será possível dentro de muito pouco tempo, porque a destruição do meio ambiente chegou a um ponto irreversível.

    Como gostaria voltar atrás e fazer com que toda a Humanidade compreendesse isto, quando ainda podíamos fazer algo para salvar o nosso planeta Terra !...

    Documento extraído da revista biográfica "Crónicas de los Tiempos" de Abril de 2002.
    Publicado por: Praia da Claridade às 00:20
    Link do post | comentar | ver comentários (2)

    FILIPE FREITAS

    Pesquisar neste blog

     

    Figueira da Foz
    PORTUGAL




    Os meus outros cantinhos
    Clique nas duas imagens:
     



      Clique na imagem seguinte
            para ver o vídeo do

        Mar da Figueira da Foz


           Fonte Luminosa
           Figueira da Foz

          
    Video: Filipe Freitas



    SELO da minha Praia
    ..... pode levá-lo .....




    Músicas



    PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

    30/Janeiro/2005

    Os 50 Artigos mais Recentes

    Batalha da Roliça

    Revolução dos Cravos

    Massacre de Lisboa de 150...

    O Alasca foi vendido

    Páscoa: este ano é muito ...

    Feliz Dia de São Valentim...

    Padre António Vieira

    Centenário do Regicídio d...

    Descoberta da Vacina

    Daguerreótipo

    Feliz Ano de 2008 !

    Lua Azul

    Fossa das Marianas

    Flor-do-Natal

    Calçada da Fama

    Beatriz Costa

    Frank Sinatra

    Tubarão-touro

    Miguel de Vasconcelos

    Restauração da Independên...

    Egas Moniz

    Maiores campos de gelo e ...

    Tumba de Herodes

    A Bela Adormecida na Figu...

    Bola de ténis

    Qual a cidade mais fria d...

    Tautologia

    O maior grupo de lagos de...

    Macaronésia

    Chuva de estrelas

    Erupções vulcânicas

    Lenda de São Martinho

    Mário Viegas

    Muro de Berlim

    Libelinha

    Castanhas

    Falha de Santo André

    Quinze anos ao telemóvel

    Fotografia Aérea com Papa...

    Chuva de animais

    Pseudo-fruto

    Elevador da Glória

    1.º avião do mundo

    Maçã

    Funicular

    Amistad

    Turbante

    O primeiro satélite artif...

    José Hermano Saraiva

    Masseiras

    Arquivos Mensais

    Agosto 2008

    Abril 2008

    Março 2008

    Fevereiro 2008

    Janeiro 2008

    Dezembro 2007

    Novembro 2007

    Outubro 2007

    Setembro 2007

    Agosto 2007

    Julho 2007

    Junho 2007

    Maio 2007

    Abril 2007

    Março 2007

    Fevereiro 2007

    Janeiro 2007

    Dezembro 2006

    Novembro 2006

    Outubro 2006

    Setembro 2006

    Agosto 2006

    Julho 2006

    Junho 2006

    Maio 2006

    Abril 2006

    Março 2006

    Fevereiro 2006

    Janeiro 2006

    Dezembro 2005

    Novembro 2005

    Outubro 2005

    Setembro 2005

    Agosto 2005

    Julho 2005

    Junho 2005

    Maio 2005

    Abril 2005

    Março 2005

    Fevereiro 2005

    Janeiro 2005

    Temas

    acidentes

    açores

    actores

    alimentação

    ambiente

    animais

    arquitectura

    artes

    astrologia

    astronáutica

    astronomia

    aves

    aviação

    brasil

    cantinhos de portugal

    cantores

    capitais

    ciências ocultas

    civilizações

    crustáceos

    culinária

    curiosidades

    desportos

    electrónica

    energia

    fenómenos

    festividades

    figueira da foz

    filosofia

    geografia

    guerra

    história de portugal

    história mundial

    humor

    informática

    insectos

    lazer

    lisboa

    literatura

    locais sagrados

    madeira

    máquinas

    mar

    medicina

    medicina natural

    mistérios

    monumentos

    música

    natureza

    oceanos

    palácios

    peixes

    pensamentos

    pessoas célebres

    poemas

    poetas

    religião

    relíquias

    rios

    saúde

    superstições

    tecnologias

    tradições

    transportes

    turismo

    união europeia

    todas as tags

    Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

    Click for Coimbra, Portugal Forecast

    ........ Anjo da Paz ........

    Anjo da PAZ

    Blogues Amigos



    À Beira Mar


    A Iluminura


    A Magia das Palavras


    A Papoila


    A Serpente Emplumada


    Acerca do Mundo


    Amicus Ficaria


    Ana Luar


    Arodla 2006


    As the world turns


    Barão da Tróia


    Bella Mistura


    Bióloga Poetisa


    Blog da Berenice


    Blog da Dalva


    Blog das Trevas


    Blogamizade


    Blog Blogs SAPO


    Boanova


    Cantinho da Florinda


    Cantinho da TiBéu


    Canto da Conchita


    Chica Ilhéu - Açores


    Chuviscos


    Cidália Santos


    Competências


    Confraria das Bifanas


    Continua a Sorrir


    Dador de Madula Óssea


    Deixa-me !...


    Doença de Parkinson


    Domínio dos Anjos


    Dreamers of the Night


    Ecos do Tempo


    Escrevinhando com o Coração


    Eterna Parte de Mim


    Evasões Bárbaras


    Ex-Improviso


    Fadinha Arodla


    Fallen Angel - Marisocas


    Fátima Cidade de Acolhimento


    Floresta de Lórien


    FLP - Aloé Vera


    Formas & Meios


    Formiguinha Atómica


    Gatinhos Voadores


    Ideias e Ideais - Terceira


    Isis


    Janela Aberta


    José Lessa


    Lua e Estrela


    Mar y Sol


    Menina Marota


    Momentos a Dois


    Mudar o Template


    Noites do Amanhecer


    O Atónito


    O Estrelado


    O PALHETAS -Figueira da Foz-


    O Sal da Nossa Pele


    O Sino da Aldeia


    O Teu Doce Olhar


    Paraquedista


    Paredes de Coura


    Parkinson Campinas


    PAVANN


    Por Terras do Rei Wamba


    Princesa do Mar


    Putoreguila


    Quinto Poder


    Rumo ao Sul


    Sabor Latino


    Sabor da Cozinha


    Segunda Vida


    Sem Imaginação


    Sentimentos


    Som & Tom


    Sombreiro


    Terena, vila Alentejana


    Uma caracol falante


    Virtual Realidade






    Utilitários



    FIGUEIRA DA FOZ
    on-line

    O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



    Meteorologia




    Portal dos Sites