Terça-feira, 11 de Julho de 2006

As siglas poveiras

 
Exemplo de siglas poveiras hereditárias numa família de quatro filhos. A posição dos piques varia consoante a família.
 
                Exemplo de siglas poveiras,                    
    hereditárias numa família de quatro filhos.         
  A posição dos piques varia consoante a família.

 
 

As siglas poveiras ou marcas poveiras são uma forma de "proto-escrita primitiva", tratando-se de um sistema de comunicação visual simples usado na Póvoa de Varzim durante séculos, em especial nas classes piscatórias. Para se escrever usava-se uma navalha e eram escritas sobre madeira, mas também poderiam ser pintadas, por exemplo, em barcos ou em barracos de praia.
 
No passado, era também usado para recordar coisas; eram conhecidas como a «escrita» poveira, mas não formavam um alfabeto, funcionando tal como os hieróglifos; usada porque muitos pescadores eram desconhecedores do alfabeto latino, e assim as runas adquiriram bastante utilidade. Por exemplo, era usadas pelos vendedores no seu livro de conta fiada, sendo lidas e reconhecidas como reconhecemos um nome escrito em alfabeto latino. Os valores em dinheiro eram simbolizados por rodelas e riscos designando vinténs e tostões, respectivamente; e desenhados depois da marca de um dado indivíduo.
 
 
História
 
As siglas terão entrado em uso na Póvoa de Varzim devido à colonização viking entre os séculos IX e X e permanecido na comunidade devido à prática da endogamia e protecção cultural por parte da população.
 
Os vikings (por vezes usa-se a forma aportuguesada viquingues ou ainda varegues) eram guerreiros-marinheiros da Escandinávia que entre o final do século VIII e o século XI pilharam, invadiram e colonizaram as costas da Escandinávia, Europa e ilhas Britânicas. Embora sejam conhecidos principalmente como um povo de terror e destruição, eles também fundaram povoados e fizeram comércio pacificamente.
 
As marcas poveiras  eram usadas como brasão ou assinatura familiar para assinar os seus pertences – também existiram na Escandinávia, onde eram chamados de "bomärken".
 
As siglas foram estudadas, pela primeira vez, por António dos Santos Graça no seu livro «Epopeia dos Humildes». Editado em 1952, o livro contém centenas de siglas e a história e tragédia marítima poveiras. Outras das suas obras são "O Poveiro" (1932), "A Crença do Poveiro nas Almas Penadas" (1933) e "Inscrições Tumulares por Siglas" (1942).
 
 
Herança da marca
 
As siglas são brasões de famílias hereditários, transmitidos por herança de pais para filhos, têm simbolismo e só os herdeiros podem usar.
 
As siglas eram passadas do pai para o filho mais novo, aos outros filhos eram dadas a mesma sigla mas com traços, chamados de «pique». Assim, o filho mais velho tem um pique, o segundo dois, e por aí em diante, até ao filho mais novo que não teria nenhum pique, herdando assim o mesmo símbolo que o seu pai.
 
Na tradição poveira, que ainda perdura, o herdeiro da família é o filho mais novo tal como na antiga Bretanha e Dinamarca. O filho mais novo é o herdeiro dado que é esperado que tome conta dos seus pais quando estes se tornassem idosos.
 
 
Siglas e religião
 
Locais úteis para o estudo das siglas são os templos religiosos localizados não só na cidade e no seu concelho, mas também por todo o noroeste peninsular, em especial no Minho (em Portugal), mas também na Galiza (Espanha).
 
Os Poveiros, ao longo de gerações, costumavam gravar nas portas das capelas perto de areais ou montes a sua marca como documento de passagem, como se pode verificar na Nossa Senhora da Bonança, em Esposende, e Santa Trega (Santa Tecla) no monte junto a La Guardia, Espanha. A marca serviria para como que os poveiros que mais tarde a vissem, que passou por ali ou para trazer boa ventura a si mesmos pelo santo que fora venerar.
 
Em 23 de Setembro de 1991 é inaugurada nas festividades de Santa Trega, uma escultura em honra às siglas poveiras que recorda a antiga porta coberta de siglas da capela de Santa Trega, por forma a perdurar o que tinha sido perdido. Com a inauguração veio da Póvoa de Varzim uma expedição a bordo da lancha poveira "Fé em Deus", cujos pescadores subiram ao Trega e oraram na ermida dedicada à padroeira do Monte. Os montes perto da costa, por serem visíveis do mar, têm importância na religiosidade dos poveiros. Outrora, os pescadores iam ao monte rezar à santa num ritual com cantigas por forma a mudar os ventos para que pudessem regressar a casa.
 
Os templos de Senhora da Abadia e São Bento da Porta Aberta, em Terras de Bouro, São Torcato, em Guimarães e Senhora da Guia, em Vila do Conde tem todos também a marca de siglas poveiras durante a sua história.
 
No concelho, estas siglas podem ainda ser encontradas em especial na Igreja Matriz (desde 1757), mas também na Igreja da Lapa na cidade e na Capela de Santa Cruz em Balasar.
 
A mesa da sacristia da antiga Igreja da Misericórdia que serviu de Matriz até 1757 guardava em si milhares de siglas que serviriam para um estudo mais pormenorizado, mas foi destruída quando a igreja foi demolida. Os poveiros escreviam a sua sigla na mesa da igreja matriz quando se casavam como forma a registar o evento.
 
 
Marcas de peixe
 
O peixe apanhado na rede pertencia ao seu proprietário, quer seja lanchão ou sardinheiro; os peixes eram assim marcados com sigla e entregues às mulheres dos donos da rede. As marcas de peixe são golpes feitos em forma de sigla no peixe em diferentes pontos.
 
A tripulação de cada barco tinha também uma sigla que era usada por todos os tripulantes, caso estes mudassem de barco passariam a usar a sigla desse barco.
 
 
Uso actual de siglas
 
Apesar de já não ter o uso de outrora, alguns banheiros ainda colocam a sua marca familiar nos barracões, acontecendo o mesmo dentro do núcleo familiar com os pertences em algumas famílias típicas. A Casa dos Pescadores da Póvoa de Varzim ainda aceita as siglas como formas correctas de assinatura.
 
No entanto, não existe contudo uma política de salvaguarda por parte do município. Pelo contrário, com a recente reestruturação dos barracões, muitas das siglas dos concessionários desapareceram das praias.
 
Publicado por: Praia da Claridade às 00:12
Link do post | comentar
4 comentários:
De soaresesilva a 11 de Julho de 2006 às 19:55
Muito completo e interessantíssimo este teu artigo sobre as siglas poveiras. Desconheci-as completamente. Não é nada vulgar esse costume de ser o filho mais novo a herdar mais dos pais mas tem lógica...É exactamente o contrário do que o que se praticava na maioria dos países (Portugal inclusive) com a lei dos morgadios.
Quanto ao comentário que deixaste no meu blog, é claro que me lembro muito bem dos folhetins radiofónicos que seguíamos com todo o interesse. Lembro-me também que nos juntávamos em casa duns e doutros para ouvirmos na telefonia os relatos do hoquei em patins! E era como se estivéssemos a ver!


De sonia alves a 11 de Julho de 2006 às 22:13
ola ,vim aqui parA LHE AGRADECER O SEU COMENTARIO NO MEU BLOG ,adorei o seu por isso pode tirar o meu award ta /
um abraco e volte sempre


De arodla a 13 de Julho de 2006 às 19:12
Ando ás voltas com três sapos e três sapas por isso não tenho tido tempo de ler o texto direitinho. mas não sabia isso das siglas. Beijinho Aldora


De marius70 a 25 de Julho de 2006 às 19:30
Obrigado Filipe por mostrares aqui um pouco do homem do mar que é o Poveiro . Falarei um pouco mais sobre a Póvoa de Varzim e os Poveiros no meu Rumo ao Sul, terra que me viu nascer em 15 de Agosto quando lá chegar nas viagens que faço por este Portugal. Mas aqui fica um pouco do povo que é o meu.

http://marius70.blogs.sapo.pt/arquivo/623639.html

Um abraço

Um abraço



Comentar Artigo

FILIPE FREITAS

Pesquisar neste blog

 

Figueira da Foz
PORTUGAL




Os meus outros cantinhos
Clique nas duas imagens:
 



  Clique na imagem seguinte
        para ver o vídeo do

    Mar da Figueira da Foz


       Fonte Luminosa
       Figueira da Foz

      
Video: Filipe Freitas



SELO da minha Praia
..... pode levá-lo .....




Músicas



PRAIA da CLARIDADE nasceu em:

30/Janeiro/2005

Os 50 Artigos mais Recentes

Batalha da Roliça

Revolução dos Cravos

Massacre de Lisboa de 150...

O Alasca foi vendido

Páscoa: este ano é muito ...

Feliz Dia de São Valentim...

Padre António Vieira

Centenário do Regicídio d...

Descoberta da Vacina

Daguerreótipo

Feliz Ano de 2008 !

Lua Azul

Fossa das Marianas

Flor-do-Natal

Calçada da Fama

Beatriz Costa

Frank Sinatra

Tubarão-touro

Miguel de Vasconcelos

Restauração da Independên...

Egas Moniz

Maiores campos de gelo e ...

Tumba de Herodes

A Bela Adormecida na Figu...

Bola de ténis

Qual a cidade mais fria d...

Tautologia

O maior grupo de lagos de...

Macaronésia

Chuva de estrelas

Erupções vulcânicas

Lenda de São Martinho

Mário Viegas

Muro de Berlim

Libelinha

Castanhas

Falha de Santo André

Quinze anos ao telemóvel

Fotografia Aérea com Papa...

Chuva de animais

Pseudo-fruto

Elevador da Glória

1.º avião do mundo

Maçã

Funicular

Amistad

Turbante

O primeiro satélite artif...

José Hermano Saraiva

Masseiras

Arquivos Mensais

Agosto 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Temas

acidentes

açores

actores

alimentação

ambiente

animais

arquitectura

artes

astrologia

astronáutica

astronomia

aves

aviação

brasil

cantinhos de portugal

cantores

capitais

ciências ocultas

civilizações

crustáceos

culinária

curiosidades

desportos

electrónica

energia

fenómenos

festividades

figueira da foz

filosofia

geografia

guerra

história de portugal

história mundial

humor

informática

insectos

lazer

lisboa

literatura

locais sagrados

madeira

máquinas

mar

medicina

medicina natural

mistérios

monumentos

música

natureza

oceanos

palácios

peixes

pensamentos

pessoas célebres

poemas

poetas

religião

relíquias

rios

saúde

superstições

tecnologias

tradições

transportes

turismo

união europeia

todas as tags

Hora e Temperatura locais (clique, veja a sua zona)

Click for Coimbra, Portugal Forecast

........ Anjo da Paz ........

Anjo da PAZ

Blogues Amigos



À Beira Mar


A Iluminura


A Magia das Palavras


A Papoila


A Serpente Emplumada


Acerca do Mundo


Amicus Ficaria


Ana Luar


Arodla 2006


As the world turns


Barão da Tróia


Bella Mistura


Bióloga Poetisa


Blog da Berenice


Blog da Dalva


Blog das Trevas


Blogamizade


Blog Blogs SAPO


Boanova


Cantinho da Florinda


Cantinho da TiBéu


Canto da Conchita


Chica Ilhéu - Açores


Chuviscos


Cidália Santos


Competências


Confraria das Bifanas


Continua a Sorrir


Dador de Madula Óssea


Deixa-me !...


Doença de Parkinson


Domínio dos Anjos


Dreamers of the Night


Ecos do Tempo


Escrevinhando com o Coração


Eterna Parte de Mim


Evasões Bárbaras


Ex-Improviso


Fadinha Arodla


Fallen Angel - Marisocas


Fátima Cidade de Acolhimento


Floresta de Lórien


FLP - Aloé Vera


Formas & Meios


Formiguinha Atómica


Gatinhos Voadores


Ideias e Ideais - Terceira


Isis


Janela Aberta


José Lessa


Lua e Estrela


Mar y Sol


Menina Marota


Momentos a Dois


Mudar o Template


Noites do Amanhecer


O Atónito


O Estrelado


O PALHETAS -Figueira da Foz-


O Sal da Nossa Pele


O Sino da Aldeia


O Teu Doce Olhar


Paraquedista


Paredes de Coura


Parkinson Campinas


PAVANN


Por Terras do Rei Wamba


Princesa do Mar


Putoreguila


Quinto Poder


Rumo ao Sul


Sabor Latino


Sabor da Cozinha


Segunda Vida


Sem Imaginação


Sentimentos


Som & Tom


Sombreiro


Terena, vila Alentejana


Uma caracol falante


Virtual Realidade






Utilitários



FIGUEIRA DA FOZ
on-line

O seu browser não suporta flash. Necessita instalar o "plug-in".



Meteorologia




Portal dos Sites